sábado, 31 de outubro de 2009

NO CLIMA DE FERIAS.


Cheguei a pouco do passeio que fiz ao centro de Porto Alegre, na 55a Feira do livro, no Museu do Exército, que existe já a dez anos, sem que eu soubesse e expõe uma coleção de veículos de combate e transporte, uniformes, armas, equipamentos (capacetes de vestuários de combate), fotos e documentos do período colonial aos dias atuais. A entrada é franca de segundas a quintas- feiras das 8h as 12h.
A Igreja Nossa Senhora das Dores com suas paredes, teto, altares, meticulosamente trabalhados, lustres e portas gigantescas e em reforma do piso e consequentemente toda empoeirada.


O restaurante ao lado da Casa de Cultura Mario Quintana onde comi uma deliciosa picanha grelhada por apenas 15,00 reais, salada verde e arroz branco. Mas o que mais me chamou a atenção foram as pessoas sentadas nas calçadas almoçando, bebendo, comendo sorvetes a o ar livre e em trajes leves, dando a sensação de uma cidade praieira, uma cidade que não corresponde ao perfil da Porto Alegre que tenho como registro. Dava-me a sensação de que a qualquer momento, quando virasse meu rosto para uma das ruas que cruzavam a Dos Andrades, enxergaria água e não aquele muro vergonhoso que esconde o rio.


No final da Andrades, onde deixei o carro, sentei-me numa praça com árvores enormes e extensa área de sombra onde era possível sentir uma brisa livre vindo do Guaíba. Pessoas deitadas sobre a grama, namorados se beijando e até dois senhores em volta de uma churrasqueira improvisada ao ar livre da praça, num clima de leveza absolutamente incomum. Decididamente esta não parecia ser a cidade onde moro e que tantas vezes encontrei-a barulhenta, agitada, sombria e sem graça. Era outra cidade que eu desconhecia por consequência de um fim de semana grudado num feriado!

Entrando em clima de férias

Hoje é sábado e promete fazer um bonito dia de sol. Como sempre, não consegui me manter na cama e levantei abrindo todas as janelas para arejar o clima de abafamento da noite passada e da meia garrafa de Martini que esvaziei. Hoje é meu primeiro dos quinze dias de férias que passarão voando se eu não estiver atento as possibilidades de desopilação, descanso e muito lazer que surgirem nos próximos dias. Gostaria de ter falado sobre inúmeros assuntos aqui no blog, como a manifestação discriminatória dos alunos da Unicaban contra a colega que usava um mini vestido vermelho ou rosa e com grande repercussão na mídia, sobre a postura anti- ética de uma profissional médica nesta semana, quando levei um paciente para ser avaliado no posto de atendimento na Lomba do Pinheiro. Quero entrar no clima de férias e ao menos por estes dias me manter afastado destes temas que me causaram vergonha e mal estar!

sexta-feira, 30 de outubro de 2009

Sem perceber os sinais

Ela não lia os sinais dele e nem ele percebia mais os dela. Cada olhar tem uma dimensão pessoal daquilo que quer ver, e ele ficava pensando nesta dimensão que os desigualava fazendo-os tão solitariamente independentes um do outro e orgulhosamente duros. Falavam-se não só com os lábios, mas com o olhar, gestos e outras sutis atitudes nem sempre percebidas na contingencia dos dias.


quarta-feira, 28 de outubro de 2009

Saudades

Eu sinto ele crescer a cada dia e vejo sua transformação mesmo ele estando longe de mim. E cada dia que surge percebo minha angustia aumentar por não te-lo ao meu lado toda a hora, perto de mim e dividir o abraço, o calor, o sorriso, a descoberta. 
Os dias passam, ele cresce e eu me desfaço nesta perda tão sem lógica que me diminui e eu não falo nada pra ele!
"Estou hoje vencido , como se soubesse a verdade.
  Estou hoje lúcido, como se estivesse para morrer, e não tivesse mais irmandade com as coisas"...

                                                                                                    Fernando Pessoa.

Filmezinho básico que tem algo para dizer!



Assisti na TV, hoje de tarde, o filme "O casamento do meu melhor amigo" com Julia Roberts, Dermont Mulroney e Cameron Diaz.... que acho um filmezinho daqueles comuns que encontramos facilmente em qualquer locadora da esquina e cujo final se sabe o que vai acontecer porque parece já ter nascido pronto para agradar o grande público. Não vou contar aqui toda a história do filme, pois acredito que a maioria das pessoas já o assistiram, como não me sinto seguro o suficiente para classifica-lo de medíocre, visto que já o assistí mais de uma vez e então concluo que gosto de alguns filmes medíocres. Mas acontece que tem cenas neste filme, que mexem comigo de forma a me deixar introspectivo e eu ficar pensando... e até gostar do filme, mesmo tendo conciencia que pra mim não é "aquele filme". Uma das cenas que mexe comigo é quando Julianne (Julia Roberts), resolve abrir seu coração e declarar seu amor para o amigo Michael (Dermont Mulroney), dizendo que nunca revelou-o por ser na época uma pessoa orgulhosa, vaidosa e que colocou prioridades menores a frente de sua vida como forma talvéz de sufocar este sentimento. Eles então se beijam e são flagrados por kimberly (Camerom Diaz), noiva de Michael, que sai correndo aos prantos sentindo-se traída. Julianne percebe o amor do amigo por Kimberly, quando ele corre atras dela sentindo que a perderá para sempre e em seguida que perdeu a sua oportunidade, que o tempo passou e ela perdeu o trem das onze para Kimberly, que ela não é mais a mulher da vida de seu amigo/amor. Julianne assumi abertamente para os dois suas tentativas por vezes desonestas de reaver seu amor perdido no passado. Começa então a tomar novas atitudes para ajudar o casal a ficarem juntos, quando percebe a impossibilidade de afasta-los e que realmente se amam.
Depois de correr algumas cenas, tudo é acertado entre os personagens. Michael se casa com Kimberly. Na festa ainda desmotivada por tudo que lhe aconteceu, por sentir-se por um lado derrotada e por outro sentindo ter tomado medidas acertadas para unir o casal, faz um emocionante discurso e oferece emprestado uma musica para o casal de noivos, até que eles tenham sua própria musica. Mais tarde seu amigo gay vivido pelo ator Rupert Everett lhe surpreende com sua presença inesperada na festa mostrando-nos a importância de se ter um amigo leal, verdadeiro na hora em que nos sentimos derrotados e sem perspectivas.
Bom, este é um filmezinho básico que mostra sentimentos básicos e a importância das coisas básicas em nossa vida como amor, amizade, honestidade, fidelidade, sensibilidade e que as vezes não é mais possivel retomar as coisas do passado por ter ficado pra traz nas nossas lembranças e o que sobra são os sentimentos do que poderia ter sido possivel se pudessemos ter permitido no tempo certo!

terça-feira, 27 de outubro de 2009

Quem compra os nossos sonhos?

Noite passada entrei madrugada à fora, conversando pelo Skipe. O assunto? Dimensão, profundidade, intensidade, expectativas geradas pelos sentimentos. Mais tarde quando fui deitar-me fiquei pensando o quanto foi positivo ter feito isto e percebido principalmente a dificuldade de se ter real dimensão de tudo oque se sonha e deseja da outra pessoa, enquanto ainda estamos envolvidos numa relação, até que ela por alguma razão se desfaça. A dificuldade que temos de enxergar os outros e a nós mesmos no emaranhado de emoções e que nossos sentimentos inúmeras vezes são egoístas, passionais e que nos perdemos em intenções subjectivas, em expectativas com desdobramentos complexos e não correspondidos. Fragmentamos alguns sentimentos grandes em pedaços menores afim de interioriza-los com mais facilidade, perdendo sua real grandeza, dai partimos para emoções cada vez menores, nos despolarizamos, distanciamos-nos até encontrar caminhos diferentes, individuais. Mas todo este processo ainda que doloroso nos impulsiona a tomar novos rumos, possibilitando-nos crescimento e reconhecimento de quem somos, e o que procuramos, nos injeta coragem e força para diminuir estes erros e aceitar as diferenças. Algumas frases ditas na conversa, ficaram marcadas e acordaram pela manhã comigo: "Os sentimentos não são uma linha reta e mudam de direção". "O mais difícil é encontrar quem compre os nossos sonhos".

domingo, 25 de outubro de 2009

Quando a psicologia vira salada de frutas

Observando o menino correr incansavelmente pela casa, ora se debatendo contra as paredes, ora sorrindo, ora chorando, a mãe se pondo nervosa em cuidados maternos, o pai chamando sua atenção, percebi o quanto as técnicas de educação aplicada pelos pais aos seus filhos na hora da tensão, são semelhantes entre as famílias em geral. Possuem atitudes que formam elos em comum, na forma de educar, nas palavras usadas para chamar a atenção, nas expressões codificadas no olhar, na tensão para não cometer erros, na preocupação de manter a postura e se mostrar competente diante das pessoas que os assistem. Enfim educar parece ser uma equação complexa com técnicas moldáveis a cada situação, e ainda passível de erros imperceptíveis aos que estão emocionalmente envolvidos. Em alguns momentos, a psicologia vira salada de frutas, deixando os pais perdidos, envergonhados e preocupados com suas próprias posturas diante das outras pessoas que também se põem desconfortáveis por talvez se reconhecerem.

sábado, 24 de outubro de 2009

Palavras sem sentido

A tarde de hoje, parecia estar abandonada!.. Abandonada como, por quem, do que estou falando se haviam pessoas nas ruas, nos carros, em suas casas? As vezes as palavras soam verdadeiras porem sem sentido, sem clareza e não se encaixam nas definições que queremos dar ao que sentimos. São palavras talvez associadas a sentimentos que também são vagos e parecem escorrerem como agua de alguma boca sedenta. De onde eu estava deitado, com a porta aberta, podia ver as largas folhas de bananeiras sacudirem com o vento e a chuva fina que lavava tudo a minha volta, até mesmo esta minha vacuidade.

sexta-feira, 23 de outubro de 2009

Deslige a luz.

Ontem a noite, deitado na cama, me veio na cabeça a questão da comunicabilidade entre as pessoas. Se para alguns, isto não é problema, para a grande maioria ainda é uma questão a ser resolvida e principalmente quando estão envolvidos sentimentos na historia. Algumas vezes é tão complicado nos fazermos entender, justificar nossas atitudes sem causar sustos, dizer o que pensamos, sem corrermos o risco de sermos taxados de egoísta, frio ou qualquer destas coisas sub-humanas. Cria-se um clima de desentendimentos e aborrecimentos que nos transforma em seres tão isolados em nós mesmos que perdemos a capacidade de alinhar e redefinir nossas ideias para abrir novos leques de possibilidades. Ficamos confusos, divisiveis, descrentes da possibilidade de sermos aceitos como realmente somos. Nos perdemos em frases soltas que foram ditas e pareceram sem significado algum, perdidas. Quando não é possível alguma congruência, surge uma única pergunta a ser feita: Por que não nos entendemos afinal?..
E então só te resta o gesto de desligar a luz
.

quinta-feira, 22 de outubro de 2009

Donas de suas salas

O que falta na vida daquelas três mulheres me pergunto quando eu ligo a TV e as encontro sentadas nas suas salas bebendo vinho e falando sobre suas vidas entrincheiradas aos pequenos problemas do dia a dia e as impossibilidades que elas mesmas constroem em nome de conceitos morais, família, normas, estatus, bons costumes, medo dos riscos? É desta forma que vejo as personagens de Lilia Cabral (Tereza), Leticia Spiller (Betina), Natalia do Vale (Ingrid) na novela Viver a Vida, o retrato da insegurança e de assumir riscos que deflagrem alguma instabilidade emocional e que as tirem do falso domínio de suas vidas como mulheres realizadas e resolvidas, fazendo-as apenas desfilarem nas margens de sonhos não impossíveis, mas difícil de serem realizados. E me pergunto por que depois de algum tempo achamos que tudo parece ser mais difícil de acontecer e nos recolhemos em descrenças, sufocamos nossas expectativas positivas de que tudo pode ser possível, deixando-nos medrosos, sem energia de buscar o que nos falta. Vendo-as assim reunidas as vezes buscando conforto na troca de palavras, fazendo observações inteligentes, estabelecidas em suas areas de conforto, lembro-me da musica de Cazuza: "Sentadas são tão engraçadas, donas de suas salas!.."

quarta-feira, 21 de outubro de 2009

Conceitos que desconsertam

_ Nossa, agora sim tu ficastes melhor com estas tranças. Antes parecia-te com um globetrotter!.. E particularmente eu achava anti-funcional aqueles cabelos grandes. Pensava se tu não assustava os pacientes durante os atendimentos, se eles não te achavam com cara de bandido!

Eu fiquei pensando nas palavras chaves que ela utilizou para referir-se a minha aparência: Anti funcional, assustador, bandido?... Será que a aparência interfere sobre nossa competência profissional, nossa relação entre as pessoas ou é tudo um grande e camuflado preconceito? 
Estamos, além ou aquém de uma simples imagem pré estabelecida por conceitos rasos e raramente centrada na lógica, no óbvio de ideias superficiais que são construídas à respeito. Nem sempre o resultado de uma equação é exata e verdadeira, portanto algumas pessoas precisam aprender a olhar para os outros com diferente visão, desatrelado destes padrões falsos que ditam por exemplo, que ser negro é sinônimo de pobreza e inferioridade, que cabelos grandes e crespos é de desleixo e portanto marginalização; que cabelo de negro deve ser usado curto ou raspado. 
Para quem não sabe, o Black Power é muita mais que um modelo de cabelo a ser usado, mas uma postura de coragem diante da sociedade e imposição de valores culturais e políticos. 
Usar um modelo destes é levantar uma bandeira assumindo coragem e orgulho de suas próprias raízes, é mostrar sua própria existência a quem não quer enxergar. É dizer eu sou assim e tem quem goste, quem aprecie e me respeita. 
Li em uma revista que "quem já passa dos 40 anos sabe que, nos anos 70, quanto maior era o black power mais seria respeitado pela turma. 
O primeiro famoso a assumir o pixaim foi Toni Tornado, depois Tim Maia. Ambos haviam morado nos Estados Unidos por um tempo. 
A atriz Zezé Mota conta que, em visita àquele país, na época, deparou com os negros usando cabelo natural, voltou para o hotel e enfiou correndo a cabeça debaixo do chuveiro e sentiu como se fosse uma libertação. 
O black dos anos 70 tinha o corte bem definido. Era cortado com precisão. A moda atual é deixar o cabelo crescer sem corte, sem definição." Bom, mais do que qualquer definição ou conceito, eu descobri que uma simples mudança nos cabelos fez eu revolucionar algumas normas entre colegas no trabalho, alguns membros da família e outros que acham que o mundo deve seguir seus padrões ultrapassados e estagnados que sempre tentaram ditar regras e gritar mais alto.

Paragrafo final entre aspas, colhido da revista
Raça
edição 86

terça-feira, 20 de outubro de 2009

Bem dita tecnologia

poucos minutos atrás conversei com meus compadres em Foz do Iguaçú- Paraná, por vídeo conferencia. Bendita tecnologia que aproxima as distancias e pode-se perceber na pequena telinha a emoção descrita nos olhares!... Saudades de voces, voltem logo para o café com as novidades!

segunda-feira, 19 de outubro de 2009

E oque cobre as diferenças?

Bilhetes, cartas, postagens, mensagens que entram, que chegam, o que fazer com elas, com estes sentimentos contidos nas palavras congeladas de uma pagina? Que interpretação deve-se fazer, que referencia temos destas dependências afetivas que nos prendem, da necessidade de respirar o mesmo ar que a outra pessoa, escrito, re-dito, sub-entendido nas linhas? Por que estes sentimentos ás vezes dói e geralmente é assim, distante da alegria, desagregado de liberdade pessoal, da soltura? Fico me perguntando se sómente promessas de amar basta e cobre as diferenças?...

sábado, 17 de outubro de 2009

Preço da liberdade: $ 28,95


Estive pensando na dificuldade que tenho em comprar cuecas e as que uso, quase todas não foram compradas por mim, vieram em forma de presentes de aniversário, de dia dos pais, dia dos namorados, e fora destas datas especiais, acompanhadas da velha frase constrangedora: Achei que tu estavas precisando...). Minhas tentativas de compra-las sempre deram errado no que se refere ao tamanho, conforto, tipo de material usado na confecção. Esta semana navegando pela Internet entrei num site que apresenta os mais diversos tipos de designers em cuecas. Fiquei entusiamado com este modelo da foto que poste aí em cima onde inteligentemente foi criado uma saliencia externa para acomodar oque por longos anos, foi esmagado pelas cuecas convencionais. Quanto a o preço? Nada que seja impossivel de pagar para se obter a agradavel sensação de conforto com liberdade merecida.

sexta-feira, 16 de outubro de 2009

Hoje de tarde assistindo o torneio para a conquista do pentacampeonato Mundial sub-20 entre Brasil e Gana no Egito, selei minha convicção de que futebol realmente não é minha praia. O Brasil não conseguiu manter a forma na final e acabou sendo derrotado nos pênaltes, por 4 a 3, depois de um empate cansativo e monótono, sem gols no tempo normal e na prorrogação. O Brasil abusou nos erros de ataque e não impediu a igualdade de seus adverssarios após uma série de lances desperdiçados. E aquela narração do Galvão Bueno então, meu Deus, tem que ter saco para suportar! O cara te põe tenso do inicio ao fim da partida!

quinta-feira, 15 de outubro de 2009

Do tipo cara Valente

Quando não se tem aventuras ou coisa melhor pra fazer, ainda existem as palavras e alguns planos vagos, não postos em pratica. E eu aqui, fiquei imaginando o que ela deve estar pensando sobre mim quando cheguei em casa e ouvi Maria Rita a todo o volume que me é possivel ouvir neste apartamento:

Não, ele não vai mais voltar
Pode até se acostumar
Ele vai viver sozinho
Desaprendeu a dividir

Foi escolher o mal-me-quer
Entre o amor de uma mulher
E as certezas do caminho
Ele não pôde se entregar
E agora vai ter de pagar com o coração

Olha lá, ele não é feliz
Sempre diz
Que é do tipo cara valente
Mas, veja só
A gente sabe
Esse humor é coisa de um rapaz
Que sem ter proteção
Foi se esconder atrás
Da cara de vilão
Então, não faz assim, rapaz
Não bota esse cartaz
A gente não cai, não

Ê! Ê!
Ele não é de nada
Oiá!!!
Essa cara amarrada
É só
Um jeito de viver na pior
Ê! Ê!
Ele não é de nada
Oiá!!!
Essa cara amarrada
É só
Um jeito de viver nesse mundo de mágoas:

quarta-feira, 14 de outubro de 2009

domingo, 11 de outubro de 2009

"...Crescer, sumir, partir, chegar. Revirar e se descobrir.
Se elaborar, se transformar.

Me diz como fugir
do que levamos por dentro..."
(Ana Carolina)

sábado, 10 de outubro de 2009

Oque eu vivo repetindo pra mim mesmo quando estou sózinho com minhas idéias, olhando pela janela da vida que se movimenta diante dos meus olhos, algumas vezes em ritmo sincronizado como uma sinfonia, noutras como ventania em horas de tempestade , é que tudo parece ter uma razão de ser, mesmo quando ela nos causa surpresas e nos obriga por circunstâncias desconhecidas a dançar conforme a musica. Assim mesmo, tudo tem uma razão que justifique cada desfecho de nossas histórias.

quinta-feira, 8 de outubro de 2009

Então durante o trabalho, fui relembrado por telefone, sobre o convite de aniversário da Ma Anjali que será comemorado hoje num bar da João Alfredo (Sótão). Se fosse outra pessoa, talves deletasse a ideia de ir pelo fato de estar cansado e indisposto. Mas Ma Anjali, vale todo o esforço, por ser iluminada, afetuosa, alegre, disposta, sincera, lutadora, gente, seguidora de Osho e atuante no Namastê. Pessoa ímpar. Impossível deixar de abraça-la no dia de seu aniversário!

terça-feira, 6 de outubro de 2009

Mudando de embalagem

Ah! enfim tive coragem e apertei as teclas!..
Era isto que eu queria, uma cara nova para o meu blog, uma cara mais limpa, que lembrasse folhas de papel oficio, onde eu pudesse escrever com a sensação de maior espaço e claridade. É isto, estou precisando de mais claridade. Acho que achei, se não gostaram, sinto muito! Bjos, vcs se acostumarão com a nova embalagem embora o conteudo continue o mesmo!...

Exotismo e Obscuridade

Ontem bebi toda a garrafa de vinho guardada num cantinho da cozinha enquanto o mundo despencava com o temporal que deve ter provocado grandes estragos na cidade durante a noite. Na TV-canal 09, um professor discutia junto a um grupo de pessoas alguns problemas da contemporaneidade como feminilidade e masculinidade, sobre o que hoje significa o papel do homem e da mulher no meio social, conceitos de heterossexualidade e homossexualidade, inversão de papeis, aceitabilidade social e mídia.
Segundo o professor, e aqui, resumindo porque foi rico e vasto o tema em questão, os generos humanos discutido cada vez mais se igualam no que diz respeito as preferências sexuais e inverssões e que hoje já não é mais possível manter uma separação ou algum tipo de classificação que defina homo ou hetero como um kit ou como situações polarizadas. Lembrei-me de uma amiga que disse para o seu colega de trabalho que ele nunca havia se apaixonado por alguém do mesmo sexo pelo fato dele não ter encontrado o homem certo, oque ele concordou. No programa ainda foi mencionado a morte da cantora Cassia Eller e a decisão da justiça em deixar a guarda de seu filho Chicão com sua companheira Maria Eugênia ao invés dos avós do menino ainda vivos, sinalizando caminhos mais justos para estes casos ainda considerados de cunho complexo. Para ilustrar ainda mais o debate a frase de Simone de Beauvoir caiu feito luvas de pelica: "Não se nasce mulher, torna-se".
Num país onde um homem como eu de origem negra, cinquenta e um anos, que usa tranças nos cabelos ainda causa surpresas e espanto entre as pessoas, é possível imaginar-se o resto! A sociedade ainda não consegue ver um relacionamento entre duas pessoas do mesmo sexo com naturalidade e isto no mínimo é visto como algo exótico, obscuro. Mas o que é exótico e obscuro também causam alguma curiosidade e faz com que as pessoas pensem no assunto e discutam entre si.
Completaria com mais uma frase de Simone de Beauvoir para finalizar o comentário:
"Que nada nos defina. Que nada nos sujeite. Que a liberdade seja a nossa própria substância".
Leia também neste blog: *O casal Gay.

segunda-feira, 5 de outubro de 2009

La critíque

É a loucura não existe. A loucura está em todos os lugares ao mesmo tempo.
Normal é o tédio dos dias sem graça que as pessoas fazem pra elas mesmas.
Saudade não é salgada não. A saudade é doce.
Eu quero permanecer calado escutando tudo.
O meu passado é de conversador, bom falador, namorador...
Penso, penso, penso, penso...
Consegui dizer tudo...
Tu ficava atrás das linhas da vida.
Sou de esquerda pô...!
O que eu quero dizer com isso? Nada to comentando!
Porque eu sou da luz, porque o único escuro que eu carrego é a sombra que o meu corpo produz.
Eu dou tantas voltas é proibido parar.
Isoglócia...
Isoglócia é a sua forma de falar, sua expressão, sua variado de seletivas de línguas.
E a pessoa que faz isso e faz aquilo e o que não faz fica mais velho, e a velhice vem mais rápido.
Daqui a pouco encontrar uma carta de euforia.
E quem não é?
Sexo é bom! Eu paguei pra fazer. Dez reais.
Foi bom!
Possuir razão é impor.
Pessoas que vivem fora da sanidade.
Falar, falar, falar, falar hen, hen, hen, hen, hen, hen...
Quem é você?
Quem é você?
Quem é você?
Quem é você?
Eu to perguntando quem é você?
Eu sou gente!

Parent Kevin

Mensagem of line para o Athos

Filho tu estás aí invisível?.. Não tenho visto entrares no Msn!.. Como estás?..
Não te vejo há alguns dias e sinto saudades de pai, de amigo, de quem ama muito!

Sonhei que passeávamos pela cidade, por ruas desconhecidas, centenárias e de repente houve confronto entre gangues e nós estávamos no foco deles, no foco do confronto! Havia troca de tiros que não eram com revolveres e balas, mas com canetas à laser que riscavam o ar e o céu com luzes de varias cores. Lembro-me que correste com agilidade para te protegeres e eu corria atrás de ti e não te alcançava, não te protegia, não te enxergava mais nas estreitas ruas daquele lugar.

Bonnie Parker

Hoje deparei-me com minha cueca pendurada no varal a mais de uma semana sendo molhada nos dias chuvosos e seca nos dias de sol, tremulando como uma bandeira bege sem ser recolhida e então inexplicavelmente lembrei-me de Telma que nunca mais vi. Telma morava na mesma rua que eu, tinha os cabelos pretos e longos que arrastavam nas costas e gestos pouco femininos. Morava com seus pais e mais quatro irmãos, talvez isto explicasse seu jeito largado de ser. Tinha habilidade em tocar sambas em caixinhas de fósforos e manter o cigarro preso num canto da boca. Era do tipo caladona e de poucos sorrisos mas que demonstrava sentimentos através de sua expressão facial quando estava alegre ou aborrecida. Jamais andava com as garotas de sua idade, sempre no meio dos rapazes. Eu era fascinado por Telma e seu jeito que eu associava a Bonnie Parker. Será que Telma usava cuecas, qual a associação?

domingo, 4 de outubro de 2009

Uma cebola na plantação de tomates

A festa de ontem à noite, no planeta "Terra", talvés estivesse melhor se Eu não fosse de "Marte" ou de outro planeta desconhecido!..
Me senti uma cebola numa plantação de tomates. Cansado de tudo aquilo que absolutamente não era meu mundo retornei cedo pra casa!..

sábado, 3 de outubro de 2009

Aperto a tecla?

Acordei com uma vontade de fazer mudanças em minha vida. Algumas são difíceis eu sei, mas outras tem a facilidade de se apertar uma tecla e ver tudo modificado. Pensei no modelo do meu blog mas logo desconfiei que pudesse desagradar alguns poucos leitores e então desisti da ideia. Devo protelar desta decisão?.. No final, deve ser isto que de fato acontece, desistimos de nossas necessidades por nos preocupar-mos com a opinião dos outros, sobre nossas atitudes, mesmo as menores e que só precisam de um pequeno toque sobre a tecla certa, para vermos tudo transformado.

quinta-feira, 1 de outubro de 2009

Embarcações

O que tem nas letras de musicas que falam em embarcações e que me causam uma espécie êxtase, de emoção desconhecida, inexplicávelmente íntima? Que sentimentos tenho por estes navios que partem, que afundam, que encalham, predem fogo e são abandonados na praia? Que navios são estes que atracam e vão embora fabricando emoções nas despedidas, abandonando seus cais. Oque escondem em seus porões, de onde vêm e que historias tem para contarem? Chico destrói os seus ao encontrar um grande amor: "Rompi com o mundo, queimei meus navios. Me diz pra onde é que ainda posso ir". e Milton talves seja o proprio navio em seu sonho de liberdade: "Tenho o caminho do que sempre quis. E um saveiro pronto pra partir. Invento o cais, invento o mar e sei a vez de me lançar."

Pequenas atitudes, grandes mudanças

Na vida temos dois caminhos, o da loucura ou o da morte! _ Assim me disse Madalena ontem durante o plantão, admirando e tocando delicadamente em minhas tranças. Mas acho que quando falava em loucura, se referia a da criatividade da renovação, da coragem, das possibilidades que criamos para abrirmos e reafirmarmos nossas arestas em novos conceitos pessoais. Se não arriscarmo-nos pelo novo, somos sufocados por nossos proprios anseios e impossibilidades que ficam a margem de nós mesmos impedindo-nos de ser verdadeiros e o que me faz pensar que pequenas atitudes podem revolucionarem nossa vida de modo a surpreender nós mesmos e aos outros.

Você também pode gostar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...