segunda-feira, 30 de novembro de 2009

Ai, ai...

Tem dores antigas que ressurgem parecendo ser a primeira vez, mas que de uma hora para outra revive na memória o velho desconforto e sentimento de arrependimento pela certeza da culpa, nossa máxima culpa!.. Não, não estou falando de dores da alma, de emoções não correspondidas, mas de dor física mesmo, no abdome em forma de fisgada após comer um desses sorvete de casquinha, deliciosos e sabor leve, vendidos nas esquinas e que minutos depois perde toda a leveza e começa a pesar na barriga como serragem molhada. Ontem de tarde, caminhando na Osvaldo Aranha com aquele sol quente, não pude resistir, arrisquei e pronto, lá estava eu lambendo um sorvete e algumas horas depois desejando um buscopan na veia, um chá de boldo quente ou qualquer coisa como voltar no tempo para evitar tudo aquilo e assim desaparecesse aquele mal estar e a promessa cínica de que sorvetes, nunca mais.

Outros nortes...

Acabou a congruência de ideias. Os passos já são largos e definem as diferenças que afastam para outros nortes. Talvez exista nas relações algum tipo de duelo inconsciente que tenta demarcar territórios perdidos que não são estes vividos no presente, até que se conquiste um outro, até que se ache novas referencias para se acreditar em outras possibilidades.

sábado, 28 de novembro de 2009

Tango

Todos dançavam o mesmo tango, homens com homens, mulheres com mulheres sem o menor pudor e às vezes se trocavam de par. Dançavam de costas, de frente, de pé, deitados, sem perder a estética dos movimentos e o ritmo do bandoneon. Os que assistiam calados, não sabiam quem era quem na penumbra do saloon, por que afinal, era desnecessário questionar coisas tão banais diante de tanta beleza e paixão.

Fiquei pensando!...
















O que me impede de puxar a corda da descarga?... Chutar aquela pilha de baldes ou mandar tudo para a puta que o pariu?... O medo de abrir a janela e conquistar o novo, mesmo sabendo que o velho é só referencias?... E referencias são tão subjetivas!..





A ultima cena



Deitada sobre o corpo dele nu ela sorria. Então ele perguntou meio ofegante:
_Em que está pensando?..
_Em arte! _Respondeu ela, passando os dedos sobre os mamilos dele, que se arrepiavam.
_O ato sexual jamais diminuirá o grande abismo entre as pessoas, só por alguns momentos como este!_ Disse rolando  nua, sobre ele, numa espécie de brincadeira que tinha feito antes.
Ele então sorriu, enquanto pensava nas estranhas palavras ditas por ela.

terça-feira, 24 de novembro de 2009

Tardes de Julho de 1968

Quando pequeno eu ouvia o coaxar dos sapos que vinham de um alagado perto de casa. Eu não sabia se choravam ou cantavam, mas pra mim era uma uma sinfonia de tristeza, um lamento descompassado e incompreensivel que me fazia olhar pela janela e observar acima das casas e das copas das àrvores, o horizonte já quase noite, o fim daquelas tardes chuvosas e misteriosas de Julho. Sombras se formavam do nada e passavam diante de meus olhos entrando corredor à fora. O que os sapos celebravam em dias tão feios de carregadas nuvens escuras e tudo era tão frio e úmido nas paredes de madeira da casa, naquele chão xadrez? Por que eu ficava ali, naquela janela pequena ouvindo aquele som tão triste em todos os meus demorados e repetidos invernos?

domingo, 22 de novembro de 2009

Faxinas e Rock And Roll

Resolvi hoje não sair de casa. Nem que me pagassem, botaria o nariz pra fora!.. Sem estímulo para caminhar pelo Bric, tomar um café na praça de alimentação do shoping, ou pegar alguma sessão de cinema na tarde, baixou-me uma espécie de espírito domestico, destes que nos induz ao fanatismo por limpezas e ainda um certo prazer doentio de limpar tudo que vê pela frente. Comigo começou pelo banheiro, alguns pares de tênis, roupas, portas, janelas e depois cozinhar feijão enquanto ouvia Jethro Tull e Pinck Floyd.
Recebi até alguns ligações com convites para sair, mas arrumei desculpas e algumas mentirinhas para me abster de explicações
. Meu dia hoje foi de faxina, lanches leves e rock and roll.

Ouça abaixo, das minha preferidas!.. Wish You Were Here Pinck Floyd.

Perguntas e respostas

Ontem encontrei a Carmen, que não é a prima e nem a trançadeira, mas a outra, cujo nome se diferencia por terminar com "N" e que um dia pareceu-me amiga indispensável por sua alegria, senso de humor, despojamento e que a distancia, a falta de contato acabou esfriando o que foi prazeroso num curto prazo de convivência, deixando algumas boas lembranças de verões para traz. Quando a encontrei, percebi que não sentia falta do que se esgotou tão naturalmente quanto começou, com poucas perguntas e igual resultado.

sábado, 21 de novembro de 2009

Epifania

Alguém me disse que não lia meus textos por que eu escrevia demais e que assim não dava para acompanha-los. Eu achei isto, uma destas desculpas esfarrapadas para esconder o verdadeiro motivo camuflado e que poderia ser: "... Não me interesso!.. Acho-os sem graça!... Não gosto de ler!... Não tenho tempo pra isto!, etc.., etc...". E então fiquei pensando que realmente escrevo bastante e este "bastante" se repete quase todos os dias e que vai de reflexões, informações diversas, comentários de coisas que me chamam a atenção, algum humor e abóbrinhas. Não consigo conceber a ideia de ter um blog e não escrever nele, pois como já disse tenho uma relação que se firma na necessidade de por pra fora aquilo que sinto, vejo e penso e um blog no momento é o melhor veiculo que encontrei para isto. Não tenho preocupação de ser brilhante naquilo que escrevo e muito menos ser coerente, mas ser verdadeiro e isto recai no risco muitas vezes de ser infantil, ridículo e mal resolvido. Escrever significa expor-me e enviar parte de mim para alguma plataforma pessoal visivel e acessivel que se difere do interiorizar-se e depois observar, analisar, descobrir e talvez seja isto que procuro, respostas, resoluções com estas buscas. Bom, como individuo em eterna necessidade de entendimento que sou, acho que todas as investidas devem levar-me à algum lugar e que tudo pode ser experimental na vida inclusive um blog cujo o amanhã pode perder sua importância. Até que se estabeleça alguma certeza e então eu mude de ideia, continuarei por aqui jogando tudo que vem à cabeça como uma forma de auto reconhecimento e a sensação de realização e compreensão de minha essência.

sexta-feira, 20 de novembro de 2009

Antes das 7

Eu estava indo para o trabalho e não era sete horas da manhã quando parei o carro numa faixa de segurança em que o semáforo tinha fechado. Haviam algumas pessoas nas paradas de ônibus, e o tráfego no meu sentido ainda era calmo naquela hora. Mas parei o carro e eis que cruzou uma senhora de uns setenta e poucos anos, com três cachorros pequenos nos braços e mais dois maiores, seguros pela guia. Os cãezinhos pareciam assustados e entrelaçavam-se nas pernas da mulher. Os outros três muito pequenos, escalavam o seu pescoço e lhe lambiam o rosto carinhosamente dando-me a sensação de que a qualquer momento se desequilibrariam e cairiam no chão. Fiquei surpreso com esta cena que não é normal nos meus dias e pensando nestas trocas de aféto entre pessoas e animais que se adaptam tanto pela convivencia com seus donos, que se tornam quase humanos. Pareciam crianças protegidas no colo de sua mãe, vivendo um dia que para eles parecia tão diferente quanto se parecia para mim.

quinta-feira, 19 de novembro de 2009

Por quê?

Tem algo me incomodando que não sei o que é, e isto me desconcentra e me deixa alheio as situações que antes envolveria-me de entusiasmo e prazer. Estou aflito com esta sensação estranha de que nada mais venha fazer sentido na minha vida, de que minhas palavras, sentimentos e atitudes não sejam mais compreendidas e transformem-se num emaranhado de gestos mudos, sem vida, sem significado algum e que por fim acabe qualquer tipo de comunicação e entendimento e tudo passe a ser tão superficial e permanente como me parece ser a morte.

quarta-feira, 18 de novembro de 2009

Silencio

Nesta madrugada depois que a chuva caiu impetuosa, a cidade parecia morta, numa quietude anormal, sem pessoas ou carros nas ruas e alguns bairros em total escuridão. Eu calado, observava tudo e parecia mergulhar em pensamentos desconectados com uma musica que tocava longe ou então dentro de mim. Tem vezes que tudo parece cair num profundo silencio, cuja explicação não se acha, não cabe em nenhum espaço, não se entende, causando uma certa inquietação e melancolia...

"Agua de beber, bica no quintal.
Sede de viver tudo.
E o esquecer era tão normal. Que o tempo parava.
E a meninada respirava o vento, até vir a noite.
E os velhos falavam coisas dessa vida.
Eu era criança, hoje é voce.
E no amanhã nós..."

                                        Milton Nascimento

domingo, 15 de novembro de 2009

Ai, ai, ai,ai, tá chegando a hora!

Foram quinze dias, de descanço do trabalho e a possibilidade que somente o tempo disponibiliza, o de fazer coisas que normalmente não faria se estivesse trabalhando. Não pude fazer longas viagens, mas fiz planos e compensei com passeios pela cidade como visitar a Feira do Livro e lugares históricos, ir a shows, festas, churrascos, bate papo em bares na noite, rever amigos já esquecidos. Possibilitou-me também revisar minha caixa preta e descobrir que ela é cheia de pequenas gavetas e estas, com minusculas divisões que revelam intenções boas e más, pontos que se contradizem e se contrapõe a mim mesmo, tornando-me tão dual quanto a minha propria natureza e meus principios.

sexta-feira, 13 de novembro de 2009

Riponguice

Uma amiga escrafunchando algumas peças de roupas nos cabides de uma loja alternativa aqui em Poa, olhou para uma saia colorida e disse: _Esta não dá, ta muito riponga!.. _Então demos gargalhadas e lhe perguntei o que intuitivamente já sabia o que ela queria dizer: _Como, riponga, o que quer dizer?
_É este estilo aqui! _ disse mostrando-me uma saianha preta com aplicações coloridos.
_Aquele estilo hippie que não combina com nada, meio estravagante, que foge, destoa!..
Talvés quisesse dizer que foge dos padrões mais aceitaveis, mais elegantes e combinativos.
Em casa fui em busca de uma definição maior desta palavra para matar minha curiosidade e encontrei alguns conceitos. No http//wikicionario riponga é mulher feia, mal vestida, (pejorativo) hippie, o que eu descordo plenamente pois não se pode classificar uma pessoa como feia somente por estar usando um estilo de roupa. Uma pessoa feia pode se manter feia com outros estilos e ser feia é um atributo da pessoa e não da roupa que esta usando. Numa pagina de perguntas e respostas do Yahoo uma internauta colocou em pauta no chamado fórum "tira dúvidas" a seguinte questão:
_Qual a diferença entre riponga, baranga, chibunga e mocréia?
Logo abaixo vinha a resposta de outra internauta, considerada a mais coerente das informações postadas:
_A riponga é a garota hippie, a riponga pode ser chibunga, baranga e mocréia essas outras três acho que quer dizer a mesma coisa, que é feia, horrorosa, descompensada e outras coisinhas mais!...
Portanto conclui que, riponga é o estilo hippie de se vestir, apenas um estilo que agrada uns e não agrada outros! As combinações feitas com acessórios, como bolsas, calçados, colares etc., dentro de um estilo próprio, podem também dimensionar o grau de riponguice, transformando a pessoa de uma simples riponga, numa hippie chique ou um ser completamente fora da casinha e daí ser facilmente taxada de baranga, chibunga, mocréia. Afinal moda me parece algo pessoal e intuitivo e se usado com bom senso, não infringindo regras, fica dificil de errar e assim ser confundida. Para as ripongas sobram talvés homens Bichos grilos, para as hippie chiques os de bom gosto, as outras só Deus sabe!..


Não posso perder!!

Ontem á noite aconteceu o show imperdível de Martinalia no Opinião que eu não fui por outros compromissos marcados e falta de "didinho" mesmo. O bar Opinião é uma das, senão a mais importante casa de Shows de Porto Alegre, criado em 1983 por dois estudantes universitários e que abriga cerca de duas mil pessoas. Ao longo de sua existência, sediou apresentações de grandes nomes da música como: Deep Purple, Bob Dylan, Yes, Jethro Tull, Mercedes Sossa e outros. Dia 20 de Novembro às 22 horas é a vez de Maria Gadú que virá a Porto Alegre pela primeira vez, para a estreia de lançamento de seu disco pela Som Livre. Não dá para perder!!

quinta-feira, 12 de novembro de 2009

OLHOS FECHADOS E HOMEM DE ÓCULOS

2- Homem de óculos
1- Olhos Fechados

Mas pensando em arte, lembrei-me do Wilson Cavalcanti, ( o Cava), que fazia muitos anos que não o via e que foi possível o encontro, na semana passada por ocasião da apresentação do Melopéia de Arame na Casa de Cultura Mário Quintana. Este encontro ao acaso, fortaleceu-me a ideia de que o mundo não é tão grande assim e que só temos esta ideia errônea, por que tomamos rumos diferentes em nossas vidas. Will ou Cava como é chamado, possui um enorme acervo de trabalhos espalhados por aí neste mundão. Gosto particularmente destes dois trabalhos em pintura feitos por ele: "Olhos fechados" e "Homem de óculos".

Relações Confusas

Disseram-me que as relações não se acabam, elas apenas se transformam em outras relações maiores ou menores e mudam de nome e então posicionamo-nas de acordo com o grau de importância na nossa vida. Ontem ao acaso, encontrei na rua uma pessoa da qual eu pensava que tínhamos uma grande amizade por nos relacionar-mos muito bem no passado e que por pequenas divergências terminei por afastar-me, acreditando que na época ela tinha tido uma atitude que eu achava não ser correta comigo. Insatisfeito com o que eu nunca esperava ter acontecido, decidi dar um tempo o que se prolongou por mais de dez anos. Sempre que nos encontramos, trocamos sorrisos e gentilezas mas que no fundo percebo algum ressentimento que ficou e que mascaramos ora em pequenas explosões de alegria contida, freada, ora em pequenas atitudes de inibição, comandadas por um sentimento maior de orgulho ou qualquer coisa como "não dar o braço a torcer". Assim esta amizade antes maior, passou a ser menor ou outra coisa que não sei o que é, marcada de um certo desconforto causado por um desentendimento nunca esclarecido e que não me importei de dar nome, tranformando-se numa relação confusa e cheia de cuidados.

terça-feira, 10 de novembro de 2009

Velhas novidades

Acordei surpreso ao observar pela janela do quarto que o dia nasceu cinzento e com possibilidades de chuva. Virei-me na cama e liguei a TV com a noticia da chegada de Madona ao Rio, a confusa expulsão e reintegração da agora famosa universitária na Uniban, visual novo nos cabelos de Ana Maria Braga, acidentes, assaltos, balas perdidas. Nossa, como as coisas se repetem e o que parece novidade, já é tão conhecido que tem cara de velho! Desliguei a TV e resolvi continuar a dormir!

segunda-feira, 9 de novembro de 2009

Melopéia de Arame


Fui assistir o show do Melopéia de Arame no espaço -Elis Regina na Casa de Cultura Mario Quintana. O grupo possui um repertório rico e singular, surpreende por mostrar algo diferente do que estamos acostumados a ouvir e que por vezes cai nas banalidades musicais. Com arranjos artesanais, passeiam por ritmos como baião, funk, milonga, blues e tantas outras influencias musicais. A banda teve início em 2006 quando Leandro Rodrigues e Michelle Cavalcanti se encontraram nos corredores da graduação em música da Universidade Estadual do RS. Dali em diante, a sensibilidade e criatividade mutuas deram-se as mãos e voz surgindo a necessidade de por prá fora o que alma inquieta precisava dizer. O casamento sonoro foi inevitável e resultou em diversas canções e a certeza de que experimentando mais sons chegariam a um resultado satisfatório. Depois foi a vez do baixista João Rocha e do percussionista Jeferson Moreira aderirem a o grupo. Estava formada a melopéia que é a arte de musicar poesia.
"Ver Michelle no palco cantando musicas cujas as letras fizeram parte da sua vida me emocionou demais por que também fiz parte destas histórias e pude conviver com estes sentimentos que um dia foram de dor e hoje transformados em poesia musicada da melhor qualidade e beleza. Assistindo a o espetáculo pude perceber que a vida nos mostrou caminhos, que crescemos e superamos as dificuldades ("pro peso cinzento que restou...") e estamos aí em busca de melhores dias pras nossas vidas, pros nossos filhos!"
e ouça suas músicas!

Minha preferida:
Goteira:
contatos:
(51)3224.6220
Cel: 9958-8741
Por fora o lado de dentro é tão estranho
Por dentro não há lugar, não há tamanho
Pro peso cinzento que restou
Piso calma, arrebento e vou.

Mas era tanta goteira
Chovia no meu cobertor
E tanta goteira a cidade inteira parou
Deu até pra encher lata d'agua
O barulho não deixa eu dormir
Juntando o restinho de mágoa que eu nunca pude engolir

Vem já raiei meu coração
Já raiei.
(Michelle Cavalcanti)

domingo, 8 de novembro de 2009

Morra de rir como eu:

Il Manifesto Dei Buratini


Recebi a informação por e'mail e repasso para quem estiver interessado: Dia 13 e 14 de Novembro, acontece no Centro Cultural da Usina do Gasômetro a apresentação de Il Manifesto Dei Buratini, dedicado ao maestro de Vittorio Zanella, Otello Sarzi Madidini. A Companhia Teatrino Dell'es de Bologna na Itália inicia uma curta turnê pela América Latina a partir de Porto Alegre, com apresentações do seu espetáculo consagrado de teatro de formas animadas. O espetaculo quer abranger, das origens, aos tempos atuais, as diferentes fases do teatro de figura de animação e utilizando técnicas com bonecos forrados, marionetes com fio, objetos animados e uso das mãos. É imperdível!
Sexta-feira: 16h. e 20h.
Sábado: 16h. e 20h.
Faixa etária: Adultos e crianças.
Ingressos: R$ 10,00 (c/vendas no local a partir de 1h. antes).
Duração: 1h. 30min.
Onde: Av. João Goulart 551- Centro Cultural Usina do Gasômetro.

sábado, 7 de novembro de 2009

O Sorriso do gato de Alice

E eu ficava pensando com o que se parece o teu sorriso diferente, alargado, que se abre sob os gomos da face, se dobra e quase vence as curvas do rosto. Os olhos deram para Elis, os sonhos para os loucos, mas hoje quando cheguei em casa lembrei-me deste sorriso difuso, o sorriso do gato de Alice!

Da fábula Alice no país das maravilhas:
Alice: _Mas eu só queria saber que caminho tomar!
Gato: _Isto depende do lugar a onde quer ir!
Alice: _Oh, realmente não importa desde que eu chegue!
Gato: _Então não importa que caminho tomar!..
Gato: _Nesta direção, mora um Chapeleiro. E nesta direção, mora uma Lebre de Março. Visite quem você quiser, são ambos loucos!
Alice: _Mais eu não ando com loucos!
Gato: _Oh, você não tem como evitar, somos todos loucos por aqui. Eu sou louco. Você é louca!
Alice: _Como é que você sabe que eu sou louca?
Gato: _Você deve ser, senão não teria vindo para cá!




Esta musica Errática, composta nos anos 90 por Caetano Veloso para Gal no Show O Sorriso do Gato de Alice, talvés tenha sido uma das composições mais bonitas que já ouvi em sua voz!



Erratica:
Nesta melodia em que me perco
Quem sabe, talvez um dia
Ainda te encontre minha musa
Confusa...

Esta estrada me escorre do peito
E tão sem jeito
Se desenha entre as estrelas da galáxia
Em fúcsia...

Bússolas não há na cor dos versos
Usam como senha tons perversos
Busco a trilha certa, matematicamente
Só sei brincar de cabra-cega
Errática
Chega.

Neste descaminho, meu caminho
Te percorre a ausência
Corpo, alma, tudo, nada, musa
Difusa...

O sorriso do gato de Alice se se visse
Não seria menos ou mais intocável
Que o teu, véu
Pausa de fração de semifusa
Pode conter tão grande tristeza...

Busco o estilo exato
A tática eficaz
Do rock ao jazz
Do lied ao samba
Ao brega
Errática
Chega!

(Caetano Veloso)

sexta-feira, 6 de novembro de 2009

Oque eu queria dizer e não disse nesta noite:


Ainda sinto na boca o gosto da ambrosia feita pela Neuza e que ontem coloquei na lista das melhores ambrosias que já comi, com grumos grandes e sem excesso de açúcar, no ponto! Eu queria ter dito tantas coisas ao marido dela que comemorava ontem seu aniversário, mas minha timidez inicial, e as manifestações de alegria dos convidados acabaram falando mais alto e terminei esquecendo. Eu queria deixar registrado em palavras a importância de se conviver com uma pessoa como ele: Simples, natural, alegre, criativo, sincero, bem humorado e de alma jovem, que declama e faz poesias, que canta canções antigas comigo quando saímos em ocorrencias e que eu me sentia um privilegiado de trabalhar ao seu lado . Pensei também que no caso dele, deveria dispensar as palavras, por que o mais importante é o que a gente sente e eu estava muito feliz de estar ali naquele momento confraternizando. Nestes últimos meses, aprendi muito com sua convivencia, dividindo experiências, discutindo objetivos pessoais, sonhos. Observo suas atitudes, seus momentos de emoção e seu modo criativo de enxergar e se posicionar diante da vida. Não conheço ninguém com 63 anos que possua tamanha grandeza de espirito, energia e disposição para fazer de seus dias momentos de prazer e alegria como ele faz.

quinta-feira, 5 de novembro de 2009

Sem encaixes

Quando eu abri a porta e ela saiu de mochila nas costas, me perguntei o por que não estava mais sendo tão bom nossa compahia como foi um dia e então percebi que quando um laço maior se quebra, parece que todo o resto começa a se esfarelar em fragmentos menores que são difíceis de encaixa-los. Talvés ela não retorne para o churrasco combinado de hoje e me telefone dando uma desculpa passiva de se entender!

quarta-feira, 4 de novembro de 2009

Parte de mim estava lá.

Eu tinha que ter postado este texto no domingo, mas ele não acontecia por razões que desconheço. As palavras não vinham, as letras não saiam e então hoje sem maiores esforços a coisa vingou como um piscar de olhos, natural e espontâneo:

Eu só pensava no magnifico banho ao chegar em casa depois daquele domingo de sol entre amigos e o tradicional churrasco de família. Na volta pra casa, enquanto dirigia, vinha em silencio que parecia-me ser alguma forma de insatisfação que eu não identificava ao certo, mas que aos poucos fui esmiuçando as ideias até perceber que se tratava da mesma sensação de quando eu retornava de lugares que pra mim tinham sido satisfatórios, bons, no aspecto de companhias simples, agradáveis e que me punham a vontade ou de lugares que me transmitiam paz e harmonia entre eu e o que estava a volta. Um acertamento ou integração íntima difícil de explicar. Era isto, eu estava chateado de ter deixado pra traz momentos de prazer, de intensa alegria, de bem estar entre pessoas que ali estavam e haviam me proporcionado ficar a vontade no grupo, com simplicidade, autenticidade, sem posturas socialmente elegantes e cuidadosas. Me sentia como uma criança que ganha um presente e não quer ser afastado dele nem para dormir. Ainda comentei com uma amiga sobre o que estava sentindo ao deixar as pessoas pra trás e vir embora
: Uma espécie de melancolia que cabe bem nesta cantiga de Roda que todos nós bem conhecemos e que um dia certamente cantamos: "O anel que tu destes era vidro e se quebrou, o amor que tu me tinhas era doce e se acabou..." Inumeras vezes quando voltava de Bombinhas para casa, sentia isto, como se parte de mim ficasse por lá e só retomaria de volta, quando eu voltasse no verão seguinte!

terça-feira, 3 de novembro de 2009

Nota de satisfação

Todos os finais de mês quando vou pagar uma fatura, me surpreendo positivamente com o atendimento prestado aos clientes e usuários do Banco Itaú. Os caixas operadores que são apenas dois, são gentis e prestativos sem serem enjoados, assim como os vigilantes educados e de postura profissional. Jamais te olham com ar de arrogância ou desconfiança na porta rotativa de segurança como assistí e vivenciei em outros bancos estatais. Aliás, não lembro daquela porta ter sido travada comigo ou outra pessoa desde o primeiro dia em que por ela cruzei. Também não sei se é mérito apenas desta agência na rua Barão do Amazonas ou mérito de um banco privado e que particularmente dá confiança, segurança e certeza de um serviço humanizado e competente. Mais uma coisa, não sou cliente deste banco, apenas um usuário que utiliza o serviço!

Frase no embrulho

"As pedras em que tropeçamos e juntamos para construir castelos, nem sempre são construídos, guardamos nos bolsos para jogar no mundo como forma de vingança!.."
Esta frase é de um autor desconhecido, escrito á mão no embrulho do super mercado que eu trouxe para casa hoje. Achei a frase tão pesada quanto o embrulho e ficou pesando na minha cabeça ainda por alguns minutos depos que joguei no lixo.

Saudades do que fomos

Me pergunto se é possível sentir saudades de nós mesmos, não falo daquilo que vivemos ao longo da vida, mas da forma como enxergávamos as coisas na nossa volta, aquilo que um dia fomos interiormente e que foi se perdendo pelo caminho, para dar lugar ao que somos e chamamos de maturidade e nos transforma em pessoas mais seguras, prudentes. As vezes penso que a maturidade só nos traz mais dúvidas por que eu tinha muito mais certezas antes, do que tenho agora. Lembro de mim mais jovem, infinitamente mais sonhador e apaixonado, desejando conquistas cuja algumas ficaram presas em impossibilidades absurdas que ajudei a construir e tento desenlinhar, sonhos que substituí por outros, vivências que me deixaram marcas e quando lembro-me, dobro o lábio num sorriso involuntário. A juventude nos torna heróis vivos ou super herois, nos faz viver no limite de nossas emoções, transforma pecados em milagres. Vendo minha mãe sentada numa cadeira de balanços, cabelos grisalhos, mais silenciosa do que já foi, penso nas limitações físicas e emocionais que adquiriu com o tempo e que tambem já foi jovem. E eu seguirei esta mesma estrada, diminuirei minhas palavras até que emudeça minha voz e as cores percam o tom?.. Luto para que isto não aconteça, para que minha alma continue num processo oposto embora saiba que impossibilidades surgem.
Olho para aquela faixa que desaparece no infinito e lembro do dia quente que fez ontem. Hoje sopra uma brisa que ontem talvez fosse necessaria. Amanhã um pedaço de hoje com certeza me fará falta.

segunda-feira, 2 de novembro de 2009

LEMBRANDO DE ANA TERRA.



Até as onze da manhã ninguém atendia o telefone móvel ou fixo. Caixa de mensagens vazia. Talvez todos estivessem offline. Será que todos resolveram levar flores no cemitério e enfrentar aquele engarrafamento de pessoas tristes com flores nas mãos, saudosas e silenciosas?
Este ano não ventou, não aconteceu o conhecido vento característico do Dia de Finados, a o contrario, veio um Sol forte, bom para quem está na praia, tomando um banho de mar e neste momento fazer uma pequena introspecção para lembrar o quanto seria bom a companhia daquela pessoa que partiu se estivesse ali juntos, compartilhando alegrias da vida, aproveitando este belo dia. Desta forma é possível avaliar a morte, vivendo a vida.
Agora, penso na inexplicável relação que tenho com o vento e sei que no Dia de Finados, ele sempre se apresenta deixando a própria marca, rara exceção ao de hoje, então passo a lembrar-me de Ana Terra, do Livro "O Continente"- de Érico Veríssimo cujo um trecho diz o seguinte:

"E de novo o povoado ficou quase deserto de homens. E outra vez as mulheres se puseram a esperar. E em certas noites, sentada junto do fogo ou à mesa, após o jantar, Ana Terra lembrava-se de coisas de sua vida passada. E quando um novo inverno chegou e o minuano começou a soprar, ela o recebeu como a um velho amigo resmungão que gemendo cruzava por seu rancho sem parar e seguia campo afora. Ana Terra estava de tal maneira habituada ao vento que até parecia entender o que ele dizia, nas noites de ventania ela pensava principalmente em sepulturas e naqueles que tinham ido para o outro mundo. Era como se eles chegassem um por um e ficassem ao redor dela, contando casos e perguntando pelos vivos. Era por isso que muito mais tarde, sendo já mulher feita, Bibiana ouvia a avó dizer quando ventava: "Noite de vento, noite dos mortos..."

Sem palavras

Ontem fiquei pensando no que dizer para aquela mulher de quarenta anos, magra, negra, com curso superior que lançava sua opinião numa roda de amigos sobre discriminação e preconceito racial, que achei bonita, mas depois mudei de opinião:
_Minha professora de Sociologia inúmeras vezes levantava discussão sobre os problemas do racismo e pregava a igualdade de direitos entre todas as raças embora eu sentisse que ela não acreditasse no que estava falando!
_Eu percebo que uma grande parcela do preconceito racial, parte do próprio negro contra a sua raça!
_E eu não namoro negros. Não sinto atração por eles. [ Risos]. Gosto de homens brancos , de olhos claros e que tenham carro, disponibilidade e condições de me levar a ambientes caros para jantar e passear!
Nossa, somos todos livres, ao menos pensamos que somos e por isto cada um fermenta suas ilusões até no caldeirão da própria ignorância! Olhando depois para seus cabelos com um aplique de fios lisos e de cor avermelhada que caia até o final das costas pensei até onde ia sua falsa identidade e o que acumulou desta vida além de preconceitos.


Você também pode gostar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...