quinta-feira, 30 de julho de 2009

Arte Francesa em PoA

Fui na terça-feira, durante à tarde, visitar a exposição no MARGS dos grandes mestres do realismo francês: "Arte na França 1860/1960-Realismo". A exposição reúni mais de cem obras de artistas de grande importância, criadas sob a influencia do realismo francês, entre eles: Courbet, Monet, Van Gogh, Degas, Renoir, Cézanne, Balthus, Millet, Dérain, Miró, Dalí e Manet.
A ascendência do estilo sobre artistas brasileiros também é revelada na mostra, que também traz obras de Cândido Portinari, Almeida Júnior, Iberê Camargo, Lasar Segall e Guignard produzidas na França.
A exposição “Arte na França 1860 – 1960: O Realismo” é uma realização do Governo do Estado do Rio Grande do Sul, com a Secretaria Estadual da Cultura e o MARGS, com patrocínio Banrisul, Grupo Gerdau, CEEE, Corsan, Caixa/RS e Sulgás.
Meu ingresso? Um saquinho de arroz que será destinada ao comitê de Ação Solidaria do Governo Estadual, para a Campanha do Agassalho.

Museu de Arte do Rio Grande do Sul (MARGS)
Praça da Alfândega, s/n° - Centro – Porto Alegre
De 14 de julho a 30 de agosto
Visitação de terças a domingos, das 10h às 18h



Preconceito no Twistter

O preconceito quando não assumido publicamente, está dissimulado na nossa sociedade sob gestos, olhares, atitudes e também comentários entre pessoas que não se esperava uma atitude descriminatória, por que supõe-se que elas são livres destes vergonhosos sentimentos, mas quando são formadores de opinião, e tem vida pública e assim subentende-se responsabilidade sobre oque falam e pensam e servirem de certa forma como exemplo a toda a sociedade, até que num determinado momento elas mostram oque realmente pensam e terminam defecando pela boca e daí o remendo fica pior do que bater no peito e assumir de uma vez o que já se sabe. Fiquei não sómente pasmo, mas também revoltado ao ler esta reportagem num jornal-revista na Internet e que copiei aqui no blog para voces analizarem o ocorrido:
O humorista Danilo Gentili, do programa "CQC" da TV Band, será investigado pelo Ministério Público de São Paulo por possível crime de racismo. De acordo com a coluna Zapping, assinada por Alberto Pereira Jr., ele publicou uma piada em seu perfil do Twitter na noite de sábado, 25, que gerou repercussão. Gentilli escreveu: "Agora no Tele-Cine KingKong, um macaco que depois q vai para a cidade e fica famoso pega uma loira. Quem ele acha que é? Jogador de futebol?"
Minutos depois, ele voltou a escrever no perfil tentando justificar a brincadeira: "Alguém pode me dar uma explicação razoável porque posso chamar gay de veado, gordo de baleia, branco de lagartixa mas nunca um negro de macaco?". Não satisfeito, Gentili, continuou se justificando: "Reparem: na piada do KingKong nao disse a cor do jogador. Disse que loira saiu com o cara porque é famoso. A cabeca de vocês que tem preconceito, hein".
No domingo, Gentili voltou ao Twitter para postar uma foto e comentou: "Obrigado, pessoal. Vocês conseguiram me prender igual a um macaco por denúncias de racismo."
Ainda indignado com tudo o que está acontecendo, Gentili preferiu usar um espaço maior, além dos 140 caracteres oferecidos pelo Twitter, para continuar o assunto. Em seu blog, o repórter do CQC falou sobre a diferença de raças para explicar o seu ponto de vista sobre o assunto.
"Se você me disser que é da raça negra preciso dizer que você também é racista, pois, assim como os criadores de cachorros, acredita que somos separados por raças. E se acredita nisso vai ter que confessar que uma raça é melhor ou pior que a outra. Pois se todas raças são iguais então a divisão por raça é estúpida e desnecessária. Pra que perder tempo separando algo se no fundo dá tudo no mesmo?", diz o humorista em seu blog.

terça-feira, 28 de julho de 2009

O DIA QUE NEVOU EM PORTO ALEGRE

Amanheceu um lindo dia ensolarado nesta terça-feira, cujo o inverno aqui no sul tem sido um dos mais rigorosos das ultimas décadas. Poucos estavam acordados para sentir, mas a cidade registrou na manhã de sábado, 25 de Julho, o frio mais intenso dos últimos dez anos, informado pelo Instituto Nacional de Meteorologia, localizado no Jardim Botânico, zero graus.
Lembro-me de 24 anos atrás, quando eu ainda com 26 anos, abri a porta da cozinha da minha casa, em Viamão e deslumbrei a paisagem mágica da neve caindo sobre o pátio e a fumaça da chaminé do fogão à lenha se misturando entre os flocos de gelo. A neve caiu por aproximadamente uma hora.
Era 24 de Agosto de 1984, data que eu me esforcei para não esquecer, dado a um evento incomum desses. No outro dia saiu a reportagem com fotos no jornal ZH, mostrando aos leitores, esta bela manifestação da natureza, para os incrédulos que estivessem alimentando alguma dúvida sobre o ocorrido.


segunda-feira, 27 de julho de 2009

Carta Vieja/Carmenére 2008/Chile

Carta Vieja Carmenére 2008/ Chile. Faltou corpo que aveluda a lingua e encanta no primeiro gole, no primeiro momento que se guarda em alguns segundos dentro da boca, depois excedeu um certo toque amargo que persistiu e não passou boa impresão. Não aprovou!

domingo, 26 de julho de 2009

Trilhas sonoras da vida

Ontem, na casa de meu irmão pôr ocasião de seu aniversário, a família e alguns amigos estavam reunidos. Entre muitas gargalhadas e brincadeiras coletivas, assistíamos alguns vídeos de cantores americanos dos anos 70 da coleção particular de meu irmão. Lembrava-me de algumas musicas, mas sem saber ao certo onde exatamente elas se encaixavam na minha história. Pôr breves minutos tive aquela sensação de que o tempo passou rápido para mim, minha família e todos ali reunidos e que aquelas musicas eram no momento, algum ponto de atração que nos puxava para um mesmo espaço em comum do passado, onde todos de alguma forma foram felizes a sua maneira, então restava cantar, lembrar e aplaudir com muita saudades aquelas trilhas sonoras inesqueciveis de nossa vida.

quarta-feira, 22 de julho de 2009

Auto-encenação

Há duas maneiras de nos relacionarmos conosco e com os outros: Acreditar no que realmente somos ou ver nossas faces como personagens de nós mesmos e é quando utilizamos alguns tipos de disfarces e tentamos convencer a nós e aos outros sobre aquilo que pensamos que somos e que criamos no nosso mundinho falso. Muitas vezes passamos até a acreditar nestas mentiras (e em cima disto, alicerçamos histórias, emoções, opiniões que não são as nossas, que são inventadas, forjadas por este personagem que criamos). Isto acontece por que de alguma forma ficamos inseguros, temerosos de que percebam alguma fragilidade em nossa vida, que nos tornemos fracos, incapazes na opinião dos outros. Mas vale a pena lembrar que nossa opinião sobre nós mesmos é tão ou mais importante, que a destas pessoas que tentamos nos esconder, nossa opinião tem um peso muito maior que julgamos saber no perimetro da consciencia, somos duros com nos mesmos. Foi assim que me percebi semana passada, quando levantei o telefone e me pus a conversar com algumas pessoas que eu não falava há meses e que eu já percebera ter perdido a minha confiança nelas ou que talves nunca tivesse tido. Fui sentindo que meus gestos e expressões se modificavam na medida em que ia falando sobre mim mesmo, justificando-me após cada opinião que formava a respeito de algo na minha vida, era subjetivo, parecia tentar provar onipotencia e assim afasta-los do que realmente sou e que talvés precisasse na urgência de minha insegurança esconder. Por alguns instante me parecia com uma outra pessoa, falando de outra pessoa, criando um falso discurso que nem eu mesmo acreditava. Por outro lado, elas alimentavam este meu discurso, fazendo perguntas em cima de perguntas, se mostrando curiosas de saber tudo sobre a minha vida embora não se importasse com isto, curiosos sobre a minha grande mentira.

segunda-feira, 20 de julho de 2009

Falando de viagem

Rita deu um pouco de seu tempo para me contar sobre sua viagem para a Europa e em particular sua impressão a respeito de Roma, Paris e Atenas, cidades que por razões pessoais mais lhe chamaram a atenção por sua beleza. Enquanto falávamos percebi em seu olhar um entusiasmo que eu julgava fosse maior quando converssasemos a respeito. Fiquei pensando se é possível visitar um lugar destes sem ficar basbaquiado com sua arquitetura, museus, pontes, cultura, tudo que se pode ver e sentir nestes locais aclamados pela opinião geral. Lembrei-me de alguém ter me dito que depois de algum tempo viajando tudo parece ser um lugar comum, como se uma ruela em Paris fosse parecida com uma outra na Argentina, um vale na Espanha lembrasse algum recanto no sul do Brasil, Pittsburgh com Recife e então as pessoas não percebem mais as diferenças... Estar na Bélgica e como estar em qualquer lugar, isto é possível? Na minha opinião viajar tem que ter um gosto maior do que simplesmente conhecer lugares, é visitar com olhos de conquista, com a atenção de quem busca o diferencial em pequenas detalhes que talvés não seja encontrado na arquitetura, nos pontos turísticos, mas nas relações que se cria entre você e as pessoas, entre você e o meio. Em diferentes locais é necessário ter um olhar diferente. Observar detalhes, captar elementos que vão alem de sua historia. Sim por que cada recanto, vila deve haver alguma história, algum segredo. Impossível pensar na Torre Eifel, apenas como um gigantesco monumento de aço. Precisamos nos deixar seduzir, agregar emoções, observar ou criar situações que virem referencia em nossa vida, que atinge nossa alma, para que um dia possamos nos lembrar. Com certeza aquele banho de Anita Ekberg, no Fontana di trevi no filme La doce Vita, acho que jamais foi esquecido por ela como por todos que a assistiram.

A culpa é de Deus?

Agora pela manhã liguei para o celular de uma colega de trabalho, e que considero muito mais que isto, mas uma grande amiga em se tratando do tempo que nos conhecemos e que dividimos um com o outro nossos problemas pessoais e luta profissional por mais de vinte anos. Ela estava na rua quando me atendeu e informou-me com tristeza sobre o falecimento de sua mãe dia 14, sendo atendida por uma equipe do SAMU. Insatisfeita e revoltada com a qualidade do atendimento que foi prestado à sua mãe, disse-me que buscaria os recursos legais para processar o serviço que não valorizou o estado grave em que se encontrava sua mãe quando foi solicitado e durante o socorro. Fiquei perplexo enquanto ela me dava a noticia, com a voz triste o ocorrido com sua mãe, dona Bibi, que eu conhecia de tanto tempo e indiscutivelmente criei laços, como se fosse um familiar meu. Envergonhado de fazer parte deste serviço do qual ela se queixava e que hoje, enfrenta tantos problemas internos quanto estruturais, que tenta abraçar os problemas de saúde de uma cidade que cresce à margem de um defasado numero de recursos técnicos pertinentes a todo o problematico complexo de saúde neste país, como (pessoal, centros de emergências, ambulâncias, hospitais, recursos), com uma legislação bonita de se ler no papel, mas que no dia a dia é impraticavel. Fiquei naquele situação delicada de quem não pode ficar em cima do muro e que precisa tomar partido de algum lado da situação, a dor de minha amiga ou as explicações formais de um serviço instituído, legalizado, informatizado, do qual faço parte e sei que algumas vezes não recolhe informações corretas de quem solicita o serviço e então envia o recurso errado, às vezes nem envia, que desacredita e descredibiliza profissionais de funções menores que atendem na linha de frente. Talvés eu devesse visitar minha amiga e dar-lhe tapinhas nas costas dizendo que havia chegado a hora de sua mãe partir e que nada poderia ser feito, nem mesmo pelo SAMU, talvés eu devesse lhe dizer que eu acreditava que tudo foi feito com a maior competencia, desde o acolhimento médico na hora do chamado até o atendimento final realizado pela equipe, mas eu não tenho certeza de nada!.. Não, eu não consigo ser hipócrita o suficiente para encenar este teatro e acho que ela deveria ir sim em busca da verdade, apurar responsabilidades se tem duvidas sobre o ocorrido ou apenas se consolar, fingir que aceitou e colocar a culpa como a maioria das pessoas fazem, em Deus.

domingo, 19 de julho de 2009

O trote

Hoje é domingo e ainda tenho de trabalhar. O telefone começou a tocar 4h 30 min. da manhã por que alguém do outro lado da linha resolveu passar trotes ou algum golpe e eu fui o escolhido. Foram três absurdos e insistentes pedidos de socorro de alguém que se dizia minha filha, que simulava a voz de uma adolescente chorando e pedindo ajuda, que se dizia estar nas mãos de bandidos. Eu não tenho filhas e então resolvi desligar o aparelho da parede depois da terceira insistencia, imaginando que se não o fizesse viriam frases agressivas falando em sequestro, dinheiro, morte e outras barbaries. Resolvi afastar-me daquele clima, sai do quarto e fechei a porta. Aguardei meu horário de ir para o trabalho sentado na sala, já sem sono., irritado. Impossivel não deixar de se alterar com uma ligação destas, na madrugada interrompendo o sono, mas não quis pensar em quem estava do outro lado, se era simulação ou verdade, se alguém precisava realmente de ajuda, dar vazão ao desespero, preferi acreditar no possível golpe já conhecido e que tantas pessoas foram vitimadas, talvés pra mim fosse mais facil acreditar nisto. Chovia la fora e ouvia a chuva bater na calçada de concreto, nas caixas de proteção de ar-condicionado. Lembrei de meu filho que vi algumas horas antes e combinamos assistir um vídeo juntos nestes poucos dias de ferias escolar. A chuva parecia não desistir de cair, o telefone decididamente eu deixara mudo e trancado no quarto, abri a porta e saí para o trabalho fingindo despreocupação.

sábado, 18 de julho de 2009

Ensaio sobre a Cegueira

Imagine que de uma hora para outra tu percas a visão e depois gradativamente todas as pessoas a tua volta, vizinhos, amigos a cidade, o país inteiro, numa epidemia repentina e inexplicável e todos acabam cegos e reduzidos pela obscuridade, a meros seres lutando por seus instintos. Ensaios sobre a cegueira é um drama que descreve o colapso humano e urbano com a destruição da sociedade perdendo tudo aquilo que se considera civilização. Mostra o caos e a luta das pessoas para se adaptarem a falta destes sentidos (visão e civilidade) e o preço a pagar por isto. Mais do que tudo, é uma reflexão dos valores humanos na medida em que são obrigados a confiar um nos outros para continuarem a sobreviver com a diferença do que eram para o que se tornaram, obrigados a rever valores morais e humanos indistintamente.




Baseado no livro de José Saramago.
Ensaio sobre a Cegueira
tem a direção de
Fernando Meirelles e o Título original -Blindness

Ano: 2008/ Brasil-Japão-Canadá.

quinta-feira, 16 de julho de 2009

Esquecimento

Ontem à noite, eu falava com minha irmã pelo telefone enquanto ouvia de fundo a voz de minha mãe me advogando:
_Não briga com ele, deve estar muito cansado, por isto esqueceu!.. Mas minha irmã, continuava sem dar ouvido à ninguém, braba com minha falta.
_Tu esqueceste do meu aniversário seu mer...
Meu Deus, era verdade! Esqueci inclusive do dia da semana, do mês, do ano... Como pude esquecer do seu aniversário, da menina que eu trancava dentro do guarda-roupas e que ainda hoje sei que precisa de tanta atenção.

terça-feira, 14 de julho de 2009

Estranhos de nós mesmos.

Encontrei uma mulher no posto de saúde que assim que teve a oportunidade se aproximou de mim e disse sorridente:
_Acho que não esta lembrado de mim! Sou a sobrinha da Teresinha, a tua amiga, lembra?.. Acho que não vais te lembrar pois eu era adolescente ainda e tu era bem jovem, mas te reconheci, assim que entrastes naquela porta, os olhos, o jeito!..
Depois da surpresa, fiquei buscando, pensando.., meu Deus, claro que não lembrava dela...e nem com um largo esforço conseguí lembrar da adolescente que foi. Falava de coisas em comum e que cruzavam na minha memoria meio reticente, falho, mas que com certeza foram situações que vivenciamos juntos, fechava! Agora era uma mulher feita, uma estranha mulher dizendo-me que se lembrava de mim, de anos atraz em visitas em sua casa, em sua família... Me senti desconfortável, embaraçado, como se estivessemos falando de outras pessoas que não éramos nós, envergonhado pela falta de lembrança, sendo subjugado pelo meu próprio esquecimento, incomodado com o que o tempo faz com a gente: 'Um estranhos de nós mesmo'. E ela continuou, empolgada por ter se lembrado de tudo, feliz por ter me encontrado mesmo me achando mais velho. Talvés meio irritada de eu ter esquecido.

De olhos bem fechados

Eu achava que não era sonho. Eu acreditava que era real e podia ouvir o cavalgar veloz do cavalo negro pelo corredor estreito do pátio de casa durante a madrugada. Era fascinante e assustador. Eu apertava meu corpo contra as paredes da casa, de olhos bem fechados para que ele não me atropelasse e daí eu morreria. Eu sentia o seu cheiro e o vapor que saia de sua boca. Eu nunca acreditei que fosse sonho, sempre pensei que fosse real e até hoje tenho esta dúvida do que de fato acontecia!..

Como se fosse...

Me acordei cedo para trabalhar sentido-me tão normal, equilibrado, envolvido nestes conceitos de aceitabilidade para com as coisas que normalmente me ponho contra e me rebelo. Então me veio a letra de uma musica do Fagner na cabeça que ficou presa em mim quase que o dia todo. Nada a ver com que eu sentia, mas ela ficava ali dentro de mim repetitiva, como ave saltando, como se eu buscasse energia para conquistar as estrelas.

"De azul carinho
Vi a noite pintada
Fosse alegre como ave soltando
Fosse triste como ser virgem
Fosse linda como a conquista
Das estrelas, das estrelas
De azul carinho
Veio o desenho pintado
Jeito de amar desesperado
Mais chorando que vivido
Como se vivê-la fosse não vê-la."

Fagner/Capinan

segunda-feira, 13 de julho de 2009

Sonrisal na agua

Hoje fui ao teu encontro pensando te achar como ontem, para diminuir minha raiva, pra deitar a cabeça no teu colo e ficar quieto, sem pensar em nada, sem dizer nada, apenas me manter em silencio. Sinto distanciar-me de tudo, afastar-me não sei pra onde, desaparecendo, sumindo, partindo, efervecendo-me como Sonrisal na agua!

domingo, 12 de julho de 2009

Fale com ela

Assisti nesta semana o filme de Almodovar, Fale com ela e me perguntei pôr que não o tinha assistido antes. Tem perguntas que não temos respostas assim como presentes que sem razão, deixamos escapar pôr entre os dedos pôr pura desatenção, acho que foi isto que aconteceu. Desatenção, nada mais explica!
O filme é maravilhoso, um convite ao espectador entrar dentro do universo humano feminino e conhece-lo sem esperar retorno imediato pois o ganho vem de si mesmo., no silencio, no amor. Almodovar esmiuça o universo masculino feito de sentimentos como solidão, desamparo e renúncia amorosa. Para perscrustá-lo, inverte alguns sinais e dá a seus dois protagonistas características femininas. Marco não só é sensível ao extremo e chora pôr situações que qualquer outro homem habitualmente não choraria, como Benigno, que parece ser efeminado ou mesmo assexuado. Explora magnificamente a incomunicabilidade nas relações, o dar e sentir sem a possibilidade de retorno. Você pode estar se perguntando o que pode haver de surpreende e polêmico em um filme onde duas mulheres estão em coma e dois homens trocam experiências sobre a vida, acredite, nas mãos de Almodóvar muita coisa. Fale com ela conta ainda com uma participação especial de Caetano Veloso, que tem sua música (cucurrucucu paloma) inserida no filme de forma apaixonante, e ainda numa cena de toureada magnifica, Elis Regina empresta sua voz na musica "Por toda a minha vida"- de Tom Jobim. Sem me estender muito, aconselho a não fazer como eu de ficar tanto tempo sem assistir o filme. Surpreenda-se!

quinta-feira, 9 de julho de 2009

...Engrenando...

Depois de um dia de trabalho:
  1. Futebol de salão e gritos da torcida no club.
  2. Duas cervejas Bock bem geladas.
  3. Vaca atolada entre colegas alegres.
  4. Um chá quente e amargo para evitar a azia.
  5. Almadovar ao chegar em casa.
Vou tentar dormir para um novo dia de trabalho!..

quarta-feira, 8 de julho de 2009

O leitor

Depois eu conto!.. Mas acho que não estou a fim de contar. Não vou contar! Parece que tem coisas que queremos guardar só pra gente!

Cores de Almodovar e Frida Kahlo

Acordei pensando em quanto necessita-se para ser feliz. Muito.., pouco.., muito pouco ou apenas pouco de muito que exigimos?.. Então desisti de pensar nisto, tomei o rumo da rua e me fui em busca de um objetivo. O objetivo naquele momento era encontrar uma locadora nas redondezas do qual pudesse pegar um filme e assistir tranquilo na cama enquanto a chuvinha enssoça persistia em cair. Talvés um vinho?... Não!, vinho bebi ontem depois que todos sairam!.. Viver sozinho parece te dar uma dimensão maior de liberdade que percebi ser falsa, uma média amplitude do que fazer em prol de si mesmo nos dias de folga, nos dias em que não se está muito afim de abraçar obrigações necessárias e rotineiras. Daí, surge a perspectiva de estar a deriva num grande mar de possibilidades e ainda em duvidas pra onde se jogar... A única locadora aqui perto, porém longe, estava fechada, sobrou-me então olhar a vida, as pessoas caminhando caladas pelas calçadas molhadas, as árvores, as praças, a chuva, as cores, as canções que surgem na cabeça.
É, e eu percebi que precisava de muito, muito mais coisas neste momento para estar feliz!
"Eu ando pelo mundo prestando atenção em cores que não sei o nome, cores de Almodovar, cores de Frida Kahlo, cores..." - *Adriana Calcanhoto.

terça-feira, 7 de julho de 2009

Vinho, pinhão, amendoim torrado

Agora que todos se foram, abro a janela e observo a lua escondida entre nuvens., (parece que esta janela virou uma espécie de altar dos meus rituais intimistas!). Bebo uma taça de vinho que ganhei hoje e então sorvo-a com vontade como se engolisse a vida, absorvo-me em mim mesmo, na intimidade de meus pensamentos, na loucura que navego sem pesares. Todos se foram mas ainda percebo suas presenças, seus cheiros, a energia desprendida de seus corpos, seus movimentos pela casa. Todos se foram mas parece que ainda estão por aqui invisíveis, marcando alguma tipo de presença que não vejo, mas sinto vagar no ar. Deixaram suas almas que mais tarde baterão minha porta e irão a procura de seus corpos, que sairam antes. Presentearam-me delicadamente com vinho, pinhão e amendoim torrado.

segunda-feira, 6 de julho de 2009

Areia movediça

Começamos a nos encontrar com uma certa freqüência e isto não me fazia mal até eu perguntar-me sobre os por ques. Disse-me que algumas situações semelhantes em nossa infância provocou esta atração de amizade, este reconhecimento interior que nos aproximou a ponto de termos tantas coisas para dizer um ao outro. Mas será que temos mesmo o que dizer um ao outro, será que isto é verdadeiro? Não me sinto suficientemente confiante, aberto para recebe-lo como talvez ele esperasse que eu fosse. Pôr vezes penso estar pisando em areia movediça e então me disponibilizo pela metade, me ponho em alerta como um guardião esperando o momento de afastar ou eliminar a fera do meu espaço.

domingo, 5 de julho de 2009

Conjugar o verbo morrer

Eu sei, tu sabes e acho que todo mundo sabe que um dia iremos morrer embora seja difícil conjugar este verbo no "nosso tempo" e de que forma acontecerá. Abandonaremos esta carcaça velha e partiremos para algum lugar com nossa alma, espírito ou sei lá como chamar, intacto, jovem, como se nenhuma alteração tivesse sofrido com o decorrer do tempo, ao contrario do nosso corpo que vem perecendo dia após dia. Mas fico pensando também, que se depois de mortos, não tivermos mais esta consciência dos dias em que vivemos por aqui, na terra, perderemos toda a referência, as lembranças boas e más, os amores, os amigos e aí que graça tem?... É como ganhar o prêmio Nobel sem nunca sabermos que ganhamos, ser reconhecido por algo somente depois de morto, como os pintores do século passado que nunca souberam que viraram gênios de suas obras. Será que o premio final é isto, a inconciência de tudo que somos e que vivemos? Ontem à noite quando atendi um homem atropelado na avenida e percebi que não havia mais vida naquele corpo, jogado sobre uma poça de sangue e que uma de suas pernas fora amputada e arremessada do outro lado da calçada, percebi também a fragilidade das coisas e a rapidez com que se transformam em outras. Ali estirado, não parecia ser gente, era um pedaço de carne ensanguentada e imóvel. Cobri seu corpo com um lençol e afastei-me repetindo pra mim mesmo que era um homem e que talvés nem percebera que havia chegado a sua hora.

quinta-feira, 2 de julho de 2009

De mãos dadas

Vi na rua uma idosa com a expressão preocupada segurando a mão de um menino que carregava uma bola. Ele tinha o olhar inocente e perdido. Esta cena comum fez-me lembrar de minha avó que dizia proteger-me do mundo e das maldades da vida. Hoje eu sei que ela protegia-me inclusive de mim mesmo.

quarta-feira, 1 de julho de 2009

Nova esperança

Por vezes sonho acordado e estes sonhos são tão reais que fazem-me acreditar que não me levarão às margens das impossibilidades, daquilo que minha mão não alcançará por estar além do seu alcance. Mas sei que são desejos que me absorve a alma, agita meus hormônios, meu sangue na perspectiva de um novo caminho. O dia também se fez novo por aqui, iluminado com o nascimento do sol e pássaros cantando na minha janela. Esta sinfonia não deve ser em vão. Daí veio então esta canção na lembrança, que ouvi algum tempo, na voz de Elis, enquanto eu abria a janela:

"Nova esperança, bate coração, renascer cada dia como a luz da manhã. Despertar sem medo, enganar a dor. Disfarçar essa mágoa que anda solta no ar...

Ter que acreditar no regresso da estação, como o sol volta a brilhar, como as chuvas de verão. Ter que acreditar só pra ter razão. De sonhar mais uma vez...

Nova esperança, bate coração, Renascer cada dia como a luz da manhã. Semear a terra, certo de colher, da semente o fruto, depois descansar..."


A visita inesperada

Margarita chegou em minha casa depois que toda a visita já tinha ido embora. Tinha o olhar da desconfiança e os movimentos cuidadosos de quem procurava pistas incriminadoras, de quem é vítima de fantasmas que criou a cerca de minha vida. As vezes penso que minha alegria é sua tristeza, que minha liberdade sua prisão. Margarita é boa gente, mas não se liberta destes fantasmas que a aprisionam-na e que talvez nunca se livre em minha companhia.

Você também pode gostar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...