domingo, 30 de agosto de 2009

Domingo no Brique

Dar um passeada hoje pelo Brique, foi tão necessário quanto experimentar um bolinho de bacalhau ou um acarajé com suco natural na banca de comidas baianas da Célia. Dia quente, sol, pessoas com roupas leves, cuia de chimarão e garrafa térmica penduradas no ombro, suco natural, gente diferente e colorida, poesia de rua, estátua humana, musica clássica acompanhada por violoncelo, show de crianças indígenas, exposição de artesanato, artes plásticas, antiguidades, pessoas caminhando pelo parque, outras deitadas sob a sombra das árvores, crianças banhando-se nos chafarizes, terceira passeata Lésbicas de PoA, tirar fotografia com o ultimo lambe-lambe. O Brique vai além de uma simples feira, comparado mundialmente ao Mercado das Pulgas de Paris e a Feira de San Telmo em Buenos Aires. É palco de espetáculos artísticos, tribunas politicas e sociais, encontro de amigos, e um recanto onde os Portoalegrenses podem se aproximarem ainda mais da alma de sua cidade e se distraírem.

Sobre a Vitória Régia

Acordei deitado sobre uma Vitória Regia, incrivelmente sem afundar. O rio era límpido e transparente e refletia o Sol na sua superfície como um grande espelho dourado. Uma brisa soprava de leve e me conduzia para algum lugar rio abaixo. Será que é assim o paraiso, pensei logo que acordei sobre a minha cama!...

sábado, 29 de agosto de 2009

Situações banais

Hoje a noite vesti-me de bermuda, camiseta sem manga, chinelos Havaianas e dei uma longa caminhada pelas calçadas do bairro. Pulei uma grande pedra branca que avistei na calçada e que nunca a tinha notado, conversei com o vigilante bigodudo da rua, com Cleide a dona do bar, comprei uma garrafa pequena de cerveja escura que bebi ainda na rua com prazer e uma lâmpada de 100 watts. Dei duas voltas na praça iluminada onde acontecia uma partida de futebol, senti cheiro de mato, notei que a lua estava pela metade, ouvi Marisa Monte num carro estacionado com um casal se beijando. Desviei do feitiço com a vela acesa na esquina, ouvi uma piada nova do sindico que saia e as queixas da moradora de cima que não conseguia fazer seu carro ligar. Avistei um cavalo solto e assustado correndo pelas ruas, Quero-queros barulhentos defendendo seu espaço... Percebi que se pode fazer tantas "histórias" com estas situações banais, como viver mais um dia dentro delas e comprender a sua importancia!..


Pendengas da cidadania

Então foi decidido dia 23 de Agosto a pendenga do SIM ou NÃO, pelo projeto de transformação do Pontal do Estaleiro Só na beira do Guaiba, em prédios altos de moradia chic (economicamente diferenciado) e comerciais. A construção de um complexo de prédios na área do antigo Estaleiro levantou os moradores de Porto Alegre numa poeira de discussões no que se refere aos impactos positivos e negativos no local. Segundo o projeto seriam construídos seis gigantescos prédios na orla do Guaiba. Os jornais e meios de comunicação fomentaram a opinião publica durante semanas para saberem junto aos cidadões, se deviam ou não ser construídos os prédios residenciais. Atualmente a área é um amontoado de construções em ruínas, matagal e lixo, transformado-se dia a dia em um mega lixão, ponto de marginais e violência. Me senti inseguro de escolher por um SIM na ocasião e com isto dar aval a uma pequena fatia da sociedade que teria acesso visual a um dos locais mais belos da cidade quando se aproximassem de suas janelas. Me senti um favorecedor da minoria se na ocasião optasse por um SIM. Por outro lado pensei que medida o governo tomaria com relação aquela área, caso vencesse o NÃO e o projeto de construção ficasse apenas no papel, continuaria o lixão de sempre?.. Existe algum projeto do governo para aproveitamento publico daquela área, será que entrará no complexo jogo das impossibilidade orçamentarias? Venceu o NÃO e agora só nos resta esperar como temos esperado pelo projeto de Revitalização do Cais do Porto, o projeto de reforma da Ponte do Guaiba e tantos outros que nem lembro mais por caírem em esquecimento.

sexta-feira, 28 de agosto de 2009

Em que momento perdemos a inocência?

_De que são feita as estrelas?
Perguntou a senhora para a menina de cinco anos que eu atendi ontem.
_De pedacinhos de espelho!
_E as nuvens?
_De algodão!
_E o planeta Terra?
_De gente feliz!
_E a noite?
_É quando eu fecho os olhos para dormir!
E a senhora continuava a perguntar insistentemente para a menina que era uma candura e respondia a tudo espontâneamente e com a certeza de seus conceitos inocentes, imaginativos e olhar sonhador.
Fiquei pensando de que mundo vinha aquela doce criaturinha e em que momento mudamos nossos conceitos pessoais pelos conceitos do mundo e das regras impostas. Em que momento somos obrigados a crescer e perdermos a inocência para sobreviver nesta guerra e virarmos adultos, em que momento?

Beirando desconforto

Por mais que eu corresse e empurrasse o pé contra o acelerador e fixasse meus olhos para ver os traços luminosos no asfalto escuro da avenida Ipiranga, eu sentia que precisava ir com mais presa ainda, com mais vontade, com mais urgência de chegar em casa e me atirar sobre a cama e ficar em minha companhia, quieto. As vezes fico assim, somente eu me suporto, somente eu posso encontrar minha posição de conforto, somente eu posso escapar de mim e me encontrar de novo. Desconfortos algumas vezes nos fazem retomar novas posições emocionais diante de nós mesmos, abre possibilidades a futuros recomeços intrínsecos. Uma pausa, ponto, nova linha, travessão, reiniciar e traçar novos caminhos...

quarta-feira, 26 de agosto de 2009

Caixa de Pandora

Como não tens mais escrito, tenho a sensação de que perdi algo em ti que não sei o que é, que não tenho quando estou do teu lado, te olhando no olho, bebendo vinho, sentindo tua respiração lenta e profunda. Acho que algo que impactava com minhas ideias e me deixava pensando e que não se revela nos encontros pessoais. Clico na porta que se abre e nada de novo alem do azul e da musica que se repete. O que tens feito de tuas inspirações, o que tens pensado solitariamente que não revelas mais, o que tens guardado em tua caixa de Pandora?


Dia de Verão

Acordei com o sol invadindo o quarto e alguns raios batendo no meu rosto. Dia bonito e com ruídos identificáveis que me dão a sensação de há vida lá fora além da minha aqui neste quadrado organizado. Parece aqueles dias que antecedem viagens-> decisões-> mudanças-> e que a vida te dá algumas pistas discretas a serem percebidas nas coisas mais óbvias. Um canto diferente de pássaro na árvore, choro de criança na calçada, alguém apertando a campanhia do apartamento vizinho. Tudo tão absolutamente normal, mas diferente de outros dias em que o silencio é maior e tão espaçoso quanto o mar, incomodo como uma cela apertada, em que percebo minha própria respiração se fazer audível nas imensas ondas de silencio que algumas vezes me faz bem, noutras mal e tem dominado os dias frios e chuvosos daqui. Talvés a diferença esteja em mim e não neste dia que parece um Verão um tanto esquecido.

segunda-feira, 24 de agosto de 2009

Além do ponto

Chovia, chovia, chovia e eu ia indo por dentro da chuva ao encontro dele, sem guarda-chuva nem nada, eu sempre perdia todos pelos bares, só levava uma garrafa de conhaque barato apertada contra o peito, parece falso dito desse jeito, mas bem assim eu ia pelo meio da chuva, uma garrafa de conhaque na mão e um maço de cigarros molhados no bolso.
Teve uma hora que eu podia ter tomado um táxi, mas não era muito longe, e se eu tomasse um táxi não poderia comprar cigarros nem conhaque, e eu pensei com força então que seria melhor chegar molhado da chuva, porque aí beberíamos o conhaque, fazia frio, nem tanto frio, mais umidade entrando pelo pano das roupas, pela sola fina esburacada dos sapatos, e fumaríamos beberíamos sem medidas, haveria música, sempre aquelas vozes roucas, aquele sax gemido e o olho dele posto em cima de mim, ducha morna distendendo meus músculos.
Mas chovia ainda, meus olhos ardiam de frio, o nariz começava a escorrer, eu limpava com as costas das mãos e o líquido do nariz endurecia logo sobre os pêlos, eu enfiava as mãos avermelhadas no fundo dos bolsos e ia indo, eu ia indo e pulando as poças d'água com as pernas geladas. Tão geladas as pernas e os braços e a cara que pensei em abrir a garrafa para beber um gole, mas não queria chegar na casa dele meio bêbado, hálito fedendo, não queria que ele pensasse que eu andava bebendo, e eu andava, todo dia um bom pretexto, e fui pensando também que ele ia pensar que eu andava sem dinheiro, chegando a pé naquela chuva toda, e eu andava, estômago dolorido de fome, e eu não queria que ele pensasse que eu andava insone, e eu andava, roxas olheiras, teria que ter cuidado com o lábio inferior ao sorrir, se sorrisse, e quase certamente sim, quando o encontrasse, para que não visse o dente quebrado e pensasse que eu andava relaxando, sem ir ao dentista, e eu andava, e tudo que eu andava fazendo e sendo eu não queria que ele visse nem soubesse, mas depois de pensar isso me deu um desgosto porque fui percebendo percebendo, por dentro da chuva, que talvez eu não quisesse que ele soubesse que eu era eu, e eu era.
Começou a acontecer uma coisa confusa na minha cabeça, essa história de não querer que ele soubesse que eu era eu, encharcado naquela chuva toda que caía, caía, caía e tive vontade de voltar para algum lugar seco e quente, se houvesse, e não lembrava de nenhum, ou parar para sempre ali mesmo naquela esquina cinzenta que eu tentava atravessar sem conseguir, os carros me jogando água e lama ao passar, mas eu não podia, ou podia mas não devia, ou podia mas não queria ou não sabia mais como se parava ou voltava atrás, eu tinha que continuar indo ao encontro dele, ou podia mas não queria ou não sabia mais como se parava ou voltava atrás, eu tinha que continuar indo ao encontro dele, que me abriria a porta, o sax gemido ao fundo e quem sabe uma lareira, pinhões, vinho quente com cravo e canela, essas coisas do inverno, e mais ainda, eu precisava deter a vontade de voltar atrás ou ficar parado, pois tem um ponto, eu descobria, em que você perde o comando das próprias pernas, não é bem assim, descoberta tortuosa que o frio e a chuva não me deixavam mastigar direito, eu apenas começava a saber que tem um ponto, e eu dividido querendo ver o depois do ponto e também aquele agradável dele me esperando quente e pronto.
Um carro passou mais perto e me molhou inteiro, sairia um rio das minhas roupas se conseguisse torcê-las, então decidi na minha cabeça que depois de abrir a porta ele diria qualquer coisa tipo mas como você está molhado, sem nenhum espanto, porque ele me esperava, ele me chamava, eu só ia indo porque ele me chamava, eu me atrevia, eu ia além daquele ponto de estar parado, agora pelo caminho de árvores sem folhas e a rua interrompida que eu revia daquele jeito estranho de já ter estado lá sem nunca ter, hesitava mas ia indo, no meio da cidade como um invisível fio saindo da cabeça dele até a minha, quem me via assim molhado não via nosso segredo, via apenas um sujeito molhado sem capa nem guarda-chuva, só uma garrafa de conhaque barato apertada contra o peito.
Era a mim que ele chamava, pelo meio da cidade, puxando o fio desde a minha cabeça até a dele, por dentro da chuva, era para mim que ele abriria sua porta, chegando muito perto agora, tão perto que uma quentura me subia para o rosto, como se tivesse bebido o conhaque todo, trocaria minha roupa molhada por outra mais seca e tomaria lentamente minhas mãos entre as suas, acariciando-as devagar para aquecê-las, espantando o roxo da pele fria, começava a escurecer, era cedo ainda, mas ia escurecendo cedo, mais cedo que de costume, e nem era inverno, ele arrumaria uma cama larga com muitos cobertores, e foi então que escorreguei e caí e tudo tão de repente, para proteger a garrafa apertei-a mais contra o peito e ela bateu numa pedra, e além da água da chuva e da lama dos carros a minha roupa agora também estava encharcada de conhaque, como um bêbado, fedendo, não beberíamos então, tentei sorrir, com cuidado, o lábio inferior quase imóvel, escondendo o caco do dente, e pensei na lama que ele limparia terno, porque era a mim que ele chamava, porque era a mim que ele escolhia, porque era para mim e só para mim que ele abriria a sua porta.
Chovia sempre e eu custei para conseguir me levantar daquela poça de lama, chegava num ponto, eu voltava ao ponto, em que era necessário um esforço muito grande, era preciso um esforço muito grande, era preciso um esforço tão terrível que precisei sorri mais sozinho e inventar mais um pouco, aquecendo meu segredo, e dei alguns passos, mas como se faz? me perguntei, como se faz isso de colocar um pé após o outro, equilibrando a cabeça sobre os ombros, mantendo ereta a coluna vertebral, desaprendia, não era quase nada, eu mantido apenas por aquele fio invisível ligado à minha cabeça, agora tão próximo que se quisesse eu poderia imaginar alguma coisa como um zumbido eletrônico saindo da cabeça dele até chegar na minha, mas como se faz? eu reaprendia e inventava sempre, sempre em direção a ele, para chegar inteiro, os pedaços de mim todos misturados que ele disporia sem pressa, como quem brinca com um quebra-cabeça para formar que castelo, que bosque, que verme ou deus, eu não sabia, mas ia indo pela chuva porque esse era meu único sentido, meu único destino: bater naquela porta escura onde eu batia agora.
E bati, e bati outra vez, e tornei a bater, e continuei batendo sem me importar que as pessoas na rua parassem para olhar, eu quis chamá-lo, mas tinha esquecido seu nome, se é que alguma vez o soube, se é que ele o teve um dia, talvez eu tivesse febre, tudo ficara muito confuso, idéias misturadas, tremores, água de chuva e lama e conhaque batendo e continuava chovendo sem parar, mas eu não ia mais indo por dentro da chuva, pelo meio da cidade, eu só estava parado naquela porta fazia muito tempo, depois do ponto, tão escuro agora que eu não conseguiria nunca mais encontrar o caminho de volta, nem tentar outra coisa, outra ação, outro gesto além de continuar batendo, batendo, batendo, batendo, batendo, batendo, batendo, batendo, batendo, batendo, batendo, batendo, batendo, na mesma porta que não abre nunca
Caio Fernado Abreu
Do Livro: Morangos Mofados

sábado, 22 de agosto de 2009

Protegendo a alma com musica

Meu colega e eu, passamos parte do trabalho, brincando de cantar algumas canções do passado que ainda conseguimos lembrar e isto nos faz sentirmos mais leve e intimamente ligados por sentimentos que vivenciamos cada um em sua trajetória pessoal de vida, em seu espaço emocional. É também uma espécie de terapia que utilizamos para diminuir o estresse que adquirimos e amenizar as dores e queixas que assimilamos durante os plantões. Pulverizamos tudo que pode envenenar nossa alma com musica, muita musica, não importa qual seja!

"De que serve viver tantos anos sem amor.
Se viver é juntar desenganos de amor.

Se eu morresse amanhã de manhã

Não faria falta a ninguém
... Ninguém telefona, ninguém
Ninguém me procura, ninguém
Eu grito e um eco responde: "ninguém!.."
Se eu morresse amanhã de manhã
Minha falta ninguém sentiria
Do que eu fui, do que eu fiz
Ninguém se lembraria ".

quinta-feira, 20 de agosto de 2009

Para onde vão as nuvens?

Contemplo pela janela do meu quarto a noite de inverno chuvosa e fria, as persianas erguidas batendo ao comando do vento, o céu escuro formando sombras deformadas em movimentos compactos se indo na mesma trajetória desconhecida. Para onde vão estas nuvens? O que foi feito dos outros Invernos guardados em mim? Invernos medrosos, assombrados, mesclados de arrepios que viravam prazer de menino. Lembro-me da brasa no fogão à lenha, do sabor de bolo de milho e histórias de fantasmas que me faziam sentir calafrios e agora não mais sinto. Percebo que o inverno de hoje mudou de identidade, não é o mesmo da minha infância que me fazia esconder o rosto sob as cobertas pesadas e feito à mão. Onde está o cheiro e a luz do lampião à querosene, a foto de Marlene Dietrich colada na parede, o coaxar de sapos na rua, o pingar na telha de zinco, o vapor da boca formando desenhos na vidraça. Afinal para onde vão as nuvens antes de virarem agua... E eu para onde estou indo antes de virar pó?

terça-feira, 18 de agosto de 2009

Luz Azul

O que vejo daqui de cima são telhados vermelhos onde a chuva bate demoradamente, há quase dois dias. A noite foi calma e lembrei que preciso de uma luz azul ao lado da cama para restabelecer a energia perdida. Fim de semana, no encontro com pessoas, esperei que elas se apresentassem com alguma luz que as tornassem mais bonitas, com aquele brilho no olhar que se diferencia dos olhares comuns, dos atos habituais, das atitudes esperadas, dos discursos negativos, doentios e sem novidades... Eu esperava verdade, reflexão, delicadeza, humanidade, sensibilidade ou simplesmente alegria, que não encontrei e me empurrou para baixo. Mas não poderia deixar de mencionar uma pessoa que destoava de todos, porque parecia trazer consigo a experiência magica de conhecer as primícias da alma humana e seu olhar me transmitiu conforto e confiança enquanto falava. Seu dialogo era límpido, homogêneo, pontual e suas palavras parecia em varios momentos o divisor de águas, o ponto de equilíbrio apaziguador necessário mas não modificador do clima desconfortável. Talvés agora, eu precisase de uma luz azul que me devolvesse o equilibrio perdido daquela tarde. Talvés naquele momento eu necessitasse abraçar uma arvore ou estar distante dali.

Soube que azul, é a cor do equilíbrio, da harmonia e da expansão espiritual. Tem efeito relaxante, traz paz e combate ao egoísmo, traz clareza mental. Afetivamente ligada à verdade, à intelectualidade, a viagens, serenidade, ao infinito e à meditação.

sexta-feira, 14 de agosto de 2009

Vinte Dois

Vinte Dois é o apelido de um colega de trabalho e que durante uma vez por semana comparece nos departamentos para organizar e faxinar o ambiente. Disse-me que já está quase se aposentando, embora pareça ainda jovem. Mora no bairro Restinga e é orgulhoso de ter comprado sua casa no bairro e reformado com muito trabalho e persistencia. Demonstra ter uma relação familiar sólida e bem constituída. Fala o tempo todo com uma voz esganiçada e num volume acima do normal. Nunca soube a razão de seu apelido. Quando entrei para o serviço público ele limpava os corredores e salas e já era o Vinte Dois que falava alto, parecendo ansioso e atropelando pontos e virgulas nas frases que elaborava para se comunicar. Semana passada quando me reclamava irritado com a falta de aumento salarial no serviço e retirei de dentro da pasta um folheto explicativo da Associação sobre a promessa de um reajuste proposto para a categoria e lhe entreguei para que -se com calma, me justificou envergonhado que não sabia ler nem escrever. Percebi isto pelo tom de sua voz que se modificou visivelmente diante de mim. Mesmo assim guardou o panfleto no bolso e saiu agitado corredor a dentro. Fiquei pensando em quanto o analfabetismo ainda causava vergonha nas pessoas mas ainda assim, não as impulsionava a mudar esta condição. Tenho Vinte Dois como um lutador e ganhador de muitas lutas em sua vida. Lutas difíceis e que colocaria qualquer ser humano pra baixo, mas Vinte Dois superou todas com trabalho, dignidade e coragem. Só lhe faltou a coragem de enfrentar esta dificuldade numa sala de aula tornando-o ainda maior. Preciso lhe falar sobre isto!

quinta-feira, 13 de agosto de 2009

Quando o silencio pede palavras. QUANDO O SILENCIO PEDE POR PALAVRAS.

Hoje falando com um amigo, fiquei pensando em como nos perdemos, nos frustramos, nos distanciamos daquilo que queremos por causa do silencio, pela falta de coragem, pelo medo de nos arriscarmos, de nos expormos e então sermos transparentes com os outros e conosco. Ficamos esperando um acontecimento magico que nos remeta ao que de mais profundo desejamos, deixamos que a vida teça suas tramas livremente e acreditamos que ela trabalhe incondicionalmente a nosso favor, sem que nos esforcemos a ajuda-la, colori-la, sem induzi-la a seguir nossas intuições, nossas regras do que acreditamos ser nossa felicidade. Esquecemos que ela trabalha livremente e a nós cabe preenche-la, largamos nossa vida, sonhos, felicidade, amor nas mãos do destino. Daí que tudo parece escapar das nossas mãos como ouro em pó, enquanto se caminha por um grande deserto, porque perdemos a coragem de assumir nossa luta pessoal. Perdemos ao destino obscuro e sem respostas. É quando percebemos que o silencio pede palavras que não foram ditas...

quarta-feira, 12 de agosto de 2009

Paraíso tão perto

Sinto um jeito de interior, de simplicidade, um cheiro de mato, de ar modificado, beleza e liberdade quando passo por lá. Ontem quando fui ao hospital Vila Nova, fiquei admirando pela janela da ambulância toda a beleza de um cantinho de Porto Alegre que poucos conhecem ou sabem de sua existência. Em pouco mais de trinta minutos, é possível sair das turbulências de uma cidade grande e entrar num clima interiorana dentro da própria metrópoli.
Bairros como Belém Velho e Vila Nova assim como algumas estradas que cortam a zona sul, em direção a outros bairros são de extrema beleza. Quem tiver a oportunidade de passar por estes lugares ficará surpreso ao perceber tanta beleza natural que destoa do resto da capital. A praça no centro do bairro Belém Velho nos permite ter a sensação de estarmos numa cidadezinha do interior, com uma igreja simples, um pequeno cemitério e árvores centenárias a sua volta. A estrada Belém Velho que corta o bairro com curvas sinuosas ao pé do morro Teresópolis, lembra os passeios pela nossa serra gaúcha com propriedades rurais e extensos parreirais, alem de pontos como a La Pipa Nostra que comercializam cucas, geléias, sucos, rapaduras, vinhos e frutas das propriedades locais, na beira da estrada. Outro belo caminho é a das Três Meninas que é de chão batido na parte mais rural do bairro e possibilita acesso a outros lugares como Aberta dos Morros, Restinga, Belém Novo, Hípica, possui uma vegetação densa e grandes taquareiras, formando quase um túnel verde em determinadas épocas do ano, pode ser encontrados até lagartos e outros animais cruzando a estrada.

Fora de meu mapa mental

Acordei com a luminosidade do dia batendo no vidro da janela e a orquestra de pássaros cantando aqui do lado. Algumas vezes tenho a sensação de que não moro numa cidade movimentada e com seus ruídos comuns à uma metropoli. Parece que estou em algum lugar distante e que não sei seu nome ou localização no meu mapa mental, mas que reconheço por detalhes intimamente registrados em mim, barulhos peculiares, cheiros, detalhes visuais capturados por meus olhos em algum momento. Minha casa não é a mesma de quando fui deitar-me ontem. Isto é gostosamente estranho e me ajuda acordar novo, diferente, fazendo descobertas.

segunda-feira, 10 de agosto de 2009

Lidar com os "Não(s)"

Foi extremamente difícil pra mim lidar com os "Nãos", até por que, não se pode receber um "Sim" sempre que se espera receber!.. O não para mim ia muito além da rejeição de um convite, uma opinião ou proposta não aceita, era uma espécie de declaração aberta de ódio contra tudo que eu pudesse acreditar e consequentemente a rejeição dada a mim como pessoa. _Disse-me o cara transparecendo consciencia plena de sua mudança.
Fiquei observando-o enquanto me falava e lembrando que muitas de suas atitudes quando questionadas por mim ou outras pessoas, causavam mudanças em seu comportamento transformando-o numa pessoa mais calada e com alguma sombra de magoa do qual tentava disfarçar sem exito. Mas tarde, quando tinha a oportunidade, partia para pequenos revides que notoriamente serviam para restabelecer sua própria confiança e credibilidade. Dias atras, ele ligou para o meu celular que percebi apenas alguns minutos depois de estar tocando. Li seu nome na tela e resolvi não atender. Estaria eu fazendo algum teste? Afinal não atender ao chamado poderia significar um (não quero, não posso, não tô a fim...). Talvés por alguma coincidência o cara não mais me ligou.

sábado, 8 de agosto de 2009

Quarto 1408

Faz uns dois anos que moro sozinho e desde então, tenho me recusado a assistir filmes de terror ou suspense e o ultimo que vi foi "A Bruxa de Blair". Não sei se me acovardei a medida que fui ficando mais velho ou sempre fui um medroso não assumido e por isto, por alguma prevenção assistia estas modalidades acompanhado e mentia para as pessoas e para mim que não me instabilizava quando os assistia. Ria de meu filho que assumia sua tensão por estes tipos de filmes, mas na sexta-feira, quando liguei a TV na madrugada, não pude recuar e deixar de assistir o filme "Quarto 1408" que passava num dos canais fechados da Net. Desconfiei que fosse, pelas cenas de suspense dentro de um quarto de hotel com um homem preso dentro dele e sendo aterrorizado pelos mais variados eventos inexplicáveis e lembranças de seu passado. Quando sentei para assistir havia iniciado e só pude ver seu nome no canto da tela depois de alguns minutos da minha atenção.
O filme conta a estória de um escritor cético e famoso por suas obras sobre paranormalidade, as quais começou a escrever após a morte da filha. Para terminar seu livro: Dez Noites em Quartos de Hotéis Mal-Assombrados , hospeda-se no hotel Dolphin munido de gravador laptop etc... e passa uma noite no quarto 1408. Mesmo com os avisos do gerente sobre a morte de quase 60 pessoas naquele quarto, ele decide enfrentar os medos e encarar o desafio... Eu mesmo pego de surpresa, decidi encarar os meus!

O que fazer em dias de chuva?

Além de sexo e bolinhos fritos, a leitura é boa companheira, o chá aquece o corpo e as paixões se reestabelecem em novas perspectivas:
  1. Do pudor à aridez, da historia das lágrimas_ Anne Vicent-Buffault.
  2. O Romance está morrendo?_Ference Fehér.
  3. Sobre a modernidade_Charles Baudelaire.
  4. O Crime de Lord Arthur Savile_Oscar Wilde.
  5. O fantasma de Canterville_Oscar Wilde.
  6. A alma do homem sob o socialismo_Oscar Wilde.

quinta-feira, 6 de agosto de 2009

Apertando nós

Hoje o encontro por aqui foi de muita dor e pergunto-me por que nos permitimos isto, nos deixamos abater por sentimentos desnecessários? Por que tantas exigências, desencontros? Damos nosso corpo ao carrasco bater e ouvidos ao que temos certeza não ser nossas verdades. Pensamos desatar, mas acabamos apertando ainda mais os nós das diferenças.

quarta-feira, 5 de agosto de 2009

Eu não sei dançar!

Às vezes eu quero chorar mas o dia nasce e eu esqueço/ Meus olhos se escondem onde explodem paixões/ E tudo que eu posso te dar é solidão com vista pro mar ou outra coisa pra lembrar.../
Às vezes eu quero demais e eu nunca sei se eu mereço/ Os quartos escuros pulsam e pedem por nós/ E tudo que eu posso te dar é solidão com vista pro mar ou outra coisa pra lembrar/ Se você quiser eu posso tentar mas.../ Eu não sei dançar tão devagar/ Pra te acompanhar/ Pra te acompanhar/ Eu não sei dançar.


terça-feira, 4 de agosto de 2009

Desejo e Reparação.

Do mesmo diretor de Orgulho e preconceito, o filme conta a história de Briony Tallis, filha mais nova de uma família aristocrata britânica cujo hobby é escrever. Com uma imaginação fértil, Briony, aos 13 anos, acusa Robbie Turner, filho da governanta e pretendente amoroso de sua irmã Cecília, de um crime que ele não cometeu. A acusação destrói o recém-descoberto amor de Robbie e Cecilia e altera dramaticamente o curso da vida de todos.
O filme mostra a jornada de Briony, anos mais tarde, na tentativa de reparar o erro. Ao mesmo tempo mostra as trajetórias de Robbie, lutando na França pela Segunda Guerra Mundial, e Cecilia, trabalhando como enfermeira na Inglaterra.
Vencedor do Globo de Ouro de Melhor Filme -Drama, “Atonement” (títuloo original) conta ainda com outro momento magnifico, quando a atriz veterana Vanessa Redgrave entra em cena interpretando Briony já velha. A atriz em pouquíssimo tempo na tela, deixa a platéia estarrecida ao evocar todo o remorso acumulado durante uma vida.
Assim como o livro é sobre o poder reparador da literatura, o filme assume a função de mostrar toda a força do cinema. Mesmo com o texto dizendo o contrário, o poder das imagens nos faz ficar felizes ao final da produção e querer mais, ainda nos interioriza e força-nos a perguntamo-nos sobre a nossa visão diante dos fatos que alteramos em prol de nossos preconceitos, duvidas e 
inexperiências.


Título Original: Atonement
Gênero: Drama
Tempo de Duração: 130 minutos
Ano de Lançamento (Inglaterra): 2007
Direção: Joe Wright
Roteiro: Christopher Hampton, baseado em livro de Ian McEwan
Elenco
Keira Knightley (Cecilia Tallis)
James McAvoy (Robbie Turner)
Romola Garai (Briony Tallis - 18 anos)
Saoirse Ronan (Briony Tallis - 13 anos)
Vanessa Redgrave (Briony Tallis - idosa)
Brenda Blethyn (Grace Turner).

Pandemia

Faz duas semanas ou mais, que os serviços de emergência de Porto Alegre viraram uma espécie de acampamento de guerra. Alguns hospitais inclusive construíram umas espécies de containers e barracas em seus pátios afim de atender isoladamente as pessoas com suspeita de Gripe A. Entrando nestas emergências diariamente é que se tem noção do caos instalado e perceber a expressão de insegurança e medo no olhar da população e funcionários de saúde. Escolas já prolongaram seu período de férias de inverno, cirurgias eletivas (não urgentes) foram suspensas afim de reduzir o tráfego nas emergências e diminuir a circulação de visitantes e pacientes, limitando riscos. Estoque da medicação Tamiflu antes comercializado, agora esgotado, informações das autoridades desencontradas. Pessoas circulam pela cidade com mascara no rosto e olhar de desconfiança. Um espirro ou tosse num ambiente fechado é capaz de gerar tanta tensão que não falta muito para iniciar um tumulto geral. Será que realmente estamos vivendo um período de guerra biológica como costumava assistir em filmes de ficção na TV? Esta palavra, "Pandemia", eu só conhecia através de conceitos escritos em livros e revistas de Saúde Publica, não pensei que vivenciaria uma situação destas beirando ao estado de calamidade geral !

segunda-feira, 3 de agosto de 2009

Rosa branca e vinho tinto

Ontem fiquei admirado, olhando a rosa branca plantada num pequeno vaso sobre a mesa de jantar na casa de uma amiga. Magnificamente alva e solitária, presa num caule fino e coberto de espinhos quase invisíveis que pareciam uma escada de degraus perigosos. Quando servi-me de vinho, tive ímpetos de derramar sobre suas pétalas algumas gotas do vinho tinto e imaginar que ela pudesse estar sangrando. Depois olhando pela janela pensei em como eu tenho o hábito de capturar imagens soltas e molda-las com a minha imaginação, guardar frases lidas ao acaso que me causam algum tipo de efeito interno e que ficam encravadas dentro de mim por semanas, meses à fio, como a que li dia desses num blog: "Quando o silêncio pede palavras...".

domingo, 2 de agosto de 2009

Mascaras

O dia amanheceu chuvoso e sem perspectiva de melhora, o churrasco do qual fui convidado, tive de adiar depois da ligação de pedido de ajuda que até o momento estou acreditando ser por uma boa causa, pode ser que amanhã venha me arrepender. Dia desses escrevi sobre as mascaras que utilizamos para nos proteger e nos transformamos em personagens que acreditamos ser. Hoje percebi que algumas pessoas escondem por trás dessas mascaras, segredos de difícil aceitação social e que me faz pensar em que tipo de seres humanos são, capazes de se transformarem quando abatidos por traumas da infância, sofrimentos e dores acumuladas, quando retiram estas mascaras na urgência de poder respirar. Diante dos meus olhos vi o medo, lágrimas e o desespero de quem é arrastado por sentimentos sombrios e agora é descoberto. Afinal quem somos e o que sentimos de verdade na eminência destes fatos se a mascara acabou de cair?

Desejo de Liberdade

Três mulheres com historia de passados diferentes e amarradas a uma figura masculina opressora, buscam um desejo latente de alterar seus destinos.
Diante de (situações-limite), elas necessitam de coragem para mudar suas vidas. Olívia (Sophia Loren) trabalha e cuida do marido paraplégico. Artista nata, ela desenha os sonhos que a perturbam toda noite. Seus desenhos acabarão por levá-la à filha que lhe foi tirada ainda jovem.
Natália (Miro Sorvino) é filha de um fotógrafo consagrado e acaba de ter publicada na capa da revista Time sua primeira grande foto. Mas a vontade de saber o que aconteceu com a garotinha do retrato a dirige por um novo caminho.
Catherine (Deborah Kara Unger), violoncelista primorosa, abandonou marido, filha e carreira para dar vazão ao rancor que guarda pelo pai e vingar-se de um homem que já passou 22 anos na prisão. Enquanto as histórias se desdobram, as três mulheres tem a mesma visão de uma menina, imagem que traz à tona lembranças de desejos não realizados e as inspira a seguir seus sonhos.
Título Original: Between Strangers
Origem: EUA/ITA
Ano: 2002
Director: Edoardo Ponti
Elenco:
Klaus Maria Brandauer,
Gérard Depardieu,
Sophia Loren,
Malcoln McDowell,
Pete Postlethwaite.

Duração: 95 min.
Gênero: Drama

Você também pode gostar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...