domingo, 31 de agosto de 2008

Perguntas e respostas

Pensei de repente, que talves não seja melhor que tudo fique absolutamente transparente, absolutamente visível, claro, entendível; um pouco de sombra pode ajudar a estabelecer certas duvidas naturais da vida, tão necessária ao nosso imaginario, a nossa fantasia, a nossa inocência. Fértil á sobrevivencia. Afinal por que saber dos reais motivos, das necessaria atitudes, dos verdadeiros conceitos e motivações? Faz-me bem algumas vezes ser embalado por minha própria ignorância e acreditar que algumas coisas não possuem respostas, por que surgem sem uma razão específica. Surgem desmioladas, sem origem, sem causa. Nasce por nascer...e quando se pensa nelas tentando esmiuça-las, surgem infinitas elocubrações indefinidas, volateis, complexas e perturbadoras. Hoje quero dormir sem respostas das perguntas que me fiz, sem o peso das buscas. Quero dormir solto, despreocupado no leito grandiosos da preguiça, irresponsável, talvez amanhã acorde cheio de perguntas numa ansia desesperada por respostas que hoje não estava afim de desvendar por que optei pela divina ignorância.

quinta-feira, 28 de agosto de 2008

Aqui

No carro, transparência nos sorrisos. Satisfação de estar ali um do lado do outro cantando musicas do repertório do arquivo mental. Todas as musica que se pudesse lembrar, a musica da hora, do gosto pessoal, do passado, do presente. Prazeroso isto!.. Isto é também uma espécie de namoro, talvez não muito diferente de tantos outros que devem pintar por aí. Cumplicidade no olhar, no sorriso, erro de compasso, de letras, desafinação, sei lá... Não precisa falar de muitas coisas, as musicas falam oque se gostaria de dizer, oportuna e sem constrangimentos.

[Eu nunca disse que iria ser
A pessoa certa pra você
Mas sou eu quem te adora]

[Se fico um tempo sem te procurar
É pra saudade nos aproximar
E eu já não vejo a hora]

[Eu não consigo esconder]
Certo ou errado, eu quero ter você
Ei, você sabe que eu não sei jogar
Não é meu dom representar]

[Não dá pra disfarçar
Eu tento aparentar frieza mas não dá
É como uma represa pronta pra jorrar
Querendo iluminar
A estrada, a casa, o quarto onde você está]

[Não dá pra ocultar
Algo preso quer sair do meu olhar
Atravessar montanhas e te alcançar
Tocar o seu olhar
Te fazer me enxergar e se enxergar em mim]

[Aqui
Agora que você parece não ligar
Que já não pensa e já não quer pensar
Dizendo que não sente nada]

[Estou lembrando menos de você
Falta pouco pra me convencer
Que sou a pessoa errada]

[Eu não consigo esconder
Certo ou errado, eu quero ter você
Ei, você sabe que eu não sei jogar
Não é meu dom representar]

[Não dá pra disfarçar
Eu tento aparentar frieza mas não dá
É como uma represa pronta pra jorrar
Querendo iluminar
A estrada, a casa, o quarto onde você está]

[Não dá pra ocultar
Algo preso quer sair do meu olhar
Atravessar montanhas e te alcançar
Tocar o seu olhar
Te fazer me enxergar e se enxergar em mim
Em mim... Aqui]

Letra e musica de:
Ana Carolina e Antônio Villeroy

domingo, 24 de agosto de 2008

Suburbano coração

Algumas musicas que ouço, me fazem lembrar de pessoas, de situações, de vivencias que compõe minha vida, meus dias, bordando emoções. Brilho solitário do vidrilho perdido e depois encontrado sem esforço, ao acaso.

Quem vem lá
Que horas são
Isso não são horas, que horas são
É você, é o ladrão
Isso não são horas, que horas são
Quem vem lá
Blim blem blão
Isso não são horas, que horas são

A casa está bonita
A dona está demais
A última visita
Quanto tempo faz
Balançam os cabides
Lustres se acenderão
O amor vai pôr os pés
No conjugado coração
Será que o amor se sente em casa
Vai sentar no chão Será que vai deixar cair
A brasa no tapete coração

Quando aumentar a fita
As línguas vão falar
Que a dona tem visita
E nunca vai casar
Se enroscam persianas
Louças se partirão
O amor está tocando
O suburbano coração
Será que o amor não tem programa
Ou ama com paixão
Mulher virando no sofá
Sofá virando cama coração
O amor já vai embora
Ou perde a condução
Será que não repara
A desarrumação
Que tanta cerimônia
Se a dona já não tem
Vergonha do seu coração.

Composição:
Chico Buarque

Luz e sombra do Livro Morangos Mofados de Caio Fernando de Abreu

[Deve haver alguma especie de sentido ou o que virá depois?- São coisas assim as que penso pelas tardes, parado aqui nesta janela, em frente aos intermináveis telhados de zinco onde às vezes pousam pombas, e dito desse jeito você logo imagina poéticas pombinhas esvoaçantes, arrulhantes. São cinza as pombas, e o ruido que fazem é sinistro como o de asas de morcegos. Conheço bem os morcegos, seus gritinhos agudos, estridentes. Mas não quero me apressar. Penso que se conseguir dar algum tipo de ordem nisto que vou dizendo haverá em conseqüência também algum tipo de sentido. E penso junto, ou logo depois, não sei ao certo, que após essa ordem e esse sentido deve vir alguma coisa.
O que depois?- pergunto então para a tarde suja atrás dos vidros, e sinto reconfortado como se houvesse qualquer coisa feito um futuro à minha espera. Assim como se depois do chá fumasse lentamente um cigarro mentolado, olhando para longe, aquecido pelo chá, tranqüilizado pelo cigarro, enlevado pelo longe e principalmente atento ao que virá depois deste momento. Faz tempo não tomo chá, e controlo tanto os cigarros que, cada vez que acendo um, a sensação é de culpa, não de prazer, você me entende?
Não, você não me entende. Sei que você não me entende porque não estou conseguindo ser suficientemente claro, e por não ser suficientemente claro, além de você não me entender, não conseguirei dar ordem a nada disto. Portanto não haverá sentido, portanto não haverá depois. Antes que me faça entender, se é que conseguirei, queria pelo menos que você compreendesse antes, antes de qualquer palavra, apague tudo, faz de conta que começamos agora, neste segundo, e nesta próxima frase que direi. Assim: é um terrível esforço para mim. Se permanecer aqui, parado nesta janela, estou certo que acontecerá alguma cosa grave- e quando digo grave quero dizer morte, loucura, que parecem leves assim ditas. Preciso de algo que me tire desta janela e logo após, ainda, do depois. Querer um sentido me leva a querer um depois, os dois vêm juntos, se é que você me entende...]

Por que postei este pedaço do texto de Caio Fernando de Abreu as seis horas da manhã? Não sei a o certo!...talvez por identificação e porque perdi o sono. Por causa da janela como pano de fundo descrito no texto e coincidentemente algumas vezes tento ver o meu mundo através de uma delas? Obter minhas respostas? Pelas pombas cinzas sobre os telhados que também arrulham sobre as casas vizinhas daqui?... Infinitos telhados, a duvida sobre o sentido das coisas, e a compreensão do fluxo quem sabe monótono ou apressado da vida, do nosso interior, a ânsia de se compreender e ter respostas a tudo isto? Algo neste texto descreve pontos que me são pessoais, particularmente especial em minha vida, em minha loucura particular, batendo em minhas duvidas, cutucando reticencias que há em mim e acredito também, em ti e que se falarmos ninguém compreende.

sábado, 23 de agosto de 2008

Raros momentos com Gal.

Hoje retornando do serviço pra casa, coloquei o cd de Gal Costa, Acústico-MTV no som do carro e fiquei fissurado naquelas musicas que tantas vezes já ouvi e que quando retorno à ouvi-las, bem... Baixou um clima de saudosismo gostoso, principalmente quando ouvi as canções como: Não Identificado de Caetano Veloso, Sua estupidez de Roberto Carlos, Vapor barato de Zeca Baleiro e camisa amarela de Ary Barroso. Nestes momentos de rara intimidade, tenho a impressão de que somos belos e imortais como estas musicas maravilhosas.

quarta-feira, 20 de agosto de 2008

Práticas de amar

Existem pessoas que modificam o conceito de amar por que cometem praticas destorcidas contra quem ama. Tentam ditar regras, sufocar liberdade, impor suas verdades. Puxam ganchos de problemas vazios ou que não existem para te pendurar neles. Esticam cordas para se equilibrarem com sentimentos ora de alegria, ora de frustração tentando te arrastar com elas nesta dança absurda. Sempre querem mais do que se tem para dar, ficam insaciáveis, insatisfeitas, perigosamente letais. Eu estou fora desta.

domingo, 17 de agosto de 2008

A despedida

Moema partiu sábado à tarde com a finalidade de vivenciar a alegria da qual chama de vida. Retomar contatos de seu convívio do passado. Despediu-se com olhar profundo, mesclado de doce e azedo, dominada talvez pelo cansaço de suas antigas intensões. Percebi que fará uma desintoxicação de mim. Limpará sua alma, suas feridas ainda abertas para que seja breve a cicatrização, a cura. Fiquei sentado com o olhar fixo no laminado do chão, procurando oque pensar, ouvindo o ruido da chuva imaginaria que não caiu sobre o telhado . Senti seus batimentos do coração junto dos meus numa sinfonia desgovernada, seu cheiro de priprioca, sua coragem de gigante. Em breve retornará outra à procura urgente de sua nova vida.

quinta-feira, 14 de agosto de 2008

Profissão de risco

Transferi ontem à noite, do posto de saúde da Restinga para o Pronto Socorro, um soldado aposentado da brigada militar que foi baleado no abdome e braço, em defesa sua e da comunidade, contra uma ação criminosa em um supermercado nas redondezas da Estrada do Barro Vermelho. Lembrei deste fato, por que enquanto deslocávamos na ambulância, ele me comentava sobre a sua necessidade de ainda ter que trabalhar depois da aposentadoria, para puder manter a família. Havia momentos em que ele chorava e depois rezava agradecendo à Deus por sua vida e também pedia que livrasse seu filho do caminho desta profissão tão pouco remunerada e arriscada.

Sexo à três

Uma amiga que não vou dizer o nome nem que a vaca tussa, me contou que seu namorado perguntou-lhe certa vez oque ela gostaria de experimentar de "novo" com ele, quando iam ao seu apartamento transar. Depois de alguns dias, fazendo charminho, boquinhas e vencer a timidez, ela disse-lhe que tinha vontade de transar a três.
-Ha três? Como à três? Perguntou ele dividido entre mesclas de curiosidade, surpresa e desconfiança.
-Eu, tu e outra mulher! Confessou-lhe revelando seu segredo de muito tempo. Ele então excitado, comprometeu-se de providenciar outra parceira, e quando conseguiu, a o contrario do que minha amiga pensava, tudo transcorreu a mil maravilhas, em perfeita harmonia e sem comprometer a satisfação dos três.
Algumas semanas depois, envergonhada, ela terminou tudo com ele, que a ligava insistentemente insinuando que as duas teriam iniciado um caso. Ela disse-lhe então, que nunca mais vira a moça de novo e que só com ele não achava mais graça.
Bem, postei este texto sobre minha amiga, não com o objetivo de contar uma história de sacanagem ou uma piada vulgar para aborrecer os preconceituosos e puritanos, mas com o intuito de alertar as pessoas sobre nossos desejos muitas vezes sufocados e reprimidos por falta de coragem e vergonha. Medo de assumi-los diante de nós mesmos, de descobrir interesse por coisas ditas fora do normal.
Acho que vale a pena o experimento de nossa libido desde que não prejudique a nos nem a ninguem, desde que todos fiquem felizes e satisfeitos com seus fetiches e desejos "proibidos".

Será que estou ficando louco?

Tenho deixado de cortar os meus cabelos, que são crespos, pra mais de três meses. Resolvi mudar de cara ou estou ficando completamente louco. Como trabalho nas ruas, pescando gente atropelada, acidentada e outras coisitas mais, as vezes não dá tempo para ajeita-lo. Hoje quando levei um paciente para a emergência clinica do Pronto Socorro, a doutora Carmem me perguntou assustada enquanto eu entrava na sala:
-Oque é isto?
-É um paciente!
-Não, o teu cabelo?..
Todos riram, menos ela com a expressão de preocupada.

terça-feira, 12 de agosto de 2008

O fujão



Hoje Bili resolveu passear. Aproveitou o descuido de sua dona e escapolio às pressas pelo cantinho do portão entre aberto quase derrubando-a no chão. Contam que Bili é um labrador de natureza dócil e educada, mas a possibilidade de dar uma fugidinha em direção a liberdade das ruas, praças e qualquer canto que pudesse enfiar seu focinho curioso, fazia-o sempre esquecer as boas maneiras. Mobilizou toda a família durante o dia em sua procura e nada. Já no final da tarde, quando já escurecia e todos demonstravam exaustão, brabeza e uma certa preocupação por estar quem sabe morto, atropelado, preso em algum cativeiro, retornou sujo, de orelhas caídas, rabo entre as pernas e olhar de resignação. Quando chegou silencioso, foi uma festa geral, mistura de risos, alívio e advertência: Se tu fizeres isto de novo, vais para a corrente!
Bili deitou sobre o seu tapete na entrada da garagem e dormir a noite toda com cara de criança cansada.

Voadeiras



Tenho paixões que se alternam periodicamente em minha vida. Elis, Zizi, Cássia Eller, Marisa Monte e ai se vão. Há alguns dias descobri Mônica Salmaso a partir do programa Som Brasil em homenagem a Edu Lobo realizado pela TV Globo dia 25/07 do qual postei comentário em meu blog. Entrei na internet, pesquisei sobre a cantora, ouvi suas musicas e foi um encantamento total. Baixei seu cd Voadeira do qual destaco as musicas: Dançapé de Mario Gil, Senhorinha de Guinga, Canto em qualquer canto de Ná Ozzetti, Silenciosa de Fátima Guedes, Ave Maria no Morro de Herivélto Martins. Curioso com o titulo escolhido para seu cd, chamado Voadeira, fui em busca do significado da palavra que a principio não tinha referencia no dicionário do Microsoft Office Word, mas que encontrei por teimosia no site: , da jornalista Carol Costa que explica: Voadeira, um tipo de barco, tem um pouco cara de roça, de alçar vôos particulares, de coisas simples.
*Mais informações sobre a cantora: Entre em seu site:aqui

segunda-feira, 11 de agosto de 2008

A Morte

A morte não tem conceito exato, nem raso. Não é apenas um corpo sem vida sob uma cova, mas ausência total de trocas elementares, boas ou ruins!

VÔ ANTÔNIO.

Antônio Barbosa, era o homem que conheci como avô. Era o terceiro marido de minha avó, que antes viuvou de dois e com ele não teve filhos. Era um homem quieto, autoritário e pouco simpático. Raramente dirigia-me a palavra e seu olhar sisudo demonstrava a pouca simpatia que tinha por mim.
Quando morreu, seu corpo foi velado sobre a mesa da cozinha, onde tantas vezes orou antes de fazer as refeições. Seu caixão era simples e sem adornos e nem flores foi jogado sobre o seu corpo porque era contra cerimonias ou homenagens fúnebres.
Meus tios contavam que um mês antes de sua morte, ele chamou minha avó e disse-lhe que já estava perto a sua partida. Entregou-lhe uma pasta com documentos e dinheiro para que não fosse pega de surpresa na hora de seu enterro. Apesar de nossa pouca ligação de afeto, eu sabia que era um homem integro, sensível e temeroso á Deus e pelo qual toda a família lhe tinha respeito...

O velório

...No dia de seu velório, aproximei-me para vê-lo deitado no caixão de terno escuro e mãos sobre-postas cobertas por um lenço branco. Era um dever de todos os entes queridos independente da idade, em minha família, dar o ultimo adeus com um beijo de despedida em quem morresse. Embora não me sentisse querido sentia-me na obrigação de faze-lo por uma questão de respeito a minha avó e aos que estavam presentes. Sentia arrepios só em pensar ter que encostar minha boca naquele rosto que parecia de cera, pálido e frio, mas precisava me imbuir de coragem e seguir em frente. Quando o representante do templo em que ele freqüentava chegou para encomendar-lhe a alma, senti que teria ainda alguns minutos antes do temido sacrifício, embora soubesse que cada vez mais se aproximava do momento. Todos se despediram e então chegou minha vez.
O beijo foi rápido e com aquela sensação de que tinha recebido um castigo e que duraria para toda a eternidade, ou enquanto eu vivesse.
O caixão foi lacrado e então todos saíram para a rua, de cabeças baixas, em silencio, acompanhando-o até sua morada final.

Campo Santo

Minha cama, na casa de minha avó, era um campo santo, feita só para mim dormir, de cobertores de lã, sobre o chão ao lado da dela. Na madrugada eu esticava minha mão pequena em sua direção, que me envolvia de calor e conforto maternal. Somente assim eu me sentia protegido e conseguia dormir com tranqüilidade e em paz. Muitos anos depois ainda sentia um certo desconforto em dormir sobre camas com colchões.

domingo, 10 de agosto de 2008

Dia dos Pais


Hoje, Dia dos Pais, acordei com um frio na barriga, lembrando do meu pai. Correram flaches na minha memória , do tempo em que eu ainda era garoto e esperava reações de carinho, amizade e atenção por parte dele e que nunca vieram. Com o tempo, passei a entender que as pessoas dão aquilo que recebem e que acumulam no decorrer de suas vidas, oque talvez tenha sido seu caso. Quando fui presenteado com o nascimento do meu filho, prometi que tudo seria diferente, pois lhe daria tudo oque não recebi. Em nossos encontros, quando nos abraçamos e nos beijamos, nossas trocas de olhares tem luz azul, cumplicidade e emoção, sinto que circula entre nós muito mais do que um simples cumprimento afetivo entre pai e filho, muito mais que uma relação de amizade, pois transcende a tudo isto, fazendo minha alma inebriar-se de felicidade e eu ficar assim bobo, imensamente agradecido por sua existência.

sexta-feira, 8 de agosto de 2008

888- Abertura do Portal de Orion

Recebi da amiga Cleusa, um email dizendo que hoje 28 de Agosto de 2008, traduzido por 888, é o dia que marca a entrada da humanidade no mundo novo, de ascensão espiritual através da abertura do Portal de Orion. Este dia é marcado pelo encontro espiritual entre homens e deuses. A constelação de Orion é um ponto de referencia cósmico que opera energia, formando a teia da vida na galáxia. Os poderes do universo emitem novos níveis vibratórios, como parte do processo evolutivo da humanidade. Segundo entendedores profundos no assunto, o efeito desta abertura é a multiplicação da intensidade de nossas emoções e aspirações sejam elas quais forem. Isto significa que cada emoção, intenção, desejo se positivo ou negativo emanado por nós será ampliado mais de um milhão de vezes em nossa intenção. Nossos pensamentos criam nossa realidade a partir do que focarmos em pensamentos e desejos, por tanto neste dia devemos mentalizar somente pensamentos bons, positivos, desejando coisas boas para si e o proximo.

OUTROS OUTUBRO VIRÃO

Ontem de manhã, antes de sair para o trabalho, beijei meu filho que ainda estava deitado na cama com seu breve sorriso de sonhos. Será que sonhava, e com oque? 
Coincidentemente, quando peguei meu carro na garagem e liguei o rádio, tocava uma musica de Milton Nascimento, na voz de Elis cantando o seguinte refrão conhecido: "Oque foi feito amigo de tudo que a gente sonhou, o que foi feito da vida, o que foi feito do amor?"... Já na rua, levantei o volume do rádio e fui cantarolando a canção e a o mesmo tempo me perguntando sobre a veracidade daquela letra e fazendo histórias paralelas que falavam de sonhos que montamos em nossa singular juventude e vão se desfazendo no transcorrer da vida, ou que são substituídos por outros que exigem menos esforços, menos paixão, trocados por responsabilidades ditas maiores ou pela seriedade que impomos à vida. 
Pensei também, que afinal, viver com responsabilidade e seriedade não nos coíbe de sonhar, de acreditar em dias melhores. Lembrei-me de amores e conquistas que idealizei e que até vivi provisoriamente acreditando na sua permanência em minha vida e que se foram com o passar dos dias, dos meses, dos anos, sendo trocados gradativamente por sonhos novos, as vezes maiores ou menores, pelo infortúnio das impossibilidades, das surpresas que obrigam-nos a mudar de rumo, a repensar, a abrir mão de. 
Vivemos assim, acreditando que "outros outubro virão, outras manhãs plenas de sol e de luz", como diz um dos estrofe da musica, guardando nossos sonhos na palma da mão sem abri-la, deixando para viver amanhã o que se poderia ter vivido hoje, com paixão e a tesão dos amantes, com o pássaro preso, sem deixa-lo voar. Tomara que os sonhos de meu filho sejam tão coerentemente loucos ao ponto de serem realizáveis e faze-lo voar sem medo, sobre Outubros, Novembros, o que vier.

terça-feira, 5 de agosto de 2008

Ação criminosa

Hoje pela manhã quando cheguei para trabalhar a surpresa já aguardada e muito comentada entre os colegas: A base do SAMU na Restinga, tinha sido arrombada durante a noite enquanto os colegas faziam uma remoção de uma paciente gravida ao hospital. O ladrão ou seriam dois, entraram retirando o aparelho de ar condicionado da parede pelo lado de fora do prédio e então ja dentro da base tentaram arrombar a porta principal com um pé de cabra no intuito de levarem objetos maiores como televisão, microondas, fogão, geladeira. Durante esta ação criminosa, só conseguiram carregar o aparelho de ar condicionado que deixaram a alguns metros para mais tarde buscarem e a bolsa da colega que estava de plantão, contendo documentos, dinheiro, cartões de crédito e um carregador de telefone celular. A policia, acionada por algum vizinho atento nas redondezas e que ouviu barulhos na base, chegou rápido e logo saiu a procura de vestígios dos ladrões. As ligações da gerencia do SAMU, da sala de regulação médica e responsáveis técnicos começaram a chegar cedo, preocupados com o fato da ambulância estar fora de atendimento e assim deixando descoberta uma das regiões mais populosas da cidade, cerca de 130.000 habitantes, representando mais de 10% da população total de Porto Alegre. Recebemos também a visita do Diário Gaúcho e da RBS com o objetivo de documentar jornalisticamente o fato ocorrido. Este fato lastimável, não foi de maneira alguma um fato isolado pois no mesmo local ja ocorreram anteriormente roubos de refletores, de telas de isolamento do terreno e arrombamentos de veículos dos funcionários que pra lá se deslocam para noites de plantão. Revoltados com a violência e a criminalidade que se estabelece cada vez mais e incompreensivelmente vitimando um serviço que serve como instrumento de socorro e ao salvamento de vidas, os funcionários demonstraram preocupação e insegurança lembrando mais uma vez a trágica história da colega que foi assaltada e depois violentamente morta com um tiro na cabeça quando chegava para trabalhar na base do SAMU no bairro Belém Novo.
-Vocês salvam vidas todos os dias, mas quem protege a de vocês? Comentou alguem que passou hoje por lá.

segunda-feira, 4 de agosto de 2008

Fim de tarde

Por aqui a tarde cai seus olhos numa expressão de tristeza e cansaço desolador. As arvores abanam seus galhos despedindo-se do dia que correu apreçado, ora de vento, ora de sol, ora de chuva que abençoou a terra, que umedeceu as ruas e fertilizou as praças com cheiro de húmus, e tudo vai se fechando numa escuridão serena, lenta para encontrar o novo dia.

Você também pode gostar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...