terça-feira, 29 de setembro de 2009

Xis -Tia Zefa

Ontem á noite, xisburger da Tia Zefa, no Jardim Botanico, acompanhado de duas taças de vinho tinto Cabernet Sauvignion quando cheguei em casa. Impossível alcançar o peso adequado deste jeito!

domingo, 27 de setembro de 2009

Paciência tem limites

E o céu esta noite desabou em relâmpagos, trovões e muita chuva ruidosa sobre os telhados. Mas meu céu já havia desabado uma noite antes, algumas frações de horas antes deste temporal se mostrar. Agora pela manhã, recebo a mensagem (autosuficiente, equilibrada,.. surpreendente), dizendo que paciência tem limites. A pessoa que me escreveu isto, não se reconhece, não reconhece seus erros repetitivos e muito menos a mim e esquece talves que minha paciência, tambem pode estar chegando ao seu limite!

Brigas, erros, problemas, discussões, obstáculos, desatenções, tolices, dores, contrações. Coloque tudo em cima da mesa e sirva com vinho não2 não1

Foi oque fiz!



quarta-feira, 23 de setembro de 2009

Jantar pra um

Algo parece se perder de mim quando chego em casa e debruço-me sobre a janela após o termino de mais um dia de trabalho, e que sinto o ar da noite me bater no rosto e nublar-me os olhos, dificultando-me (todas as visões).
Algo parece se perder de mim, que não me reconheço de inicio e que se perde no silencio que eu mesmo construo, se perde fácil e a seguir retorna espontâneo, natural em forma de um ganho, de um inspirar algumas horas depois. Nesta noite preparei-me um jantar especial: chá de maçã com canela, cuca de laranja, velas aromáticas acesas, incenso de "âmbar e cardamomo" ao som de Yanni e Vangelis.., como o Xamã sugeriu!

segunda-feira, 21 de setembro de 2009

Blá blá blá auto ajuda?

E possível que cresçamos a cada passo que der-mos em nossa direção com o intuito de nos conhecer-mos melhor, que renovemos a cada olhar dirigido à vida a nossa volta, aceitando as diferenças, as mudanças, as dificuldades, as impossibilidades com respeito e humildade sem preocupação com o tempo que isto demande. O tempo tem dimensões desiguais a cada um de nós e é neste trajeto que aprendemos e nos tornamos mais gente!
Nossa, parece esses textos de auto ajuda! hahahaha!..

quarta-feira, 16 de setembro de 2009

Fatalidades, estigmas, destinos traçadas?

Hoje removi para o hospital um jovem de dezessete anos que foi atropelado no mês passado por um veiculo que trafegava em alta velocidade no final de um jogo do Grêmio, nas proximidades do Olímpico. Conta sua mãe, que o carro que fazia um racha com um outro, atropelou-o em cima da calçada, fraturando suas duas pernas, além de causar-lhe traumas neurológicos que o deixaram cego, mudo e paraplégico para o resto de sua vida. Disse-me também que no dia do jogo, a família e os amigos insistiram para que ele ficasse em casa e assistisse o jogo pela TV como um prenuncio do que lhe acontecera. Que sua vida antes deste acidente, foi cheia de acontecimentos trágicos como um atropelamento anterior do qual fraturou um braço e duas costelas e mais tarde atingido por uma bala perdida, na saída de uma festa, que lhe perfurou o tórax sem comprometer qualquer órgão vital. Dizia a sua mãe que nada lhe derrubaria, que nada o impediria de viver. Neste ultimo, não teve tanta sorte assim! Fiquei observando seu corpo franzino e cheio de feridas profundas pela falta de oxigenação dos tecidos, sonda para poder alimentar-se, fralda descartável para manter a higiene e fiquei me perguntando:
Será que algumas pessoas já trazem consigo algum estigma a o nascer e vivem depois cercadas de fatalidades que as perseguem até completar seu destino, sua sorte?
Tentei esvaziar-me destes pensamentos obscuros e continuei meu trabalho mas ainda com estas ideias presas na cabeça.

terça-feira, 15 de setembro de 2009

Comilança

Hoje tenho compromisso marcado, no aniversário do Brandão. Mais do que um compromisso tenho a missão de fazer o seu jantar de aniversário que é completamente diferente de ter apenas um simples (compromisso) possível de ser desmarcado com uma desculpa qualquer quando não se está a fim de ser mais um participante. Fui intimado à cozinhar, segundo os seus cálculos, para trinta pessoas que são seus convidados após uma aula de Biodança no Ginásio Tesourinha. O cardápio escolhido pelo aniversariante foi, macarrão ao alho e óleo com molho shoyo (prato inventado por mim) e frango frito separadamente. Sinto-me temeroso de cozinhar para tanta gente de uma só vez e ao mesmo tempo com um certo orgulho por tamanha confiança depositada em minhas mãos por parte dele. Deus me ajude e que dê certo!!
Saudações à esta Terça-feira que surgiu ensolarada, brilhante. Não quero ser queixoso e lamentar que este belo dia não aconteceu no fim de semana passado, frio, chuvoso, cinza. Quero apenas sauda-lo e viver suas preciosas horas!

Quero:

Quero ver o sol atrás do muro
Quero um refúgio que seja seguro
Uma nuvem branca, sem pó nem fumaca
Quero um mundo feito sem porta, vidraça
Quero uma estrada que leve à verdade
Quero a floresta em lugar da cidade
Uma estrela pura de ar respirável
Quero um lago limpo de água potável
Quero voar de mãos dadas com você
Ganhar o espaco em bolhas de sabão
Escorregar pelas cachoeiras
Pintar o mundo de arco-íris
Quero rodas nas asas do girassol
Fazer cristais com gotas de orvalho
Cobrir de flores campos de aço
Beijar de leve a face da lua

*Do Schow Falso Brilhante-
**Elis Regina- 1976

domingo, 13 de setembro de 2009

"Atravesso o presente de olhos vendados, mal podendo pressentir aquilo que estou vivendo... Só mais tarde, quando a venda é retirada, percebo o que foi vivido e compreendo o sentido do que se passou...
Me chamou a atenção esta bonita e verdadera frase do Livro Risíveis Amores de Milan Kundeira que li a bastante tempo!

sábado, 12 de setembro de 2009

Boa noite John Boy

O dia de hoje combina com pipocas carameladas, bolinhos fritos com canela e açúcar, chocolate quente na caneca, edredon até o pescoço e uma boa companhia para dar beijos na boca e assistir filmes como: Jeannie é um gênio, Os três patetas, Os Waltons. Epâ!... este ultimo é mais serio, mas também muito bom para se matar a saudades do "Boa noite John Boy! Boa noite Mary Ellen!" numa viagem pelo tempo ao distante fim de tarde nos anos setenta. Mas eu acreditava que a vida pudesse ser assim, que a América fosse assim, como no seriado americano "Os Waltons", uma espécie de paraíso em família, onde o amor, a bondade e a compreensão pudessem superar todas as dificuldades, conflitos e divergências do mundo. Onde todos pudessem realizar seus sonhos e que os sonhos fosse como os John Boy, tão real como no seriado. Eu acreditava mesmo!

Lambendo feridas

Mais uma noite de chuva encharcando a cidade, adiando as possibilidades de encontros a o ar livre nos bares da cidade. Nas noites chuvosas, tudo me parece mais difícil, até mesmo a vontade das pessoas saírem de casa para se divertirem, talvés prefiram suas próprias companhias em tempos como este. Há quantos dias vem chovendo sem parar, devastando cidades, destruindo famílias? Perdi-me nas contas, nos dias nublados e de pouca claridade. Os dias cinzas nos fecham em instrospecções profundas, desvia o olhar para nosso interior, divagações, questões não pontuadas que precisam de acertos. Como dizia um amigo: Dias como estes nos faz lamber feridas!

sexta-feira, 11 de setembro de 2009

Tapete de flores

Enquanto voltava para casa ontem de madrugada, chamava-me a atenção o tapete colorido nas ruas e calçadas de PoA feito de flores de Ipê. Mergulhei naquela imagem magnifica e fiquei pensando nas pessoas que encontrara minutos atrás e sobre o que falavamos. Beto, Clymeia, Jerson, Beatriz e tantas outras presentes. O que buscávamos naquele encontro alem de parabenizar um amigo, de perpetuar nossas vidas através de lembranças saborosas, trocas de experiências, erros? Algo mais existia além do simples encontro, do momento saudoso, da musica do U2 que tocava no telão, dos olhares divididos, dos sorrisos, dos silêncios que eram quase confissões de algo que precisávamos perpetuar a todo o custo enquanto estávamos ali vivos. Somos cúmplices de dias tão desiguais a cada um de nós, mas com resultado único a todos. Tantas coisas nos diferencia mas outras nos iguala, nos deixando sem cor, sem idade, sem sexo, sem diferenças.


quarta-feira, 9 de setembro de 2009

Buscando vida na morte

O que ele quer fazer conosco, perguntei-me num lampejo de ideias antes de exteriora-las e me abaixar para verificar se ele realmente estava morto, se tinha alcançado o seu objetivo de não ter mais volta, mas ainda respirava com certa dificuldade e assim concluí que estava vivo.
O homem
estava caído no chão, inconsciente, sob o olhar de revolta da esposa e expressão de desespero da filha. Bebeu uma garrafa de cachaça com uma cartela de comprimidos de Ritalina.
_Ritalina mata?_Alguem perguntou.
_Isto é resultado da tristeza do domingo! _Disse o irmão, olhando para o corpo estendido.
_A minha tristeza continuará na Segunda, na Terça, Quarta, enquanto eu suportar tudo isto!_Concluiu a esposa.
_Quem realmente quer morrer dá um tiro na própria cabeça!_Retrucou um vizinho curioso que passava por perto.
Os dados da literatura comprovam que o suicídio é a segunda causa de morte na adolescência, superada somente por acidentes e homicídios. Deve-se considerar que muitos dos acidentes e homicídios são também suicídios encobertos ( Genovese Filho-1986.) Numa tentativa de suicídio ocorre uma combinação de duas tendências opostas, uma de auto destruição e o desejo de que os outros manifestem preocupação com eles, de modo que eles não querem nem morrer nem viver, mas ambas as coisas, em proporções variáveis ( Stenguel, 1970). Muitos dos que tentam suicidio expressam na verdade, o desejo de melhorar sua situação de vida. Varios aspectos nos dão conta da intencionalidade do ato suicida como: o conhecimento prévio dos efeitos do ato, o estar sozinho ou acompanhado, o pedir ajuda após o ato, o acidentar-se frequentemente, ocupações que tenham um risco maior de acidentes, o método utilizado, perdas afetivas, o sexo, a idade, religião e grau de instrução, aspectos observados em vários trabalhos estudados. Qualquer gesto suicida é um pedido de ajuda, e assim deve ser encarado. É preferível, nestes casos, errar por excesso do que por omissão, pois a morte não tem terapêutica. Geralmente, os suicidas fantasiam a reação dos vivos perante à sua morte: o sentimento de tristeza, remorso e culpa. O suicida elimina sua vida, paga com ela, mas não está totalmente consciente disso, o prazer de tornar real sua fantasia de vingança, de causar sofrimento aos outros... Muitas vezes, ele nem deseja a morte, mas sim uma nova vida, em que a pessoa se sinta querida, seja importante. O final fantasiado, se possível, é que aquelas pessoas de quem se imagina que veio o maltrato, se sintam culpadas e com remorso. Então, o suicida, como que ressuscitaria, todos se desculpariam e a vida continuaria num final feliz. Existe uma independência entre o desejo de morrer e o de matar-se. A pessoa que se mata não quer necessariamente morrer, pois nem sabe o que isso significa. Ela se mata porque deseja uma outra forma de vida, fantasiada. Nessa outra vida ela encontra amor, proteção, se vinga dos inimigos, reencontra pessoas queridas. Uma anedota nos mostra uma pessoa que jogou-se num rio querendo matar-se. Enquanto se debate na água, recusa cordas e bóias que as pessoas lhe jogam da margem. Finalmente, um policial a ameaça com um revolver: “ou você sai daí ou te dou um tiro”. O suicida em potencial, que quer matar-se, não quer ser morto, e sai da água.. A anedota é verdadeira, e nos leva a um outro aspecto do suicida. O individuo quer morrer, mas também quer viver, ele está em conflito, e comumente uma ajuda ou até uma ameaça (como no caso) podem decidir a direção que vai ser tomadaO suicida sofre e faz sofrer. Ele não sabe o que é morte. O que o suicida procura é escapar de um sofrimento insuportável, real ou fantasiado, interno ou externo. É o ato suicida é uma mensagem, uma maneira de comunicar suas dores e pedir ajuda.

Uma cena que me emocionou ontem

Embora minha preferência no comando das telenovelas da Rede Globo sejam Manoel Carlos e a inesquecível Janet Clair, falecida, não pude deixar de me emocionar ontem com a cena em que Maia (personagem interpretada por Juliana Paes) vai ao encontro marcado com Bahuan (Márcio Garcia) e pede para que ele cuide de seu filho, (o filho que é fruto de seu amor com o próprio bahuan no passado e que se tornou seu grande segredo em toda a novela) e também seu sentimento de culpa por ter enganando 0 marido fazendo-o acreditar ser o verdadeiro pai de seu filho, e pelo qual também se apaixonou no decorrer da novela e que agora acredita estar morto. A verdade e que todo o sofrimento de Maia pareceu ter vindo de um mal entendido inicial e mentiras sucessivas que foram se enraizando em sua vida de maneira a escraviza-la na própria mentira, fazendo-a viver sobre a íngreme corda bamba do medo de ser desmascarada. Mas não quero prolongar-me nisto, quero sim é falar do quanto a cena de ontem me emocionou, vendo uma mulher fragmentada, arrasada, por parecer ter perdido tudo que mais amou na vida e agora abrindo mão também da convivência com seu filho, dando a entender que o proximo passo será dar fim na propria vida. Parecia que em seu olhar tudo havia se extinguido, inclusive sua alma se esvaziado durante o pedido que fez à Bahuan parado numa posição superior, no topo de uma escadaria. As vestias toda branca e o rosto que parecia com pouca maquiagem, davam-lhe um certo ar de abandono e tristeza.
A voz rouca e cansada de Nana Cayme enalteceu ainda mais aquele clima de desilusão e sofrimento encarnado pelo personagem, que passou-me a sensação de que seu próximo passo na novela não seria outro a não ser a propria morte.


"Onde voce estiver não se esqueça de mim.
Com quem você estiver não se esqueça de mim
Eu quero apenas estar no seu pensamento
Por um momento pensar que você pensa em mim
Onde você estiver, não se esqueça de mim
Mesmo que exista outro amor que te faça feliz
Se resta, em sua lembrança, um pouco do muito que eu te quis
Onde você estiver, não se esqueça de mim..."

*Erasmo Carlos.

segunda-feira, 7 de setembro de 2009

Orgulho e Preconceito

Sábado à noite foi a vez de assistir "Orgulho e Preconceito" do diretor Joe Wright, cujo o DVD comprei á tarde nas lojas Americanas e não floresceu as rosas da minha sensibilidade. Quero dizer que não mexeu comigo como eu esperava que acontecesse. Eu acredito que estava num outro clima e talves devesse deixar para assistir o filme numa outra ocasião. Eu confesso que esperava os mesmos sentimentos que ocorreram em mim quando assisti "Desejo e Reparação" do mesmo diretor que é outra história e com final surpreendentemente inesperado. Eu também estava em outro momento.


Sinopse do filme:

Inglaterra, 1797. As cinco irmãs Bennet foram criadas por uma mãe que tinha fixação em encontrar maridos que garantissem seu futuro. Porem Elzabeth deseja ter uma vida mais ampla do que apenas se dedicar ao marido. Quando o sr. Bingley, um solteiro rico, passa a morar em uma mansão vizinha, as irmãs ficam agitadas. Jane logo parece que irá conquistar o coração do novo vizinho, mas quando a jovem Elizabeth encontra o charmoso Sr. Darcy, ela acredita que ele seja o ultimo homen na terra com quem ela poderia se casar um dia. Mas quando suas vidas se tornam entrelaçadas em uma inesperada aventura, ela escobre cativada pela pessoa que jurou desprezar por toda a eternidade.


Titulo Original:Pride & Prejudice, 2005 .
» Direção: Joe Writgth
» Roteiro: Deborah Moggach- roteiro Jane Austen- romance.
» Gênero: Drama/ romance
» Origem: Estados Unidos/França/Reino Unido
» Duração: 127 minutos
» Tipo: Longa-metragem

O silêncio das estrelas

Algumas histórias contadas, frases ditas, letras de canções, poemas, que leio ou ouço, batem dentro de mim e revelam-me sentimentos pessoais que de inicio não reconheço mas que de uma hora para outra se revelam através de sinais emocionais tão familiares, que cabem exatamente dentro de mim, como se fosse feito pra mim, escrito pra mim. Dia 03/09 quando assisti Leline no salão de atos da Ufrgs cantar "O silêncio das Estrelas", experimentei a sensação de que parte de mim estava sendo revelada publicamente naquela canção diante de toda a plateia atenta, que um sentimento meu fora violado através de uma bela canção e que com certeza não era só meu, mas também do proprio Leline que a compôs e muitas pessoas ali presentes, oque me deixou mais confortavel. Estavam todos expostos naquele momento, sem mais segredos!


Solidão, o silêncio das estrelas, a ilusão
Eu pensei que tinha o mundo em minhas mãos
Como um deus e amanheço mortal

E assim, repetindo os mesmos erros, dói em mim
Ver que toda essa procura não tem fim
E o que é que eu procuro afinal?

Um sinal, uma porta pro infinito, o irreal
O que não pode ser dito, afinal
Ser um homem em busca de mais, de mais...
Afinal, como estrelas que brilham em paz, em paz...

Solidão, o silêncio das estrelas, a ilusão
Eu pensei que tinha o mundo em minhas mãos
Como um deus e amanheço mortal

Um sinal, uma porta pro infinito, o irreal
O que não pode ser dito, afinal
Ser um homem em busca de mais...

quinta-feira, 3 de setembro de 2009

Por que faço eu sempre o que não queria?
Que destino contínuo se passa em mim na treva?
Que parte de mim, que eu desconheço, é que me guia?

O meu destino tem um sentido e tem um jeito,
A minha vida segue uma rota e uma escala
Mas o consciente de mim é o esboço imperfeito
Daquilo que faço e sou: não me iguala

Não me compreendo nem no que, compreeendendo, faço.
Não atinjo o fim ao que faço pensando num fim.
É diferente do que é o prazer ou a dor que abraço.
Passo, mas comigo não passa um eu que há em mim.

Quem sou, senhor, na tua treva e no teu fumo?
Além da minha alma, que outra alma há na minha?
Por que me destes o sentimento de um rumo,
Se o rumo que busco não busco, se em mim nada caminha

Senão com um uso não meu dos meus passos, senão
Com um destino escondido de mim nos meus atos?
Para que sou consciente se a consciência é uma ilusão?
Que sou entre quê e os fatos?

Fechai-me os olhos, toldai-me a vista da alma!
Ó ilusões! Se eu nada sei de mim e da vida,
Ao menos eu goze esse nada, sem fé, mas com calma,
Ao menos durma viver, como uma praia esquecida..."

Fernando Pessoa
(1888-1935)

Gaita de boca

Existe uma gaita de boca que toca aqui por perto e me chama atenção. Impede-me que eu durma antes das quatro da manhã. Este blue vindo da gaita parece um choro, um lamento que atravessa as paredes na madrugada chuvosa. Não é sempre que toca, é somente quando quer, tem vontade própria, chora quando quer despertar algo na alma, nas noites de chuva como a de hoje.

terça-feira, 1 de setembro de 2009

Semana passada, alguém de Casimiro de Abreu, visitou meu blog fazendo eu reviver com saudades a visita que fiz a esta cidade em Fevereiro, quando fui ao Rio. Casimiro de Abreu, é uma pequena e pacata cidade encrostada entre a serra e o mar. Possui uma beleza interiorana peculiar. Um lugar difícil de se esquecer!

Você também pode gostar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...