sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

O Ultimo Sarau.

Na Quarta-Feira aconteceu o Sarau de poesia e linguagem promovido por Mario Pirata, na Casa de Cultura Mario Quintana no inicio da noite. 
Enquanto estive por lá assistindo a leitura de poesias, ouvi rumores de que o espaço não será mais disponibilizado para estes encontros à partir de uma decisão vinda do novo diretor da casa. Algumas decisões entram na contrapartida da defesa de que arte deve ser disponibilizada de forma popular e cujo o acesso a esta  linguagem se torne aberto a todos e não somente a pequenos grupos da elite.
De qualquer forma me surpreendi com a magistral presença de palco, de dois poetas: Renato de Mattos Motta e aquela senhorinha na ultima fileira da fotografia, de blusa estampada com florais preto, que marquei com uma seta e não sei o seu nome.

Novo tempo.

Acordei com esta musica do Ivan, tocando na minha cabeça desde cedo e fiquei pensando como ela é atualíssima, atemporal mesmo tendo sido composta em 1999. Diz que esta musica quase foi incluida no álbum de Michael Jackson. Durante visita ao Brasil em 1980, Quincy Jones ouviu a canção e pediu autorização para escrever uma versão que seria apresentada a Jackson. Lins não lhe deu resposta e "Novo Tempo" foi excluída da pré-seleção de faixas para o álbum.

quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

Num único ponto da atenção.

Já aconteceu de você se surpreender com algum gesto, comentário, atitude ou mesmo um olhar de uma pessoa do qual você tem um bom relacionamento e então percebe que ela não é bem aquilo que você imaginava que ela fosse? 
Ah,  já sei, isto deve ter acontecido com você, inúmeras vezes!..
Você vai ficando na espreita, desconfiado, observando mais atentamente estas atitudes não aceitas por você e de repente é tomado por uma grande decepção e fica se sentindo um verdadeiro idiota por ter sido enganado por uma falsa impressão positiva que você mesmo criou a cerca de seu próprio entusiasmo anterior. 
Acho que podemos ver as coisas de diferentes maneiras, mas apenas num angulo diferente de olhar, num único ponto da nossa atenção, nos atemos a pequenos detalhes reveladores antes nunca percebidos. Será que este é o olhar que revela a alma?

quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

ALFONSINA Y EL MAR.

Monumento a Alfonsina Storni - praia La Perla / Mar del Plata
La Negra que faleceu no ano de 2009 aos 74 anos, sempre me fascinou pelo poder de sua voz e forte presença de palco. Duas das principais musicas de seu repertório, a tornaram conhecida pelo mundo com uma das Divas representantes da musica latino americana - que foi Graças à La vida - (de Violeta Parra) e Alfonsina Y el Mar - (dos argentinos Ariel Ramirez e Felix Luna) composta em 1968 que me emociono até hoje quando a ouço. 
Mas quem foi esta Alfonsina que se tornou tão reverenciada na voz de Mercedes Sosa e cujos os versos são de uma beleza poética tão peculiar?
Alfonsina Storni era uma poeta e escritora que nasceu na Suíça em 1892, mas passou a viver na Argentina desde os seus quatro anos de idade. Começou a escrever desde cedo e rapidamente conquistou vários prêmios pelas suas obras, sendo reconhecida em praticamente todos os países latino americanos.
O nome de Alfonsina Storni é lembrado como uma das grandes autoras da poesia em língua espanhola, tendo forte ligação com o movimento modernista do início do século XX, destacando-se como uma poetisa de vanguarda, e por ter colocado a sua condição de mulher e feminista contra normas antiquadas que vigoravam na sociedade portenha. Alfonsina faleceu de Câncer em 1938.

TRADUÇÃO DA MUSICA ALFONSINA Y EL MAR:
Pela branda areia que toca o mar, sua pequena pegada não aparecerá mais. 
E um único passo de pedra e silêncio chegou até a água profunda, até a espuma.
Sabe Deus que angústia te acompanhou, que velhas dores calaram tua voz para recostar-te no sussurro dos caracóis marinhos, a canção que os caracóis cantam no fundo obscuro do mar.
Vai-se Alfonsina com sua solidão, que poemas novos foste buscar? E uma voz antiga de vento e de sal se quebra na alma e a está chamando. E te vais, como em sonhos. Dorme Alfonsina, vestida de mar.
Cinco sereiazinhas te levarão por caminhos de algas e coral e fosforescentes cavalos marinhos farão uma ronda a teu lado. E os habitantes da água vão nadar ao teu lado.
Baixa a luz um pouco mais, deixa que durma em paz. E se chamarem não diga que estou, diga que Alfonsina não volta. E se chamarem não diga que estou, diga que me fui.
Vai-se Alfonsina com sua solidão, que poemas novos foste buscar? E uma voz antiga de vento e de sal se quebra na alma e a está chamando. E te vais, como em sonhos. Dorme Alfonsina vestida de mar. 



terça-feira, 27 de dezembro de 2011

Um Xamã de rua.

Hoje na rua Garibaldi, um cara veio ao meu encontro e me pegou pelo braço dizendo:
_Este novo ano, vai ser de renovações pra ti!
E eu lhe respondi:
_Ano novo é sempre de renovações, caso contrario não seria novo!
_Mas não é deste novo que estou falando. Eu sou um Xamã e vim te dizer isto! Este novo ano, será de renovações pra ti!
Eu ainda surpreso com a interpelação ousada do cara, tentei me afastar, simulando um sorriso de tranquilidade.
_Tu és ateu, mas vim te dizer isto!
O cara tinha a pele branca e no rosto uns riscos que pareciam feitos por carvão. Aparentava ter uns cinquenta anos, usava uma calça jeans e chinelos de dedos nos pés encardidos de poeira. Um mistura de homem comum, com trapaceiro.
_Que coisa mais atoa! _ falei baixinho para não provoca-lo e fui embora.

segunda-feira, 26 de dezembro de 2011

A menina e o roller

Há poucas horas atras, enquanto acompanhava alguns amigos que bebiam chimarrão debaixo das arvores - na Praça em frente da minha casa, percebi que uma mulher desfilava de roller, uma especie de patins, no meio da rua, aproveitando o asfalto liso, recém reformado, entre os carros que desviavam e alguns que até buzinavam para chamar-lhe a atenção. 
A mulher deveria ter uns 30 anos e parecia estar completamente alheia aos buzinassos de atenção. Mas o pior de tudo é que estava acompanhada por uma menina franzina e desajeitada também sobre um patins que tentava alcançar-la com grande custo. Seria sua filha?..me perguntei. 
A menina não passava dos 8 anos de idade e aquela atitude de irresponsabilidade da mulher, me deixou com uma mescla de indignação e vergonha. 
É, eu fico envergonhado quando me deparo com estas situações inacreditáveis de falta de cuidados.

A CRUZ DAS ALMAS EM VIAMÃO.


Sempre que passo de carro na parada 53 de Viamão, uma cruz localizada à direita no sentido Viamão para Porto Alegre me chama a atenção. Trata-se da +cruz das Almas+, um monumento em homenagem aos que deram sua vida pela causa Farroupilha em Viamão.
Para os atuais viamonenses, trata-se também de um marco, onde eles se reúnem ali, no dia 13 de Setembro, para prestarem homenagem aos amigos que foram participantes ativos das tradições gauchescas e que morreram no ano vigente.


Percebi também, que poucos são os moradores que sabem da existência deste monumento, talvez pela pouca divulgação. História é coisa que deve ser contada, mostrada, preservada e divulgada, para que não caia no esquecimento dos que ficam!

No outro dia...

Foto de Bianca Zanella- ZH
Se na noite do dia 24, tudo me pareceu correr tranquilo e com um magnifico show colorido de fogos de artifícios brilhando no céu, não foi o que se seguiu no amanhecer do dia 25. 
Às 6:30 na Avenida Ipiranga, já havia vestígios de um grave acidente pelo numero de pessoas, curiosos, alem de algumas ambulâncias, viaturas da policia e da EPTC que se encontravam em volta do Arroio Diluvio, quando passei de carro para o trabalho.  
No bairro Lomba do Pinheiro também; dois jovens que sofreram um grave acidente de motocicleta, aguardavam o resgate de ambulância estirados em via publica.
Isto dá um sensação indescritível de insegurança e impotência, como se estivéssemos numa gerra que não sabemos a razão de sua existência.

domingo, 25 de dezembro de 2011

Presente de Natal

Entre alguns presentes de Natal como sorriso, alegria, abraços, declarações de afeto, mensagens no celular, ganhei um livro de Bernardo Carvalho chamado "O mundo fora dos eixos", que de tanta curiosidade comecei a ler hoje mesmo. O livro veio acompanhado de uma dedicatória e a poesia de Mario Quintana chamada "Chapéu Violeta" que parece ter sido escrita para as mulheres, mas que no frigir dos ovos não é direcionada a um único gênero. Transcrevo ela aqui:


Aos 3 anos:
Ela olha pra si mesma e vê uma rainha.
Aos 8 anos:
Ela olha para si e vê Cinderela.
Aos 15 anos:
Ela olha e vê uma freira horrorosa.
Aos 20 anos:
Ela olha e se vê muito gorda, muito magra, muito alta, muito baixa,
muito liso, muito encaracolado, decide sair mas, vai sofrendo.
Aos 30 anos:
Ela olha pra si mesma e vê muito gorda/ muito magra, muito alta/ muito
baixa, muito liso/ muito encaracolado, mas decide que agora não tem
tempo pra consertar então vai sair assim mesmo.
Aos 40 anos:
Ela se olha. vê muito gorda, muito magra, muito alta, muito baixa,
muito liso, muito encaracolado, mas diz: pelo menos eu sou uma boa
pessoa e sai mesmo assim.
Aos 50 anos:
Ela olha pra si mesma e se vê como é. Sai e vai pra onde ela bem entender.
Aos 60 anos:
Ela se olha e lembra de todas as pessoas que não podem mais se olhar no
espelho. Sai de casa e conquista o mundo.
Aos 70 anos:
Ela olha para si e vê sabedoria, risos, habilidades, sai para o mundo e
aproveita a vida.
Aos 80 anos:
Ela não se incomoda mais em se olhar.
Põe simplesmente um chapéu violeta e vai se divertir com o mundo.
Talvez devêssemos por aquele chapéu violeta mais cedo!

                                                                                           M. Quintana,

sábado, 24 de dezembro de 2011

UM FELIZ NATAL.

Hoje é Natal. Athos e eu decidimos mastigar as bolinhas do pinheiro e depois soprar pela janela do quarto andar, quando for meia noite. 
Queremos criar uma chuva de confetes dourados, prateados, amarelo, vermelho, azul, verde e assim desejar um feliz natal a todos com uma chuva colorida e luminosa a se espalhar pela cidade.
Ao contrario do que é pra muita gente, o Natal pra mim não é tristonho, mas nostálgico.


HOSPITAL PSIQUIÁTRICO SÃO PEDRO.



Uma das construções que eu muito aprecio sempre que passo em frente, é o prédio em estilo neoclássico do Hospital Psiquiátrico São Pedro, na Avenida Bento Gonçalves - (antiga estrada do Mato Grosso, no Arraial do Partenon, hoje um bairro localizado na zona leste da capital), onde eu moro. A área foi escolhida por ser considerada distante da região central da antiga província, cuja a inauguração foi em 1884, dia de São Pedro, padroeiro do RGS e recebeu vistas ilustres como a da Princesa Izabel. 




O hospital foi considerado um grande avanço para época, já que as pessoas com problemas mentais eram encarceradas em presídios em função de seus desvios sociais e morais. A chácara de 38,5 hectares que pertencia a senhora Clara Rabello, foi comprada pela província, por 25 contos de reis para construção do hospício, que chegou a abrigar 5000 doentes. O prédio atualmente está tombado pelos poderes públicos estadual e municipal, mesmo estando em visível estado de abandono.


O São Pedro, que já foi orgulho dos gaúchos, ainda trata seus doentes mentais com alguma deficiência por apresentar condições materiais precárias e recursos humanos insuficientes. O modelo de tratamento aplicado no país ainda permeia por caminhos nebulosos, mesmo com a aplicação da reforma psiquiátrica, que funciona no papel e na lei, mas que na pratica, deixa muito a desejar.

quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

ALGUÉM CONHECEU O NENÊ DA MOITA?

Semana passada meu colega de trabalho despertou em mim uma lembrança que parecia estar apagada, selada nos porões da minha memória, se não fosse por uma brincadeira: Ele apelidou um outro colega que passava por nós, vestido de maneira pouco combinativa e um chapéu de feltro preto enterrado na cabeça, de Nenê da moita.
Mesmo sendo uma brincadeira, capaz de abrir um sorriso de cumplicidade entre nós, ele colocou uma pulga atrás da minha orelha, que ficou coçando durante dias.
_Nenê da moita, de onde tu tirastes isto?- perguntei na hora.
_Acho que foi o personagem de uma novela, como o Sassá Mutema!.. _ me respondeu.
Embora eu parecesse convencido com a sua explicação, fiquei ainda com um pouco de duvidas, tentando remontar este personagem que parecia estar disfarçado sobre as nuvens emocionais da minha ordem cronológica no tempo.
Liguei para algumas pessoas e nada. Talvez minha mãe ou o senhor Google, tivessem algo para me dizer. Minha mãe não atendeu aos meus apelos no telefone, mas no site de busca, encontrei uma informação que me reposicionou diante do que eu considero ser a verdade que procurava. Na verdade encontrei a resposta numa pagina do Orkut, onde um antigo morador do bairro Partenon descreveu o seguinte:

"Morei muitos anos no bairro Partenon. Na verdade passei toda minha infância na rua Guilherme Alves. Estudei no Otávio Rocha, no final da rua, e, Lembro que neste época era comum o pessoal mais velho assustar as crianças com um personagem que andava semi-nu e com um saco pendurado por um pau que levava nas costas. Dizia-se que ele roubava crianças e fazia sabão com elas. Naquela época o Hospital São Pedro estava funcionando ainda e os "Loucos" andavam soltos pelo bairro do hospital até a altura da fabrica de fogões "Geral". Temos até lendas urbanas em nosso bairro. Alguém ai lembra disso????"
http://www.orkut.com/CommMsgs?cmm=70800&tid=5360859410218988575
Então foi isto, Nenê da moita, assim como João do poço, foi um personagem que me assombrou durante a infância. Talvez não passem disto, uma simples lenda urbana, desenterrada a o acaso!

terça-feira, 20 de dezembro de 2011

Voltando no tempo.

Dia desses procurando o endereço de um oftalmologista na Rua Vigário José Inácio, entrei num edifício que me parecia muito familiar. Depois prestando mais atenção no ambiente, percebi que era um lugar onde eu alguns anos já havia trabalhado como office boy. Acho que foi meu primeiro emprego, suplicado no RH, para não ter de trabalhar no obrão junto com meu pai.
A portaria continuava a mesma, com o mesmo balcão de madeira escuro onde um funcionário prestava informações e quase nada parecia ter mudado desde aqueles tempos em que trabalhei numa agencia de publicidade, que ficava alguns andares abaixo do antigo Clube do Xadrez. 
Isto faz mais de 30 anos e me causou a sensação de que tem coisas, como esta, que parecem eternas, não mudam e dá a impressão de que voltamos no tempo, com aquele cheirinho inconfundível de mofo. 

AS VACAS DA COWPARADE


Desde que chegaram estas vaquinha da "CowParade" aqui em Porto Alegre no ano passado, foi que eu percebi que eu não gostava delas e esta minha rejeição aumentava na medida em que percebia o interesse das pessoas em serem fotografadas ao lado delas, nas ruas, praças e shoppings. Me parecia um dessas febre virais, que não se sabe de onde veio, nem pra onde vai levar, mas num dia qualquer simplesmente desaparece, cai no esquecimento. Graças a Deus eu não sucumbi a este modismo e sobrevivi ileso. 
Semana passada caminhando pelo Mercado Publico com amigos, descobri uma perto da Banca 40, que parecia ter sobrevivido ao leilão, onde algumas foram compradas por preços exorbitantes, para serem colocadas em salas de estar como objeto de decoração. 
Teria o dono de alguma banca, comprado aquela para deixa-la exposta ali e assim atrair clientes? Até que esta, eu achei diferente e por que não dizer bonitinha. Mas com certeza eu não levaria uma delas para minha casa.


PASSEIO À PÉ PELO CENTRO HISTÓRICO DE POA COM AMIGOS


Foi neste Domingo à tarde, que me reuni com amigos para visitar à pé, alguns pontos do centro histórico de Porto Alegre. A intenção não era somente fazer turismo pela cidade, mas uma busca por recantos que nos servisse de inspiração, curiosidade e pano de fundo para sentarmos, trocarmos idéias, falarmos de sonhos, de viagens, beber um café e assistir outras pessoas que talvez faziam o mesmo em alguns bares e cafés, servidos de mesa e cadeiras na calçada ensolarada da antiga Rua da Praia.
O local de encontro foi no largo da Prefeitura Velha, às 14h 30 e participaram deste passeio, Leonardo, vindo de Belo Horizonte, Rosane, Rose Milene, Tom e eu. 
Como a maioria dos estabelecimentos comerciais estavam fechados por ocasião do Domingo, foi muito tranquilo e propicio para o que intencionávamos fazer: Relaxar, brincar, trocar informações.


Os lugares que visitamos, foram:
Mercado Publico, Chalé da Praça XV, Galeria Chaves, Viaduto Otávio Rocha, Praça da Fernando Machado entrada do antigo Beco do Cemitério, Curia Metropolitana, Escadaria da Rua João Manoel, Palácio Piratini, Catedral Metropolitana, Praça da Matriz, Teatro São Pedro e o Multi palco, Igreja N. Sra. das Dores e alguns prédios históricos, Praça da Alfandega e o Santander Cultural.
Para que a postagem não fique por demais extensa, separei alguns tópicos, que achamos os mais interessantes neste passeio.

Chalé da Praça XV:

Nossa primeira parada foi no Chalé da Praça XV, em frente ao Mercado Publico, recentemente reinaugurado com amplo salão envidraçado e um deque onde os clientes disputam mesas para um happy hour à sombra das arvores centenarias. 


O novo espaço que faz parte da ampliação do Chalé, possui uma fachada retangular e a lateral curva, além de apresentar um ambiente contemporâneo e ao mesmo tempo, que remete ao Chalé antigo por causa dos detalhes como o piso em cinza, preto e branco e alguns mobiliarias da época. 


A área interna possui uma capacidade para até 140 pessoas e a área externa, com mesas e lounges, com uma capacidade para 80 pessoas. Fomos recepcionados por um simpático garçom que nos falou sobre a história do Chalé e outros pontos da cidade como o Mercado Publico e a Galeria Chaves também recentemente remodelada.


O sistema de atendimento é à la carte com cardápio que oferece especialidades como carreteiro de charque, feijão mexido, além da salada italiana-(caprese). A carta de bebidas, fica por conta dos vinhos oriundos da Serra Gaúcha.


O horário de atendimento é diariamente das 11h às 0h, com capacidade de 400 lugares. Aceita reservas pessoais e para eventos em ambientes a o ar livre e fechado, como também todos os cartões de credito e cheques sob cadastro.


O Chalé da Praça XV, inicialmente foi construído todo em madeira em 1855, para abrigar uma sorveteria. Foi reformado varias vezes e novamente em 1971 depois de ter sido destruído por um incêndio. Foi tombado como patrimônio histórico da cidade, mantendo a função de restaurante.
Construído com elementos desmontáveis de aço, madeira e vidro, seu estilo é eclético e revela a preferência pelo pitoresco da época de sua construção. 


Encontram-se contudo elementos nitidamente Art Nouveau na decoração, principalmente no gradeamento metálico que cerca a área ao ar livre e no terraço, onde se tem uma visão panorâmica do Mercado Publico e parte do centro histórico da cidade.
Depois seguimos pela rua Jose Montaury, subimos a Avenida Borges de Medeiros, próximo da Esquina Democrática que também já foi no passado a Esquina do Zaire, até a Galeria Chaves totalmente reformada, na Rua dos Andrades.


Galeria Chaves:
A Galeria Chaves, datada de 1936 possui um espaço imponente, criada para a atividade comercial na cidade e segundo o senhor Google, seu estilo remete aos modelos dos palácios Renascentista, com três blocos principais, cinco pisos e um subsolo. Os corredores são compostos por balaustres, arcos e pequenas colunas jônicas, claraboias, pisos decorados e vitrais.


Seu projeto foi concebido pelo arquiteto e escultor Fernando Corona, que também foi mestre de uma geração de escultores gaúchos. Nesta Galeria também funcionou o Espaço N.O criado pela artista plastica Ana Torrano e Vera Chaves Barcellos, destinado à arte e a cultura contemporâneas, inspirado no Other Books and So, de Amsterdã,) e a Galeria Obra Aberta. 


O espaço hoje abriga uma de suas sedes a Fundação Vera Chaves Barcellos. A proposta do Espaço N.O foi a de discutir variados aspectos da produção contemporânea e abrir espaço para manifestações de vanguarda e experimentalismos em termos de pesquisa formal, meios e novas linguagens, através de cursos, palestras, concertos musicais, exposições, eventos multimídia, leituras dramáticas e performances. O Espaço N.O. patrocinou cerca de 90 eventos em sua trajetória, e marcou presença em mostras nacionais e internacionais.


O projeto e execução de revitalização da Galeria Chaves, custou cerca de 3 milhões aos cofres públicos, que inclui escadas rolantes, 15 lojas extras, 2 restaurantes e 1 elevador panorâmico. 
Os lugares que eu mais frequentava nesta galeria, nos meus anos dourados de 70 à 80, eram a King's Discos especializada em discos raros e o Café Chaves, dono de um dos cafés mais gostosos e cheirosos da cidade.


Viaduto Otávio Rocha:
Saindo da galeria Chaves, seguimos até o Viaduto Otavio Rocha, (Viaduto da Borges como é conhecido pelos porto alegrenses), na Avenida Borges de Medeiros, cuja a obra monumental datada de 1914, tinha como objetivo ligar as zonas Sul, Leste e Central da cidade, até então isoladas pelo chamado morrinho que impedia o livre acesso para estas regiões.






O viaduto é uma imponente estrutura de concreto armado, com três vãos. No centro, ao nível da avenida, existem dois pórticos transversais com dois grandes nichos. Em ambos os lados da avenida Borges foram levantadas amplas escadarias de acesso até o nível do viaduto, na Avenida Duque de Caxias, sustentadas por grandes arcadas debaixo das quais existe uma série de pequenos estabelecimentos comerciais e instalações sanitárias.


Os passeios são revestidos de mosaicos de cimento, e este revestimento foi feito de reboco de pó de granito, imitando pedra aparelhada. Desde sua construção o Viaduto Otávio Rocha é um importante ponto de referência de Porto Alegre, por isto, tombado em 31 de outubro de 1988. Cada lance da escadaria tem o nome referente as 4 estações do ano: (Outono, inverno, Primavera, Verão).


Praça na entrada da Rua São Sebastião:
Nossa quarta parada foi na pequena praça na Rua Fernando Machado que dá fundos para a Catedral Metropolitana e o Palácio Piratini, onde no passado foi a Rua São Sebastião, também conhecida pelos antigos moradores da cidade, de Beco do Cemitério, cuja a historia eu postei AQUI no Diario de Bordo.


As arvores foram plantadas enfileiradas lado à lado e diante do muro, formando uma espécie de barreira ao acesso do patio da Catedral. Mesmo assim provoca em quem passa, um surpreendente e bonito visual, além de uma sombra magnifica para descanso. 


Do outro lado da rua, mais outra surpresa, construções tão antigas, que chamam a atenção por seus traços arquitetônicos e bucólicos. São construções que ainda resistem corajosamente ao tempo. São casas muito antigas e algumas até abandonadas, cujo o cheiro deste abandono impressionantemente chega até a rua.


Escadaria da Rua João Manoel:

Seguindo ainda pela Rua Fernando Machado, antiga Rua do Arvoredo, subimos a escadaria da Rua João Manoel que também encanta pelo seu desenho arquitetônico, despontando entre pequenas construções antigas e algumas arvoredos. Uma Porto Alegre que parece ter estacionado no tempo e que poucas pessoas de fato conhecem.


Poucas pessoas sabem desta mudança, mas no dia 22 de Janeiro de 2008, o bairro Centro de Porto Alegre mudou de nome, passando a se chamar Centro Histórico, através da LEI Nº 10.364 sancionada pelo prefeito na data acima.


O objetivo é resgatar os traços deixados pelo passado, ainda vivos em prédios, ruas, praças, becos, lugares que construíram a identidade politica, social e cultural da cidade, já quase esquecida.


A Prefeitura, junto com outros órgãos governamentais e grupos colaboradores estão trabalhando na criação de dispositivos que despertem o interesse da população e segmentos do comercio e industria, criando também algumas medidas para que se estabeleça um olhar diferenciado para o que será um novo futuro através da mudança de conceitos. O que na minha opinião, já era em tempo de tomar estas medidas.

UM CAFÉ DENTRO DE UM COFRE.




O mundo é cheio de "segredinhos" espalhados pelos cantos da cidade que a gente desconhece por falta de oportunidade ou desatenção e então ficamos boquiaberto quando nos é apresentado um convite para conhecermos algo, que nem fazíamos ideia de sua existência, mas que esteve sempre ali, diante do nosso nariz, imperceptível. 
Foi o que aconteceu neste final de semana (no domingo), quando passeava com amigos no centro histórico da cidade e o Ton nos convidou para tomar um café no "Café do Cofre"- no Santander Cultural, localizado na conhecidíssima Praça da Alfandega. Claro que eu já conhecia o antigo prédio que o hoje abriga o Santander, mas...
_Café do Cofre, que negócio é este?..
_Sim, o Café é dentro de um cofre. Tu nunca fostes lá?.. _me perguntou surpreso.


Bom eu não preciso nem falar que o prédio em si é de um luxo só, concebido em 1931, em estilo neoclássico, com escadas magnificas de mármore rosa e capiteis estilosos para abrigar o Banco do Comércio. 
Em seu interior existe um grande salão central iluminado por uma claraboia, com magníficos vitrais de origem francesa, assim como os imponentes portões de ferro e bronze, vidros e cristais importados da Bélgica cercado por imponentes colunas e belos balaustres, além de outros elementos decorativos de chamar a atenção dos visitantes e elogiadíssimo por frequentadores e conhecedores de espaços como este. Arrisco a dizer que o Santander é uma dos locais culturais mais chiques de Porto Alegre.


O prédio é constituído de 3 pavimentos. No Subsolo, abriga cinema, café e restaurante. Térreo, mostra de artes visuais. Galeria Superior, exposição de artes visuais, atividades diversas, Átrio (saguão).
O Café do Cofre, que era pra mim o "segredinho" do qual me referia, fica no subsolo do prédio, que já abrigou o cofre de uma antiga agência bancária (O Banco Nacional do Comércio). Ali, turmas de amigos e também frequentadores do centro cultural, costumam apreciar um delicioso café expresso ou um lanche rápido. 


A carta de cafés oferece também combinações mais elaboradas, como do irish coffee, com uma dose da bebida mais uísque, chantili, raspas de chocolate e canela; A mistura de café com vinho do Porto, é a sugestão oferecida para os dias mais frios aqui em Porto Alegre.Mas a surpresa maior de tudo isto foi realmente me deparar com a ideia criativa de construir um Café dentro de um cofre, não é mesmo?

domingo, 18 de dezembro de 2011

A rua mais bonita do mundo.


Foi neste domingo de manhã ensolarada, que decidi caminhar pela rua Gonçalo de Carvalho, que ganhou fama de ser a rua mais bonita do mundo, depois que suas imagens correram o mundo pela internet junto com manifestos de insatisfação dos moradores e grupos ambientalistas que perceberam sua possível descaracterização com a construção de um Shopping Center em 2005, se nada fosse feito.
A mobilização que rodou  mundo a fora- através da divulgação de suas imagens, chegou em 2008 a o conhecimento de um biólogo português, que viu as fotos e escreveu em seu blog que se tratava da rua mais bonita do mundo. O apelido, (que não se trata de um título pois não passou por qualquer concursos com outras ruas), pegou fama fazendo com que a rua recebesse o título de patrimônio ambiental pela prefeitura de Porto Alegre e incluída na roteiro turístico da cidade.
São mais de cem arvores da especie tipuana plantadas nos quase 500 metros de calçada, formando um enorme túnel, ou tapete verde, se visto do alto de alguns edifícios.
As arvores foram plantadas na década de 1930 por funcionários de origem alemã, que trabalhavam em uma cervejaria no bairro e hoje é motivo de orgulho dos porto alegrenses.

Graças a toda empenho e divulgação que foi dada, o calçamento de paralelepípedos foi mantido, evitando a impermeabilização do solo e preservando as tipuanas, da qual nenhuma  foi derrubada.

sábado, 17 de dezembro de 2011

Sodade, sodade, sodade...

Conhecida como "a diva dos pés descalços", a cantora cabo-verdiana Cesaria Évora morreu neste Sabado num hospital em sua cidade natal. Aos 70 anos, abandonou definitivamente os palcos há três meses por problemas de saúde. 
A cantora sofria há vários anos de diversos problemas e chegou a ser submetida a sérias operações, incluindo uma cirurgia cardíaca em maio de 2010.  
Évora, que cantava em bares noturnos na ilha de San Vicente, tornou-se subitamente uma celebridade mundial em 1992 com seu terceiro disco, Miss Perfumado, e pouco depois realizou dois shows triunfais em Paris. Posto aqui no blog uma das performances que mais gosto, em sua homenagem.

O dia em que um sorriso parou São Paulo.

Será que atitudes como esta é que está faltando para um mundo melhor? A campanha da Brastemp fez uma ação interativa motivando o sorriso no transito de São Paulo, usando como veiculo o radio. A  DM9DDB (agencia de publicidade brasileira mais premiada internacionalmente), quem criou a campanha e a Jovem Pan quem vinculou a ação. Assista a o vídeo!


sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

Levantou poeira, poeira...

Estou começando a pensar na retrospectiva deste ano aqui no blog e fiquei pensando no quanto as coisas mudam. Umas mudam para melhor, outras para pior e algumas nem mudam, ficam estáticas, por que talvez não seja do interesse muda-las. 
Mas eu não quero neste momento entrar na cansativa tarefa de avaliações que por vezes podem se tornarem mui desagradáveis, nem mesmo pensar nelas, dá muito pano pra manga e acho muito chato. Prefiro falar de hoje, do meu chimarrão na praça, do calorão infernal que foi o dia e que depois o tempo mudou, levantando poeira e desabando uma deliciosa e refrescante chuva de verão. Tão refrescante que eu decidi tomar um banho  na cobertura do prédio. De vez enquanto faço isto e me sinto relaxado, reanimado, sem precisar de sal grosso ou varadas de marmelo no lombo.

segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

ZÉ DA FOLHA.


José Costa ou Zé da Folha é um conhecido artista de rua de Porto Alegre que usava como instrumentos musicais um violão, um pandeiro que tocava com o pé e uma folha de João Bolão que soprava afinado entre os lábios em suas apresentações modestas, por onde circulavam as pessoas no centro da capital, em particular a Rua da Praia e o Bric da Redenção aos Domingos. 
Zé da Folha se tornou tão conhecido dos porto alegrenses que foi convidado a participar do programa MTV e de algumas aberturas do Show Tangos e Tragédias no teatro São Pedro.
Muito simpático, atencioso e de poucas palavras, disse certa vez que já trabalhou de ajudante de pedreiro, engraxate e vendedor de jornais, mas que o seu destino era mesmo o de tocar violão e folha que aprendeu sozinho desde os 10 anos de idade quando saiu de São Valentim no Alto Uruguai para vir a Porto Alegre ganhar a vida. Parece que Zé da Folha, nunca casou ou teve filhos, vivia sozinho  dedicando-se integramente a musica, que escutava num radio de pilhas e depois reproduzia em seus instrumentos.
Faz muito tempo que não vejo Zé da Folha pelas ruas da cidade. Será que ele deixou de circular tocando suas musicas, ou fui eu que deixei de ir para aquelas bandas de lá?

O BATACLÃ DE PORTO ALEGRE.


Algumas incursões por Porto Alegre, me fez lembrar de Bataclã. Alguém se lembra da figura?.. Bataclã no dicionario da língua portuguesa significa: Estabelecimento de diversão noturna ou aguardente de cana, cachaça; mas também não é disto que pretendo falar, mas sim de um outro Bataclã, o Bataclã de Porto Alegre.
Este era um negro atlético e ganhava a vida fazendo propagandas de rua, sempre com muita simpatia e um largo sorriso aberto nos lábios. Vestia-se com um elegante terno branco e um cravo vermelho na lapela do paletó de aspecto impecável.
Quando não estava trabalhando, era visto pelas ruas e praças da cidade em extensas corridas e exercícios físicos para manter a forma numa época em que este tipo de atividade era pouco difundido.
Bataclã que dizia ser catarinense, era vegetariano e adotou Porto Alegre como cidade para viver e morrer em 1990 de derrame num hospital, sem que se soubesse sua exata idade.
Bataclã foi um das personalidades populares, que hoje faz parte da historia da cidade.

sábado, 10 de dezembro de 2011

OS ANTIGOS BONDES DA PRAÇA XV, EM PORTO ALEGRE.



Na Quinta-feira 08/12, em visita com amigos pelo Centro Histórico de Porto Alegre, não deixei de dar uma passada no antigo "Abrigo dos Bondes", na Rua José Montaury, nas proximidades do Chalé da Praça XV, onde a rua estreitava fazendo uma curva em direção ao Mercado Publico. A rua não existe mais, foi transformada num calçadão para trafego somente de pessoas. Era ali um dos lugares por onde chegavam e saiam os bondes em direção à Borges de Medeiros, se não falha a memória... 
Neste abrigo que ainda existe, porém todo remodelado, que acompanhava a sinuosidade da rua com calçamentos de pedras, haviam lanchonetes muito feias que vendiam sucos, caldos de cana, cachorro quente prensado e ouros lanches rápidos, considerados os mais perigosos da cidade pela falta de condições de higiene do lugar, porém sem sombra de dúvidas, os mais gostosos da cidade. Claro que eu peguei o finalzinho de vida, das linhas de bondes existentes em Porto Alegre, que deixaram de circular em 1970, quando eu tinha apenas 12 anos de idade, mas que ainda mantenho vivo na memória aquela sua cor amarelo forte, o ruido das rodas sobre os trilhos de aço ao pararem nas estações e depois voltarem a andar num movimento que fazia os passageiros sacudirem seus corpos de um lado para o outro, sobre os bancos de madeira perfeitamente pintados de verniz marítimo, fazendo os passageiros se segurarem para não resvalar e cair.



Há semanas atrás, eu ainda perguntei numa reunião informal entre amigos, se existia alguma razão para a Prefeitura não colocar alguns desses bondes em circulação, como linhas de turismo e alguém me respondeu que eles haviam sido destruídos depois de virarem sucatas e sobrado apenas três, (de modelo americano), espalhados em alguns museus da cidade e que também era um projeto inviável economicamente. 
Foi com grande surpresa e esperança que hoje ao abrir o site da Prefeitura de PoA, me deparei com um projeto de criação do "Bonde Histórico" cujo o itinerário, ainda em projeto, iniciaria no Largo Glênio Peres, seguindo pela rua Sete de Setembro, rua General Portinho, Andradas e Salustiano até o terminal junto à Praça Júlio Mesquita, próximo ao Gasômetro. O itinerário terá retorno pela rua Salustiano até a rua dos Andradas, passando pela Vigário José Inácio, Otávio Rocha e ingressando na Praça XV, junto ao antigo abrigo dos bondes. 



O trajeto do Bonde Histórico, passará pelo chamado “Corredor Cultural” de Porto Alegre, incluindo eixos das ruas dos Andradas e Sete de Setembro e adjacências, onde estão localizados vários prédios e monumentos de grande valor cultural e turístico como: Mercado Público, Chalé da Praça XV, Paço Municipal, Fonte Talavera - o marco Zero da cidade), Santander Cultural, Praça da Alfândega, Igreja Episcopal do Brasil, Memorial do Rio Grande do Sul, Museu de Arte do Rio Grande do Sul, Casa de Cultura Mário Quintana, Museu Militar, Museu da Brigada, Museu da Marinha, Cine Imperial, Igreja Nossa Senhora Das dores, Usina do Gasômetro, Museu da Eletricidade, Museu da Com. Social J.H. da Costa, Galeria Chaves, Clube do Comércio. 
Envolvidos neste trabalho estão varias secretarias que aguardam verbas do Ministério de Turismo, para darem prosseguimento ao projeto estimado em mais ou menos R$ 17.600.000,00.
Fiquei também muito feliz, pela possibilidade de um sonho, (ver os antigos bondes circularem pela cidade), se tornar enfim uma realidade.

Você também pode gostar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...