quinta-feira, 31 de dezembro de 2009

Diario de Motocicleta


Na noite passada durante o meu plantão, assisti na TV o filme Diário de Motocicleta, história baseada nos livros de Ernesto Che Guevara e Alberto Granado (Notas de viaje) e que conta a aventura destes dois argentinos em 1952 na travessia do continente Sul Americano com uma motocicleta Norton 500, de Buenos Aires à Caracas. Che Guevara (Gael García Bernal) era um jovem estudante de Medicina que, em 1952, decide viajar pela América do Sul com seu amigo Alberto Granado (Rodrigo de la Serna) estudante de bioquímica. A viagem é realizada em uma moto, que acaba quebrando após 8 meses. Eles então passam a seguir viagem através de caronas e caminhadas, sempre conhecendo novos lugares e pessoas. Quando chegam a Machu Pichu, a dupla conhece uma colônia de leprosos e passam a questionar a validade do progresso econômico da região, que privilegia apenas uma pequena parte da população.
Diário de Motocicleta é um filme grandioso, passando a todos mensagens de liberdade, de reflexão sobre a vida. É um filme que traz a margem de nossos olhos, os sonhos reprimidos, a impetuosidade, a aventura, a capacidade de realização, fazendo com que reflitamos sobre as nossas próprias vidas, nossas fronteiras pessoais, sobre as diferenças étnicas do nosso povo, o preconceito, a pobreza, a simplicidade. Talvez, tenha surgido daí os motivos que levaram Guevara a estabelecer uma nova visão e ideologia de vida. Este filme me caiu como um presente mistico, uma vez que em Fevereiro estou saindo de férias para Machu Pichu - Peru. Vale a pena assistir o filme!

quarta-feira, 30 de dezembro de 2009

Balanço

Poxa vida, fazendo uma retrospectiva no final deste ano, percebo o quanto cometi erros no intuito de acertar, de recortar sobras, de aparar arestas. Claro que tive acertos, muitos acertos, mas os erros parecem mais pesados e com volume triplicado nestes momentos de balanço pessoal. Em 2010 não quero ser cobrado por coisas que eu normalmente não cobro de ninguém, por respeitar diferenças. Não quero ser impedido de usar a minha liberdade de opinião, de expressão, de pensamentos.
Eu gostaria de fazer a diferença positivamente entre meus dias!


segunda-feira, 28 de dezembro de 2009

Avatar

Ontem me perguntei, enquanto assistia o filme, o porquê das cenas de guerra, de conquistas, das grandes explosões de fogo, da destruição e da presença do homem no filme Avatar que pra mim não havia necessidade. Bastavam as belas imagens dos jardins naturais fluorecentes, dos animais alados e de cores psicodélicas, os fantásticos cavalos esguios, feras, arvores gigantescas e montanhas flutuantes, os rituais sagrados e filosofia de vida dos Na'vis, (humanóides de três metros de altura e de cor azul), mostrando sua magia, sua sensibilidade e interação com o meio onde viviam. Só isto valia!
Acredito em mentiras cinematográficas, sonhos, paraísos, fantasias e respeito à natureza. Por um momento quase acreditei na existência da Lua de Pandora. O filme tem mensagens relacionadas à nossa realidade atual e deixa claro o seu alerta ecológico quanto a devastação do planeta.

Da liberdade

Liberdade tem tantos conceitos, alguns tão simples, outros tão complexos e sem nenhum sentido para quem ouve. Eu as vezes sinto ela tão perto, quando consigo escrever aquilo que talvez não tivesse coragem ou jeito para dizer em palavras e cujo significado para outros, tenha pouco ou nenhum valor significativo.

sexta-feira, 25 de dezembro de 2009

Natal

Já é Natal e cada ano que passa, sinto que algo se perde nos natais que ficaram pra traz.
Ele não é mais o mesmo!
Eu não sou o mesmo.
As pessoas também não são as mesmas.
Todos cresceram, envelheceram, se cansaram?
Sobram taças que são brindadas ao badalar da meia noite
do outro dia e abrir presentes...
Eu queria mais, esperava mais, ansiava muito mais!...

quinta-feira, 24 de dezembro de 2009

Firulas

O motoqueiro que fazia firulas numa rua de pouco movimento, bateu na lateral de um carro parado e sofreu alguns arranhões. Depois de imobilizado na maca e ter recebido os primeiros atendimentos se mantinha ansioso, revoltado com sua má sorte. Gemia, não parava quieto, não deixava ser examinado, se revoltava por que alguém não atendia sua chamada no celular. Praguejava, queixava-se de estar com sede. Sua namorada que segurava-lhe a mão, tentava acalma-lo com voz doce como se falasse com uma criança de cinco anos:
_Calma, vamos chegar, querido!
_Mas eu com sede! _Dizia ele inquieto, tentando afrouxar o colar cervical, levantando os braços, dobrando as pernas. Depois virou os olhos na minha direção.
_Oh meu, eu com sede!.._Reclamou com um tom de voz imperativo.
_Sinto muito, mas terminou o estoque de soro gelado do frigobar da ambulância! _Deu-me vontade de responder.

terça-feira, 22 de dezembro de 2009

Estranhos simpáticos

Na tarde de hoje, no Barra Sul Shoping, depois de dois canecos de chopp comecei a caminhar pelos corredores aproveitando o clima dos condicionadores de ar ligados. Lá dentro o paraíso, enquanto lá fora, o verdadeiro inferno. A fila do cinema estava muito grande e os filmes em cartaz não me atraíram, então decidi que só me restava ver vitrines, cada uma mais enfeitada que a outra e os preços, nossa!.., salgadíssimos!.. De repente percebi que um casal vinha em minha direção. Ele loiro, cabelos dourados, bermuda larga e sandalia parecendo um turista europeu, ela também loira, forte, muito sorridente com sacolas nos braços, estendeu-me a mão com um largo sorriso no rosto:
_Ola, tudo bom, como vai?_ Perguntou-me sem nenhum sotaque gringo.
_Tudo bem e vocês? _ Retribui com simpatia do piloto automático ligado, sem fazer ideia de quem se tratava
_Tudo bem. Um bom Natal pra ti e a família! _ Concluiu indo na direção de uma loja.
Será que me confundiram com outra pessoa? Que bom que não pararam pois talvez fosse constrangedor para as duas partes se a conversa se estendesse. Me esforcei alguns minutos sem conseguir lembrar-me se os conhecia realmente. Pensei no quanto sou confundido com outras pessoas e segui meu rumo pensando sobre o calor infernal que deveria estar na rua!..

Opção de Natal

Atendi ontem o seu Leonardo, morador de rua no bairro onde eu moro e que queixava-se de uma lesão de pele nos braços que apresentavam bolhas e vermelhidão e cuja a dor incomodava-o já por meses. Queixava-se também de não poder urinar e seus pés com edemas lhe dificultavam de andar. Sua moradia é uma barraca improvisada com lona plástica preta num canto da praça e protegida por dois enormes cães da raça Fila, que rosnavam enquanto eu o atendia. Seu Leonardo disse-me que ficaria feliz se pudesse passar o Natal num hospital, assim teria cama limpa e comida quente.
_ E os cachorros quem vai cuidar? _Perguntei preocupado.
_Meus amigos tomarão conta até eu voltar. Se eu voltar!.. _Concluiu com um certo humor preocupado, deitando-se na maca.

Intuição

Algumas vezes sou tão intuitivo com determinadas coisas que fico, eu diria, envergonhado de ser acometido por esta sensação que me parece frescura, bobagem, afetação emocional. Mesmo sabendo que intuição é algo que não tem uma explicação clara que a justifique, por fugir do óbvio, do entendível e eu fico tentando apagar da minha cabeça o que me parece tão subjetivo e sem uma explicação. Dias depois, me rendo as suas revelações e tudo fica parecendo assim, meio humanamente sobrenatural, como se um outro eu me soprasse revelações a o pé do ouvido!..

Sonhos

Esta noite, sonhei com o Jairo. Ele cruzava por mim na rua e continuava com mesmo rosto de quando tinha seus vinte oito anos e não mais o vi, mas sua expressão tinha algo de loucura, de um desequilíbrio causado pelas drogas, pela solidão e não aceitação de seus antigos e tortuosos problemas.

segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

Sem noção!!

De manhã cedo, quando cheguei no endereço da minha primeira ocorrência e vi aquela mulher que provavelmente pesava mais de 80 quilos, gemendo e estatelada sobre o piso frio de sua casa, cacos afiados de telhas espalhados pelo chão, pedaços de madeira, sangue, cortes pelo corpo, me perguntei com um pontinho de raiva:
O que uma mulher daquele tamanho, pensava estar fazendo aquela hora da manhã, em cima de um telhado fino de amianto?
Incrível, mas algumas pessoas não tem a mínima noção de perigo, de proporção, peso, medida e bom senso! Não sabem o significado de uma queda livre e as lesões que podem causar, provavelmente pensam que é possível num acidente destes flutuarem até o chão como plumas!.. Ninguém merece!...

domingo, 20 de dezembro de 2009

Escultura da natureza

Esta é uma escultura natural, criada a partir de um pedaço de madeira ou raiz, que o vento, a areia e o mar esculpiram na Praia da Solidão. Encontrei-a, sendo empurrado pela água até a faixa de areia. Me chamou a atenção sua forma, que se parece a de uma ave e que flutuava entre as carcaças de navios encalhados.
Me pergunto como a natureza consegue construir com tamanha semelhança estes objetos, entalhando cada detalhe e nos deixando surpresos com sua perfeição...

sábado, 19 de dezembro de 2009

Rua Zaire


Sempre que eu entro na Rua Zaire, na Lomba do Pinheiro e me deparo com a imagem da barragem que faz divisa com o Parque Saint' Hilaire em Viamão, tenho uma sensação de susto. É como entrar numa rua estreita de chão batido e esburacado e de repente encontrar aquela imensa represa de água diante dos olhos. Algo que não se espera, um truque geográfico, com os pés em Porto Alegre enxerga-se a cidade vizinha do outro lado da margem!.. A vila na beira da barragem é composta de casas humilde e me lembra alguma vila pobre de pescadores que não parece estar localizada dentro da cidade.

.

quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

Como todos os anos acontece, ontem à noite foi o churrasco de confraternização de Natal e Ano Novo na casa do Camargo. Foram momentos de inegável alegria e descontração, pena que faltaram alguns colegas para dividirem este momento e apreciar o especial churrasco.

quarta-feira, 16 de dezembro de 2009

Acabando o estrese com Farofa

Anteontem me vi caminhando no eixo comercial de Porto Alegre, coisa que geralmente não faço principalmente em dias que antecedem festas, mas por algum acidente mental eu esqueci de datas e lá estava eu, enfrentando o sol escaldante, pessoas estressadas, mal educadas, engarrafamento nas calçadas, gritaria de vendedores ambulantes, o caos. Este período de festa natalina deixa todo mundo à beira de um ataque de nervos em meio ao campo comercial, consumista, o jeito é dar um fugidinha quando bate a fome e o cansaço, até o Farofa, restaurante agradabilíssimo na General Câmara -424 e apreciar o salmão grelhado ao molho de laranja, leite de coco, legumes e o geladissimo chopp artesanal. O restaurante é especializado em comida tipicamente brasileira e tem em seu cardápio os mais variados pratos e petiscos de dar agua na boca e surpreender qualquer cliente desavisado, pelo seu bom gosto e ambiente privilegiado.




segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

Walkers

Ontem á tarde, durante minha caminhada a pé pelo Bom Fim, me deu uma vontade de comprar um All Star vermelho de cano alto como o que eu usava aos dezessete anos. Trocar o aro de metal do meu óculos por um de acrílico azul e usa-lo permanente na cara, perder uns vinte quilos e alguns vícios, mudar o modelo do meu cabelo, ir para Garopaba mas em 1980, tomar um suco de limão batido com casca, comer goiabas no pé, dormir nas areias de Itapuã e encontrar amizades profundas, dormir numa barraca e acordar com o barulho do mar, comer macarrão com sardinha em volta de uma fogueira, frango à passarinha na Praia dos Amores, perder o sono mas sonhar com as estrelas. Ontem me deu vontade de buscar tantas coisas guardadas e jogar outras que já não servem, fora!..

domingo, 13 de dezembro de 2009

Para dentro do labirinto


Acontece amanhã dia 14 as 20h, a estréia de Para dentro do labirinto - experimento sobre a obra de Jorge Andrade que será apresentado pelo GET, Grupo Experimental de Teatro da Secretaria Municipal da Cultura de Porto Alegre em única apresentação na sala Alvaro Moreyra- Centro Municipal de Cultura com entrada franca. A retirada de senhas será as 19h.
Para Dentro do Labirinto é o resultado da Montagem de Textos, o segundo módulo do GET, iniciado em 05 de outubro desse ano. O trabalho reúne fragmentos das peças As confrarias, Pedreira das Almas e Vereda da Salvação, de Jorge Andrade, entrelaçados com trechos da autobiografia, Labirinto, único romance do dramaturgo.
Segundo Mauricio Guzinski, coordenador do GET, "A montagem enfoca os aspectos humanos, em especial a presença forte das mulheres, personagens quase míticas no teatro de Jorge Andrade - 'Pietás brasileiras esculpidas pelo tempo' - e a poesia da palavra-escrita para-ser-dita que caracteriza a obra do autor".
Realização:
Prefeitura de Porto Alegre
Secretaria Municipal da Cultura
Contatos: 3289 8062 / 3289 8064/ Maurício Guzinski - 9154 2872

Erros e acertos

Semana passada lembrei da conversa que tive com um colega sobre a preocupações que temos com os filhos em relação as possíveis e desaconselháveis más companhias, do qual acreditamos serem capazes de influencia-los à tomarem caminhos errados na vida em função da falta de experiência e o fascinio pelo desconhecido, pelo proibitivo. Pensamos que nossos filhos não sabem cuidarem de si mesmos e nos transformamos em pais ansiosamente cuidadosos, verdadeiros guardas pretorianos tentando cuidar da segurança deles e coibindo sua auto defesa natural as mazelas da vida. Quantos erros cometemos no intuito de acertar, corremos o risco até de parecer-mos seus inimigos! Com tanta preocupação, esquecemos da nossa própria auto defesa e mesmo adultos e vividos nos expomos a todo o tipo de influencia e má intenção que rola em nosso meio. Não somos imunes a nada nesta vida e só somos influenciados ou vitimados, quando permitimos sua ação sobre nós
Somos postos á prova a todo o instante por ideias equivocadas e emoções duvidosas que tentam nos impor suas verdades. Algumas vezes tentam avançar nosso sinal sem que o deixamos verde, então tudo vira merda, por não ser possível administrar uma expectativa que não é da gente e que a nós não pertence. O empenho usado para nos convencer iniciou errado, na hora errada e com a pessoa errada. E como se julga uma má companhia, pela diferença de idéias e conceitos?.. Se o que é ruim prá um, pode ser bom para outro. E quantas vezes nossas idéias também já não foram vistas como uma má influencia tranformando-nos numa má companhia para alguém? No meu caso, inumeras!...O saldo final é que todos os envolvidos terminam colecionando erros e acertos para colarem em seus álbuns de vida e mais tarde refletirem sobre o ocorrido. Afinal somos todos humanos e aprendemos mais com os erros do que com os acertos!!

sábado, 12 de dezembro de 2009

Amor e Culpa

Meu filho saiu daqui de casa para ir numa festa. Tomou um demorado banho, vestiu a bermuda que lhe dei de presente de natal antecipadamente, lanchou sua cuca favorita com Nescau, escrafunchou alguns minutos no seu Msn e Orkut, deu-me um abraço e saiu em direção à parada de ônibus. Enquanto descia as escadas do edifício cronometrei o tempo que levaria até o portão e corri até a janela para -lo passar na calçada. na rua, me deu uma abanadinha e seguiu até desaparecer por baixo das árvores e onde meus olhos não o avistavam mais. Em casa, fiquei meio ansioso dividindo minha atenção entre a cena da novela das nove e a tela do computador que deixou ligado, meus pensamentos soltos, lembravam de sua imagem em pequenos fleches de memoria que me causavam uma pequena mas incomoda culpa sem um motivo claro. Corri até o meu quarto, calcei um tênis sem meias, mochila, chaves e peguei o carro na garagem. Com um pouco de sorte ainda o encontraria na parada de ônibus. Há alguns metros avistei-o parei o carro e buzinei. Ele veio em minha direção abrindo a porta e sorrindo enquanto se ajeitava no banco.
_Pensei, e achei que não poderia te deixar a estas horas numa parada de ônibus!
Ele ainda sorria me parecendo ser de alegria
.
_Quando o carro entrou na esquina da rua, eu pensei, é o meu pai!
Depois de deixa-lo na festa, voltei para casa me sentindo mais leve, pensando que aquela atitude além de um carinho, parecia-me também um gesto para aliviar-me de alguma culpa que não sei qual o motivo e me pega de surpresa em alguns momentos como este.
Na madrugada, acordei com o alarme de sua mensagem no meu celular:
_Pai tô dormindo na casa do Gui. Relaxa!

sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

Sinal Fechado

Sou um chato e não gosto de me sentir assim, excluído, por que esta sensação me destempera de tal forma que passa de uma desagradavel falsa impressão para um acontecimento. Quero dizer que ao me sentir deste jeito, transformo tudo numa verdade, num impasse e acabo me fechando com as pessoas que desconfio estarem me evitando por razões pessoais que desconheço ou desatenção. Então faço um processo inverso, eu que antes me sentia posto de lado as excluo por sentir meu orgulho de amigo ferido. Há alguns dias atrás, tentei falar com uma delas e por varios dias nada consegui. Telefone celular desligado, nenhuma resposta para as mensagens que eu colocava no messenger, e'mails, nada. Outra combinou de passar aqui em casa para conversarmos e então deve ter desistido e esquecido de me avisar, pois nem uma mensagem ou justificativa foi capaz de enviar-me. Sei que nossas vidas não giram apenas em torno de amigos, porque temos pendencias, problemas de toda ordem à serem resolvidos , mas particularmente não acredito na falta de tempo de levantar o telefone e justificar em poucas palavras nossas impossibilidades. Desta forma criamos lacunas que enfraquecem os afetos por desatenção e fechamos o sinal, fazendo da nossa vida como a antiga mas conhecida letra da musica de Paulinho da Viola:

"...Tanta coisa que eu tinha a dizer mas eu sumi na poeira das ruas
Eu também tenho algo a dizer mas me foge a lembrança
Por favor, telefone, eu preciso beber alguma coisa rapidamente
Pra semana...
O sinal...
Eu procuro você...
Vai abrir!!! Vai abrir!!!
Eu prometo, não esqueço, não esqueço
Por favor, não esqueça
Adeus... Adeus..."

quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

Ser muitos mas não ser todos

As vezes oque ouço, nada me cabe e quando me serve fica faltando algum pedaço, naõ se acerta, me limita como roupa apertada num corpo inchado, que desconforta, que enlouquece e depois se rasga.
A o menos por enquanto, não quero mais cuidar do que não me pertence, não quero mais expor minhas costas para os loucos baterem e arrancar pedaços, não quero mais administrar as loucuras que não as são minhas e que são impostas pelos códigos sociais de uma certa convivência pacifica exigida e fingida. É isto que o mundo, a sociedade e as pessoas querem e te cobram, complacência, serenidade para entenderes estas loucuras alheias a tua vontade, administrar os erros e violências que não são tuas e que são enfiadas goela a baixo sem explicações e apontar culpados. Eu me sinto tão cansado, tão derrotado com tudo isto que tenho saudades de um tempo em que eu era mais inconformado e que via saídas onde hoje não vejo mais. Cresce em mim uma perplexidade quando saio às ruas e vejo tanta falta de educação e de sensibilidade entre as pessoas, tantas violencias e mortes, tantas rivalidades no transito, entre meus colegas no trabalho por pura vaidade e densamento de suas frustrações. Quando abro a porta e recebo supostos amigos observo-os e surpreendo-me com o que há de pior neles e não encontro forma de desfazer o agravo que causaram. Me pergunto o que mudou em nossos valores que pra mim hoje parece uma incógnita cuja regra é bater para não apanhar, enganar para não ser enganado. Tem dias em que me acordo com um sentimento de total impotência, de quem é subjugado por forças maiores, obrigado à fazer parte de um mundo onde o objetivo de estar nele é viver ou morrer e para viver tem que ser muitos mas não ser todos.


Contra o baixo astral


É possível encontrar tempo sim, quando temos necessidade de buscar alguma diversão nos momentos em que se está meio down e ter uma visão diferente de lugares que já se conhece. No domingo - 06/12, com intervalos de sol e uma leve garoa paulistana, que de tão fininha não incomodava, passeei de barco pelo Guaíba, observando a minha cidade por um outro ângulo. O preço é muito em conta, 10 reais por uma hora.

Festa de Integração

Dia 19 de Dezembro na cidade baixa em Porto Alegre acontecerá a festa de integração entre o pessoal que viajará para Machu Picchu dia 30 de Janeiro próximo. O objetivo da festa é se conhecer, tirar duvidas, se programar melhor e claro se divertir! 
A entrada será franca para quem estiver na lista. O local será na Pinacoteca Bar, na rua da Republica 409 à partir das 20h. O Tom é quem está armando esta!..
O lugar lembra os bares de Barcelona. Uma casa antiga com pé direito baixo com abobadas, paredes e piso detonado. A cerveja é muito gelada e no elenco de atendentes, o destaque fica com Pilinho, que além do cardápio, oferece também, frases de efeito! Como o nome sugere, a o bar também é um espaço cultural. Existem exposições de quadros, pinturas, fotografias durante o ano todo. Há espaço também para apresentações de esquetes teatrais e música. E nada melhor do que cerveja e deliciosos petiscos para acompanhar a movimentação cultural. O fone para contato é 51 321157 62.

quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

Não aceito!

Minha ultima ocorrência no plantão de hoje: Garoto de 17 anos se joga do quarto andar do edifício onde mora. Correria geral equipe e ambulância, sirene ligada, luvas nas mão, ansiedade, pressa. Quando chegamos no local em seguida enxerguei-o caído no chão, boca ensanguentada, gemente, agitado, desorientado, amparado por um homem que a o reconhecer-me disse.
_Bah, vocês de novo?
Imobilizamos o garoto, examinamos, verificamos seus sinais vitais, acesso venoso, oxigénio.
_Dá outra vez, vocês atenderam a mãe dele que tomou um montão de comprimidos para morrer!
Chamamos outra ambulância com medico no local para os procedimentos avançados necessários. Trocamo-no de ambulância, da que eu estava, para a outra com o médico e foram embora. Formou-se um amontodo de pessoas atônitas e curiosas na rua, sem entender o que estava acontecendo. Meu Deus, o que se passa com o mundo, com as pessoas? Tenho na cabeça uma porção de respostas coerentes que justificam uma atitude destas, mas não me acostumo com elas, não as aceito!

terça-feira, 8 de dezembro de 2009

Amor em lágrimas

Nesta manhã de pouco brilho, sem sol, nublada lembrei de Vinicius o de Moraes e sua poesia apaixonada, embriagada, sua poesia musicada, cantada. Talvez um dia eu venha sentir falta destes dias cujas manhãs me parecem tão insólitas e sem planos, tão abandonadas quanto o mar que soluça na solidão, nos pensamentos do poeta.

Ouve o mar que soluça na solidão
Ouve, amor, o mar que soluça
Na mais triste solidão
E ouve, amor, os ventos que voltam
Dos espaços que ninguém sabe
Sobre as ondas se debruçam
E soluçam de paixão
E ouve, amor, no fundo da noite
Como as árvores ao vento
Num lamento se debruçam
E soluçam para o chão
Deixa amor que um corpo sedento
Como as árvores e o vento
No teu corpo se debruce
E soluce de paixão.
                                                          *Vinicius de Moraes

segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

Prólogo e epílogo

No final da tarde, atendendo uma jovem de vinte anos, chamou-me a atenção seu sobrenome incomum e que era o mesmo de um amigo que não vejo a muito tempo. Durante sua remoção para um serviço de saúde, vinha conversando com sua tia que a acompanhava na ambulância e conversa vai, conversa vem, não deu outra, eram mesmo parentes, a jovem era filha deste amigo que hoje mora em São Paulo e que perdi o contato e que no passado trabalhamos juntos e nos tornamos bons amigos em momentos de alegria e também de dificuldades. Este fato fez-me pensar nas incríveis coincidencias que a vida provoca e que tantas vezes pensei em tentar comunicar-me com ele, mas desisti por falta de pistas da sua localização e de coragem por não saber se seria recebido com o mesmo calor de antes. Acho que o tempo e a distancia destempera muitas coisas. Deixei-as no posto de saúde sem pedir mais informações a respeito dele e por insegurança ou inibição, finalizei esta história como quem fecha as paginas de um livro que foi bom, mas não queria modificar o seu epilogo.

domingo, 6 de dezembro de 2009

FESTA NA USINA.




Hoje foi dia de festa na Usina do Gasômetro por ocasião do Natal 2009 e inauguração da árvore natalina com uma altura de 50 metros nas proximidades do Guaíba. Cheguei as 17h ainda dia e a festa já havia começado, com muita animação e o show da Dupla Fat Duo as 17h 30 min. depois com as bandas, Se Ativa e Pura Cadencia as 19 h. O movimento de pessoas e algumas tribos culturais foi crescente e os ponto mais altos da festa foram a apresentação do grupo Papas na Língua que iniciou as 20h mostrando suas musicas de maior sucesso e a contagem regressiva feita por eles para a iluminação da árvore as 21h acompanhada de muitos fogos de artificio. Concomitente as apresentações de palco haviam muitos outros palanques montados na beira do rio como grupos de Pagode e uma terreira de Umbanda que destribuiu Axé para todos ali presentes que desejavam beneficiarem-se com as bençãos dos Orixás. Valeu a pena estar lá!

Eu só queria exceções...

Algumas coisas nesta vida não valem a pena por que não cabem em nós e naquilo que acreditamos. Assim como, algumas pessoas não valem a pena e não merecem o nosso mínimo esforço de se ouvi-las ou alerta-las de seus erros, por serem uma grande perda de tempo, um atraso, alguns pontos a menos na nossa sabatina diária de vida. O mundo talvez fosse melhor sem elas e nós quem sabe, mais felizes se permanecessem de boca fechada, entretidas em si mesmas, em suas mesquinharias e ignorância sem contaminarem os outros de maldade e pessimismo. São elementos que fazem parte da obscuridade de nossos dias e cujo respeito pelos outros e por si mesmos desconhecem. Ocupam o nosso cotidiano com futilidades, mentiras, falsidades e como dizia a Clarisse da Ucrânia: "O que me mata é o cotidiano. Eu só queria exceções!"

quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

Salvamento frustrado


No final da tarde, durante o plantão, um filhote de sabiá caiu do ninho. Eu e Garcia, meu colega de trabalho, após confisca-lo com cuidado, tentamos recoloca-lo no ninho sob os ataques ferozes de seus pais em voos rasantes em nossas cabeças. Nada conseguimos até chegar um terceiro colega que improvisou um andaime com mesa e cadeira.
Nossa, que trabalheira! Quando aproximou o filhote do ninho, mais dois filhotes assustados, pularam para fora. Acho que na tentativa de ajudar terminamos por complicar mais a situação. Voltei para casa frustrado e preocupado, se conseguiram enfim coloca-los em seu ninho, caso contrario, poderão ser alvos fáceis de gatos e cães que passeiam por lá. Também não sei se conseguiriam voltar para o ninho sozinhos, já que visivelmente ainda não sabiam voar!..

Você também pode gostar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...