segunda-feira, 26 de maio de 2008

ILHA DO MEL, MEU PRESENTE DE 50 ANOS.



Comemorei meus cinqüenta anos de vida, sem festas, sem churrasco, longe da família e de amigos que habitualmente participaram de meus aniversários anteriores. Festejei-o em uma viagem de cinco dias sem um rumo planejado. Foi uma experiência nova, diferente e compensadora. Creio que me dei este presente e que ficará guardado na minha lembrança por muito tempo.
O grupo era formado por três casais afim de aventura: Cris e Beto, Sônia e Luiz Carlos, Alba e eu.
A saída de Porto Alegre foi às 00h com uma pequena parada em Morro dos Conventos a procura de um hotel para descansar. Lá visitamos um hotel centenário que resolvemos abrir mão pelo preço salgado do pernoite. Seguimos viagem e só paramos a o amanhecer em Laguna para descansarmos (dar uma dormidinha que não fizemos à noite) e tomarmos, o café da manhã.
O hotel chamado Hotel da Lagoa de frente para a BR 101 e fundos para a bela Lagoa do Imaruí fazia cultivo de ostras e então resolvemos dar mais um tempo para experimentar o sabor dos bichinhos.


O almoço tinha uma variedade incrível de frutos do mar e o prato que provocou náusea e gargalhadas entre o grupo foi: Ostras cruas com Limão. Há algo de podre no que é chique! - pensei enquanto experimentava aquela variedade gastronômica.


Depois seguimos viagem e nossa próxima parada, além daquelas destinadas às mijadinhas de praxe, foi em Bombinhas, onde visitamos a orla durante a noite e dormimos na pousada Biluca que eu já conhecia de outras temporadas. Esta pousada é simples e só a utilizamos para descançar, abrindo mão do cafe da manhã.


Como até então, estávamos sem um rumo definido, esquecemos a hora de levantar. Nos despedimos de Bombinhas no nosso "despertar cedo", (10 horas da manhã) e seguimos viagem em direção a o Paraná.


Como não tínhamos presa, parávamos por qualquer motivo e principalmente quando a beleza de alguma coisa nos chamava a atenção. Esta trepadeira, na foto abaixo, num restaurante de beira de estrada, fez com que nós nos questionássemos sobre a misteriosa delicadeza da natureza. Repetindo as palavras da Sônia: A visão extraordinária desta planta com o beija-flor já valia a pena e tinha ganho a viagem.


E por falar em natureza, percebemos também o quanto a natureza morta pode ser triste e ao mesmo tempo bela, transformando-se em arte diante dos olhos de seu depredador. Encontramos também muitos troncos de arvores fossilizados pelo caminho.


Em Guaratuba, no Paraná, embarcamos numa balsa com destino para a cidade de Caiobá e Matinhos e nos instalamos num hotel do Candeias por três dias. A partir daí, começávamos a traçar o que seria o nosso próximo destino: A Ilha do Mel.




Lembro-me de ter ficado impressionado com o trafego de balsas para Caiobá, sempre tinha alguma deslocando-se no sentido oposto, transportando moradores, escolares, viajantes  como nós e veículos de todos os tamanhos pela baia de águas calmas e escura. O preço da travessia pela Baía de Guaratuba, que leva pouco mais de dez minutos, custava R$ 2 para motos, R$ 3,90 para carros de passeio e R$ 3,90 por eixo de ônibus e caminhão. Pedestres e bicicletas não pagam.
Na  foto abaixo, mostra a travessia, enquanto admirávamos a beleza do lugar.


Em Caiobá, também tivemos nossos dias de aventuras, onde realizamos trilhas no meio da mata, e passeios noturnos na beira da praia, deslumbrando as embarcações e a vida modestas dos pescadores locais.

  

No dia 10, depois da meia noite, já era meu aniversário e portanto, não deveria faltar um jantar especial com abraços e parabéns à você!
Resolvemos saborear um peixe assado que ganhamos do dono de uma peixaria local; ele era gaúcho e estava fechando seu estabelecimento no momento em que resolvemos comprar o peixe. Como ele não tinha troco e não queríamos ficar sem jantar, demos o endereço do hotel para que ele  passasse no outro dia para pagarmos. Ele nunca passou para cobrar e consideramos isto um presente oferecido por ele.


Dia 11, durante o dia, hora de seguir viagem. Após muita risada, e a sobra do peixe regado com vinho, decidimos ir até Pontal, pegar um barco e visitar a Ilha do Mel.
A ilha do Mel é um ponto turístico de muita importância no estado do Paraná, fazendo parte do município de Paranaguá e possui um restrito programa ambiental. Não é permitido a tração animal ou motor na ilha, assim como é proibido a presença de visitantes em algumas áreas. O turista dispõe de pousadas e pequenos restaurantes.
A ilha tem cinco vilarejos: Fortaleza, Nova Brasília ou Brasília, Farol, Praia Grande e Encantadas. Não há ruas ou estradas, só trilhas. A implantação de geradores de energia elétrica, em 1988, deu início a atitudes que hoje se transformaram em preocupação pela preservação da ilha e sua principal atração: a natureza.



AS PRINCIPAIS ATRAÇÕES QUE CONHECEMOS NA ILHA:

Farol das Conchas:
Construído com material escocês em 1870 por D.Pedro II para modernizar a navegação comercial brasileira. Localizado no alto do Morro das Conchas, pode ser avistado de qualquer ponto da ilha. 

Fortaleza de Nossa Senhora dos Prazeres: 
Único monumento militar do século XVIII existente no Paraná, instalado nos contrafortes do Morro da Baleia, erguido com paredes de um metro e meio de espessura, a Fortaleza foi concluída em 23 de abril de 1769. No alto do Morro da Baleia, junto à Fortaleza, estão canhões e trincheiras de pedras. É o chamado “Labirinto dos Canhões”. Há também, um mirante, com uma incrível vista panorâmica. Chega-se até lá por trilha no morro.


Gruta Encantada:
Situada na parte sul da Ilha, é o patrimônio natural mais importante da Ilha do Mel. O morro da Gruta, formado por um tipo de rocha chamado migmatito é dividido por um veio de rocha negra, o diabásio. A Gruta se formou pela ação do mar sobre o diabásio, menos resistente que o migmatito. Para facilitar o acesso, foi construída uma passarela que leva até a sua entrada.


Istmo:
Localizado em Nova Brasília,  ou Passa-Passa (como é conhecido pelos moradores locais), é a parte mais estreita da Ilha do Mel e sofre um processo de erosão desde 1930, porém atualmente, a água já não atravessa mais de um lado ao outro, como aconteceu em 1995. A largura hoje chega à 30 metros e somente nas grandes ressacas do mar, a água chega a atravessar. 
A despedida da ilha foi  dia 12, no final da tarde, assistindo o Pôr do Sol e depois retornamos para casa, deixando saudades e com desejo de um dia poder retornar.

sábado, 24 de maio de 2008

Fantasma


De repente eu corria pelas ruas sob um longo lençol branco enrolado em meu corpo. Corria contra o vento, numa estação que parecia outono, por lugares onde nunca tinha estado antes, mas que achava familiar. A medida que eu corria, o lençol se enganchava em arvores e objetos e se rasgava e muitos pedaços. Em certo momento percebi que estava nú, porque sentia muito frio.
Então encontrei uma casa de porta aberta onde entrei e avistei minha avó sentada em uma cadeira conversando com um garoto que parecia ser eu, aos dez anos de idade. Não conseguia ouvir o que me dizia, mas sabia que era alguma coisa boa. Então entrou uma mulher de cabelos crespos, bolsa a tira colo e fala macia dizendo aos que estavam ali presente:
-Coisas, situações!..
Atravessei a sala, a casa, entre eles, sem que notassem minha presença, até o fundo do quintal. Encontrei minha mãe à beira de um tanque lavando roupas. Olhar cansado e suor escorrendo das têmporas. Batia as roupas molhadas na tábua de esfregar com muita força e uma espécie de mágoa e resignação no olhar. Quando me viu sorriu sem graça.
Então, corri pra ela, agarrando suas pernas, tentando entrar em baixo do seu vestido, forçando minha cabeça entre suas pernas como se quisesse entrar por onde tinha saído, desesperado, assustado.
Ela, me empurrava contra, tentando impedir-me que continuasse aquela atitude descabida e sem sentido. Perguntava-me entre gritos e esforço físico para que eu não tomasse tal atitude:
-Para!..Para!..Tu és feliz?
Então acordei-me tentando descobrir de onde vinham aqueles gritos, percebendo que era um sonho, mais que isto, eu era um fantasma invadindo meu próprio passado.
Respirei fundo e tentei colar os pedaços deste sonho tão real.

Quem sou:

Fiquei assim, por horas, pensando em quem eu sou na verdade.
O que penso ser?
O que pensam que sou?
A mistura dos dois?
Ou o resultado da subtração sutil de todas essas supostas verdades?
Nem bem verdade, nem bem mentira
Nem isto, nem aquilo.

quarta-feira, 14 de maio de 2008

Homenagem ao amigo


E se eu cair assim como folha amarela e morta da arvore alta deste meu mundo, serei arrastado pelo vento forte dos meus outonos. Dos meus muitos saudosos e amados outonos.
Lambido deliciosamente pelo vento para rumos incertos, de olhos fechados sobre nuvens brancas, braços e pernas estendidas e meu corpo em movimentos circulares, perpendiculares, tranversais, atravessará as estações desta vida, ignorando o tempo, rumo ao que acredito ser a liberdade. Então liberto, poderei oferecer minha mão de encontro a tua, firme e densa para onde me quiseres carregar.
De lá ouvirei a ópera, aquela ópera de falso malandro. Beberei vinho até cair, dançarei Edith Piaf e cantarei Beatles até me esquecerem.


Para meu amigo Hélio
*09/03/1958
+05/05/2008


Você também pode gostar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...