quarta-feira, 31 de outubro de 2012

Auto exames necessários.

Alguns dias de caminhada e meu corpo doe demais na região lombar, o que era de se esperar, mas doe também os dedos do pé direito, que percebi apresentarem uma alteração que não tinha antes. Inacreditavelmente, três unhas ficaram concavas e deram para crescerem em direção vertical a linha anatômica dos dedos. Olhando-as de lado, parecem empinadas como a proa de um navio. Impossível não sentir dor ao caminhar mesmo de calçados macios. Estaria eu cortando as unhas de modo errado?Algumas coisas negligenciamos demais e então só percebemos quando sentimos dor e isto também em outros campos. Eu lembro de uma vizinha examinar seus filhos da raiz dos cabelos à ponta dos pés, dizia que isto era uma obrigação de mãe, fazer esta investigação, já que crianças depois de uma certa idade não tem por habito se auto examinarem, até se tornarem adultas e então dar de cara com as surpresas que o corpo apresenta. Ela estava certa!

terça-feira, 30 de outubro de 2012

Incursões num Sábado a noite.

Neste Sábado, fiz uma incursão por alguns bares de Porto Alegre, como a muito tempo não fazia, e falo é de incursão mesmo, de entrar num, não se agradar e ir até outro e outro, até encontrar o que enfim te agrada.
Eu estava acompanhado de três pessoas e o primeiro bar que entramos foi o Parangolé, onde bebemos umas quatro cervejas, acompanhadas de um prato de batatas fritas e outro de picles, tipo: Pepino, queijo provolone, ovos de codorna, salame italiano fatiado e pimenta de bico. Faltou as azeitonas!..
Tinha um cara cantando MPB, mas o repertório era tão sem graça e a voz tão baixinha que nós que estávamos do lado de fora do bar, por vezes não entendíamos o que ele estava cantando. Tem algum dia da semana que o bar apresenta um Chorinho de primeira. Outra coisa que me incomoda nesses bares com mesas na rua e que somos assediados a tempo todo por vendedores de poesias, de CDs autorais piratas. Pedi pro garçom  de saideira, aquela conhecida dose de cachaça licorada de maçã com canela e saímos a esmo...
Ah, uma coisa que reparei, não tem como não reparar, foi a nova iluminação com postes estilizados na rua Republica, ficou bárbaro!
Fomos até o novo Bar do Marinho, na Sarmento Leite, onde o cantor que se apresentava, tocava e cantava algumas baladas de Zé Ramalho e que pra nosso azar, em seguida se despediu e logo veio a musica eletrônica com som mais baixo, que eu acredito ser por causa do horário em que o resto da cidade dorme. Devo ter tomado uma cerveja e logo fomos embora. 
Lembrei de um boteco  na João Alfredo e que frequentei no passado, onde serviam na madrugada um prato de canja ou arroz com linguiça, dependendo da noite era um ou o outro. Tempo bom!..
Já na esquina da Jose do Patrocínio com a Joaquim Nabuco, decidimos ir ao Venezianos, que estava bombando. Eu acho que era isto que estávamos  procurando, agitação, alegria, um ambiente para suar a camiseta. Acho que menos um dos integrantes concordou com a ideia.

Eu preciso acordar!..

Esta noite eu estava preso num sonho, donde não conseguia sair, nem com os truques que aprendi para me acordar quando tudo parece muito forte e real e vou perdendo o domínio de tudo. Enfim, sonhei a noite toda, me sentindo prisioneiro no próprio sonho. Agora já acordado e lembrando do ocorrido, tenho a sensação de estar noutra prisão que sei da impossibilidade de escapar. Esta eu conheço, tô acostumado e sei que não dá para acordar!

domingo, 28 de outubro de 2012

ONDE O RIO DE JANEIRO COMEÇOU.

Das praias que banham a capital carioca, a Urca foi a que elegi na semana passada, quando estive no Rio, o melhor balneário para se passar um tranquilo e agradável final de semana. Não sei se o mesmo panorama se repete em outros períodos do ano como férias, mas encontrei um ambiente tranquilo, com ruas muito arborizadas e sombreadas, pouca circulação de veículos e de casas de comercio comparado ao numero de residencias, a tranquilidade de um bairro residencial, sem a muvuca de Copacabana, Ipanema ou Leblon.

A Urca, paradoxalmente um bairro novo do Rio, construído em grande parte sobre aterros, na primeira metade do século 20. Entretanto foi neste lugar que Estácio de Sá fundou a Cidade do Rio de Janeiro, anteriormente chamada de São Sebastião do Rio de Janeiro, entre o Morro Cara de Cão e o Pão de Açúcar, posteriormente deixando marcas históricas em construções na costa marítima, como o forte São João que defendia a entrada da baia dos franceses invasores. O Forte está localizado dentro de instalações do Exército e sua visitação acontece nos fins de semana mediante agendamento prévio, o que infelizmente não foi possível visitar.



Ainda na mesma visita é possível conhecer o Forte São José localizado ao longo da costa recortada pelo mar numa protuberância do Morro Cara de Cão.
Outra opção de entretenimento muito apreciado pelos turistas é o passeio de bondinho sobre o morro da Urca e o Pão de Açúcar que arrisquei fazer, mesmo não gostando de alturas. A viagem completa fica em 53 reais para adultos e 26 para crianças de 6 a 12 anos. Menores de 6 anos não pagam.


A vista lá de cima é deslumbrante, (vale os R$ 53,00) e o fluxo de pessoas impressionante, já que cada bondinho tem a capacidade de transportar até 70 pessoas, num viagem de 3 minutos por estagio entre um morro e o outro.

O Pão de Açúcar localizado no bairro da Urca, mais precisamente na Praia Vermelha. Alguns ônibus levam até lá, o 107 (central-urca) e 511/512 (Urca-Leblon/ circular). Mais recentemente o Metrô criou uma integração que leva os passageiros da estação Botafogo, até a Urca por R$ 3,00 (metrô incluso).

Outra atividade prazerosa de fazer é uma caminhada pela Pista Claudio Coutinho. Situado também nas proximidades da Praia Vermelha, na Urca, o caminho, é um local dentro de uma reserva natural e ecológica. Um longo caminho pavimentado que contorna o Morro da Urca e o Pão de Açúcar com belas vistas das montanhas, do mar e da enseada da Praia Vermelha.


Bye bye, so long, far well.

Esta semana, fiquei com uma musica do Guilherme Arantes tocando na minha cabeça logo que voltei do Rio e isto me fez lembrar também de uma amiga que já partiu e a cantarolava, fazendo não só eu, mas alguns amigos em comum, criar um elo de referencia com a musica e a pessoa dela que foi muita querida e sempre que é lembrada hoje, deixa muitas saudades. 
A musica é "Pedacinhos"- de 1983, quando Guilherme Arantes ainda era jovem e dono de uma longa cabeleira que provocava frenesi entre suas fãs, no auge de seus 30 anos de idade. Isto me causou um saudosismo imenso e me provou o quanto algumas coisas na vida, e neste momento me refiro a mensagem da letra da musica, podem ser atemporais no que se refere aos sentimentos humanos tão complexos e cheios de surpresas. Portanto posto este vídeo, em celebração a esta amiga que quando lembro sinto saudades e a reflexão desses sentimentos que por vezes parecem menores mas nos faz grande, na medida que são  percebidos, assumidos e digeridos com a maturidade necessária, de cada dia.


sábado, 27 de outubro de 2012

DESCOBRINDO SANTA TERESA NO RIO DE JANEIRO.


Santa Tereza, fica do lado da Lapa, no centro do Rio, dando a impressão de que são um só. Andar por suas ruas, é como estar numa cidade do interior e fora do nosso tempo, num passeio da época de glória do Rio de Janeiro antigo. São palacetes,  casarios  e pequenos castelos em estilo europeu encrustados no morro de rica vegetação nativa.
Eu fico imaginando se ainda tivesse o bonde circulando por suas ruas estreitas e sinuosas... Alias, a volta do bonde é uma reivindicação permanente dos moradores, que reclamam a sua volta, percebido quando se anda pelas ruas e observa-se cartazes em lojas, outdoors, pinturas em muros,  panfletos com poemas em postes e até no meio das ruas entre trilhos o pedido de seu retorno, que parece ser alma de Santa Teresa e seus moradores.


O bairro surgiu à partir do convento de mesmo nome, no século passado e foi inicialmente habitado pela classe alta da época, numa das primeiras expansões da cidade para fora do núcleo inicial de povoamento, no Centro da cidade.

Por volta de 1850, a região foi intensivamente ocupada pela população que fugia da epidemia de febre amarela na cidade, pelo fato de estar localizado numa região mais elevada, desta forma menos atingida pela epidemia do que os bairros que o circundavam.
Atualmente o bairro vem se transformando num novo polo cultural e gastronômico, principalmente nas imediações do Largo do Guimarães, onde se encontram restaurantes, atelies e botecos da moda.


O boteco do Mineiro, na Rua Paschoal Carlos Magno- 99, é o mais conhecido, por sua informalidade, ambiente festivo e um cardápio de variedades que vai do feijão tropeiro, carne seca com abóbora, tutu à mineira, vaca atolada e outros petiscos. Para se conseguir uma mesa, é um trabalho de paciência, já que se forma na calçada, uma fila de espera interminável.


Seguindo os trilhos do bonde, morro acima, na direção do bairro Cosme Velho, a mata nativa invade cada vez mais as ruas sinuosas, transformando-se numa bela paisagem bucólica. É a floresta da Tijuca onde encontrei varias pessoas fazendo caminhadas. Em alguns espaços abertos na mata, é possível ver o cristo Redentor de braços abertos sobre a baia da Guanabara e algumas favelas sobre morros vizinhos.


Entre tantas visitas que fiz nestes cinco dias hospedados em Santa Teresa, o que mais me chamou a atenção, foi o Parque das Ruínas na Rua Murtinho Nobre 169. Trata-se de um centro cultural criado em 1997 pela Prefeitura do Rio, numa programação variada de eventos culturais.


O Centro Cultural Parque das Ruínas, foi a casa da grande mecenas da Bela Época carioca, Laurinda Santos Lobo, que sediava grandes saraus em seu palacete, atraindo os mais importantes artistas do país como Villa Lobos e personalidades internacionais como Isadora Duncan que dançou em sua casa.



Conhecida como a “marechala da elegância”, Laurinda reunia intelectuais e artistas nas magníficas dependências do palacete, que apos sua morte foi invadido, depredado, saqueado até transformar-se em ruínas e hoje é um dos mais belos projetos premiados do arquiteto Ernani Freire, que manteve a estrutura das ruínas agregando contemporaneidade sem apagar a memória histórica e do período de abandono.

Nas áreas internas foram instalados estruturas de vidro e ferro que cruzam os três andares do antigo palacete em ruínas dando maior espaço e transparência a estrutura. Do alto da construção, através de uma cobertura envidraçada, se tem uma magnifica vista do Rio de Janeiro e da Baia de Guanabara, outro espetáculo disponível à parte.


Outro lugar imperdível para quem gosta de passeios culturais é o Museu Chácara do Céu, ao lado do Parque das Ruínas. Com um acervo cheio de obras importantes de arte moderna, (com artistas nacionais e internacionais). Nomes como Di Cavalcanti, Matisse, Degas, Joan Miró, Modigliani e Portinari estão presentes na casa conhecida desde 1876 como Chácara do Céu. Na casa, uma parte integrada aos jardins, também dá uma bela visão para a baía de Guanabara.

quinta-feira, 25 de outubro de 2012

OS BOTECOS DA LAPA E A ESCADARIA SELERON


Foram cinco dias e quatro noites, nos dois bairros mais emblemáticos do Rio de Janeiro: Lapa e Santa Tereza, que são vizinhos, localizados na região central da cidade, conhecidos como berços da boemia carioca e também por suas edificações de inestimável valor histórico e cultural.


LAPA - AQUEDUTO DA CARIOCA:
É na Lapa que se encontra o enorme Aqueduto da Carioca, construído no período colonial, para distribuição de água para a cidade e posteriormente serviu como via para o bonde que ligava o Centro do Rio ao Morro de Santa Teresa.  O bonde hoje, está fora de circulação depois do acidente ocorrido em 27 de Agosto do ano passado, vitimando fatalmente algumas pessoas.


Ao contrario de Santa Tereza, que durante a semana lembra uma cidadezinha do interior, parada no tempo e com fluxo de turistas visitantes e frequentadores de seus bares noturnos nas sextas, sábados e domingos, a Lapa não para nunca, mantendo a efervescência de seus bares e botecos de segunda a segunda, sempre com numerosa circulação de pessoas de diversas tribos que se reúnem para apreciar a boa musica e entrarem no clima da boemia. Visitamos o Boteco do Gomes, na esquina da Rua do Riachuelo com a Gomes Freire, o bar Mofo que usa sua decoração, ambientação e trilha sonora para prestar uma homenagem ao Rio da década de 50, nas paredes, fotos expostas em um painel, na trilha sonora sambas e choros de artistas como Noel Rosa e Cartola. A choperia Brazooca, considerada uma das maiores choperias da Lapa, a casa possui quatro andares em forma de mezaninos, a programação musical é composta por samba.


Muitos desses bares restaurados, mantem suas características dos velhos tempos, através do mobiliário antigo, louças, lustres e fotografias de autoridades do samba, que são ostentados nas paredes como verdadeiras relíquias documentais.


A maioria desses botecos e restaurantes apresentam uma variada carta gastronômica como feijoada, rabada, frango à passarinho, provolone à milanesa, pratos a base de frutos de mar, massas, carne-seca com aipim e outros petiscos de botequim, cujos os preços salgados são dirigidos a o publico turístico que não se importa em estar pagando ou não um preço justo pelo que consome. Para se ter uma ideia, numa mesma quadra, podemos encontrar bares vendendo a mesma marca de cerveja, por preços que variam de R$ 4,50 à R$ 9,00-dependendo do tipo de estabelecimento.


ESCADARIA SELARÓN:
Ainda nas proximidades dos Arcos da Lapa, nome também dado a o Aqueduto da Carioca, na rua Manoel Carneiro, podemos visitar a escadaria do convento de Santa Tereza, toda revestida de azulejos coloridos, pelo artista e ceramista chinelo Jorge Selarón, que depois de viajar por diversos países escolheu o Rio de Janeiro para fazer sua morada permanente.


São 215 degraus, decorados com mais de 2 000 azulejos diferentes, provenientes de diversos países e que são enviados ao artista por apreciadores de sua obra. O mais interessante é que os azulejos são frequentemente trocados, fazendo da obra a originalidade de estar sempre se modificando. 


A escadaria foi inicialmente revestida por Selarón em 1994, por ocasião da copa do mundo de futebol e em 2005, foi tombada pela prefeitura da cidade, onde Selarón recebeu o título de cidadão honorário do Rio de Janeiro. Nesta tarde conversamos sobre o que ele mais gosta de falar: Futebol.

sábado, 13 de outubro de 2012

Aniversario do Diário de Bordo.

Hoje dia 13 de Outubro, meu blog está completando cinco anos de existência. Eu dei uma olhada nas postagens que fiz a cinco anos atras e foram duas. Uma homenagem a Porto Alegre, com uma foto do Cais do Porto e a letra da musica do J. Fogaça, "Porto Alegre é demais" e um outro texto chamado "O Fantasma da Rua Liberdade", que eu conto sobre o primeiro contato que tive com um fantasma, quando eu era um adolescente e morava com meus avós. Bom, muitas coisas mudaram nestes cinco anos de blog, inclusive eu que envelheci. Eu pretendia fazer uma festa para comemorar (conforme prometi) junto com meus seguidores, estes cinco anos de literatura barata e cheia de erros de português, mas me perdi entre datas e compromissos assumidos. De qualquer forma terei que adiar, sabendo que sou devedor deste compromisso.

sexta-feira, 12 de outubro de 2012

MARATÁ, POR ONDE O TREM PASSAVA.


Neste Sábado fui conhecer com colegas de viagem e alguns amigos, a cidade de Maratá, localizada a 90 quilômetros de Porto Alegre, nas proximidades de Montenegro e Brochier, cidades vizinhas.
Maratá é um termo indígena que significa lugar onde os elementos água e solo, entram em choque, num combate eterno em homenagem à natureza e não é a toa, visto a sua exuberante região de mata nativa preservada, morros e cascatas que se despejam de altos paredões de pedra.


Sua colonização iniciou-se em 1856, quando imigrantes alemães, desembarcados em São Leopoldo, se instalam nas margens do Arroio Maratá, motivados pela beleza do lugar e a possibilidade de terra fértil para implementação agrícola.  Posteriormente em 1909 foi inaugurado um terminal de estação de trem em Maratá, que circulava de Porto Alegre, Montenegro, para Caxias do Sul, desativada no final de 1970. 
A vila de Maratá, depois emancipada de Montenegro em 1992, desenvolveu-se com a construção da linha férrea, que transportava produtos e passageiros de toda a região até  Estrela, no vale do Taquari. Pegar o trem na estação do Maratá, era uma opção para as pessoas de Estrela ou Teutônia, que queriam ir até Porto Alegre, por isso; entre 1950 e 1977, havia uma linha de ônibus ligando estas cidades à estação de Maratá, mais tarde com o fechamento da linha férrea, a cidade voltou a cair no anonimato.


Atualmente o município apresenta características comuns a tipica cultura alemã, do qual foi colonizada, ruas e praças muito limpas, arquitetura em estilo enxaimel e algumas poucas construções antigas ainda preservadas, já que a maioria sofreu reformas em função dos tempos modernos.


Maratá faz parte da Rota Microrregional "Caminhos das Velhas Colônias", projeto implantado pelos municípios de Brochier, Salvador do Sul, Barão e São Pedro da Serra, estimulando o turista a conhecer os atrativos de cada cidade através de roteiros culturais, históricos e gastronômicos. 
Ente os principais pontos atrativos da cidade estão:

Parque da Cachoeira Maratá:
Localizado a poucos quilômetros da sede, com acesso pela Rua Erno Pletsch, o Parque possui uma cachoeira com 15 metros de altura, com amplo espaço para Camping com churrasqueiras, banheiros, chuveiros, lancheria e uma gruta em homenagem á Nossa Senhora de Lurdes. Possui trilhas no interior da mata, onde pode-se chegar ao topo da cachoeira ou encontrar uma pequena cascata, escondida ao pé do morro.




Parque Municipal da Cascata Vitória:
Também localizada a poucos quilômetros do centro da cidade com acesso pela Rua Miguel Schneider. A queda d'água tem 30 metros de altura. No local, já funcionou uma usina hidrelétrica, mantida pelos moradores de Maratá entre 1928 e 1938.


O local conta com infraestrutura completa para os turistas com restaurante, churrasqueiras espalhadas pelo Parque, Feira de Produtos Coloniais, ponte pênsil sobre o Arroio Brochier, área de Camping, iluminação, banheiros com chuveiros quentes e trilhas até o topo da cascata.


Ainda passeando por suas ruas, é possível apreciar algumas construções antigas e charmosas, em estilo europeu, do tempo em que o trem por ali passava.

Até a próxima viagem!..

Desencontros.

As veze estamos sozinhos, precisando de uma companhia para dividirmos as angustias ou compartilharmos do silencio e é  ai nestes momentos, que todos parecem estarem ocupados. Telefones não são atendidos, mensagens não retornam, nos condenando a dor e ao isolamento. Que leis são essas que nos amargam desencontros, que nos transformam em bichos acuados? Mas daí que no outro dia, tudo se inverte, o que fazer senão descartar a amargura?..

segunda-feira, 8 de outubro de 2012

Sinais proféticos de verdade

É oito horas, eu chego na janela do apartamento à procura de sinais e onde estão os sinais?... Olho pra baixo e vejo o instrutor arrumando as balizas para iniciar sua aula pratica de direção, do outro lado da rua. Olho para a direita e percebo a mesma tranqueira no trafego da avenida Ipiranga, o sol se incidindo na mesma direção sobre a minha janela. Sabe de uma coisa, eu acho que nada vai mudar, se fosse mudar, alguma coisa desta rotina habitual estaria diferente, haveria um sinal mais perceptível. A avenida Ipiranga estaria vazia, ou os carros estariam andando no sentido contrario, o instrutor estaria fazendo peripécias de circo e eu talvez nem estivesse acordado tão cedo como sempre faço. Isto tudo me parece um sinal obvio, de que nada mudou, nem vai mudar tão cedo, haveria de ter um sinal pelo menos surpreendente que me fizesse acreditar em alguma mudança verdadeira.

domingo, 7 de outubro de 2012

Um preságio, um mal sinal.

Não, hoje eu não quero escrever mais nada neste blog, alem disto que sai agora como um desabafo, um suspiro de cansaço, por que me sinto esvaziado. Eu comecei a ter esta sensação logo que acordei, mas se evidenciou à tarde, quando minhas vísceras deram os primeiros sinais, que não valorizei, enquanto caminhava sobre aquele grosso tapete de propagandas politicas espalhados pela rua. Era um presagio, um mal sinal Então foram feitas as escolhas e eu me pergunto se era este o resultado que todos queriam? Quando retornava para casa, encontrei um senhor conhecido, que me disse o seguinte; Deveriam nos pagar  para votarmos, já que não elegemos políticos, mas carteis que vão mandar na nossa cidade! Em seguida me veio à cabeça, a ultima lei sancionada pela administração municipal, que restringe o uso do Largo Glênio Peres, um espaço publico tanto tempo esquecido e que pertence a o povo desta cidade, para o uso de manifestações culturais e politicas, que são elementos fundamentais para liberdade de expressão democrática.

Sarau em Guaíba.

Recebi o convite por telefonema ontem de noite e minutos depois, caiu uma chuvarada tão forte, que eu pense; Vão me ligar novamente, desfazendo o convite, mas não aconteceu. Fomos ao sarau da Denise do outro lado do lago. Assisti a apresentação de talentos acomodado na fila de cadeiras pretas, estufadas e fiquei pensando que cada um tem um artista dentro de si que precisa ser mostrado, apreciado, aplaudido, é uma das formas que as pessoas tem de se sentirem amadas, respeitadas e socializarem o que gostam de fazer. Gostei particularmente das apresentação de tangos argentinos acompanhados de teclado e gaitinha de boca e depois de uma outra apresentação solo de gaita e violão (a la Borguetinho). 
Não falei com a Denise que é a curadora do evento, que funciona já a cinco anos no museu da cidade, somente com a sua filha Hana, simpaticíssima, que cantou Esquadros da Calcanhoto no finalzinho do espetáculo e depois saímos com Josué e Welinton para jantarmos. O bate papo animadíssimo  regado a cerveja bock, obrigou-nos a aceitar seu convite para irmos até sua casa e continuar...
Encontramos um violão de desenho delicado, cuja afinação e som especiais são atribuídos a um parafuso que lhe foi colocado. Cantar é muito bom e parece limpar a alma.

sábado, 6 de outubro de 2012

DESAMARREM OS CACHORROS.


Depois da minha visita a exposição de Miguel Rio Branco, no Santander Cultural, aceitei o convite de um amigo, para visitar a Praia de Ipanema, na zona Sul de Porto Alegre. Saímos do Bom Fim, até o Santuário Madre de Deus, ouvindo Sidney Magal e Tim Maia, no radio de uma Kombe e depois seguimos até Ipanema cuja a água e a orla me pareceram mais limpas e menos movimentada do que das outras vezes que estive por lá de visita. Também era uma sexta-feira de tarde e desta forma, o movimento de pessoas na praia e o trafego de veículos, estavam menos ostensivos que nos Sábados e Domingos, quando costuma lotar todo o trecho de acesso a praia.
Caminhando pela orla meio vazia, eu fiquei lembrando de alguns momentos da minha infância  em que eu passava com a família por ali, para aproveitarmos os belos dias de sol em grandes piqueniques numa caminhonete DKV.


Nesta época, eu com meus dez ou onze anos de idade, lembro-me de uma situação que me deixou muito envergonhado, impedindo-me de retornar a este lugar depois de me tornar jovem. Essas mazelas emocionais que adquirimos, pela falta orientação necessária, mas que depois passa!...
Eu era criança e lembro de estar sentado na areia, num desses dias de veraneio, quando percebi dois cachorros que se arrastavam, parecendo terem sido amarrados pelos rabos. Eu fiquei muito apavorado com o que me parecia uma maldade humana e gritei para todos os que estavam presentes, que os desamarrassem para não se machucarem ainda mais.
Houve um silencio geral, depois seguido de largas gargalhadas por causa da minha inocência, que foi mais encarada evidentemente, como uma estupidez. Depois levei uma daquelas xingadas, sem entender  o porquê.


Sou desses tempos, em que se aprendia sobre as coisas da vida, aos trancos e barrancos e quase sem nenhuma explicação, tempos em que a esperteza e o código de olhares com silencio, era uma arte e sinônimo de inteligencia, alem de outros valores invertidos. Tudo bem, eu sobrevivi com alguns defeitos evidentes e não mais recuperáveis, mas sobrevivi.


Ainda hoje pela manhã, na exposição do Miguel Rio Branco, no Santander, uma fotografia com cães grudados, me fez lembrar desta situação, e depois ir até Ipanema onde vivenciei esta experiencia desagradável a tanto tempo atrás, me fez refletir que certas situações se incidem na nossa vida para reviver e reorganizar certos erros e mal entendidos a que somos submetidos. Acho que é uma especie de chance dada, para nos perdoemos de culpas do qual nem somos responsáveis.



PONTO CEGO.

Nesta sexta-feira, dia internacional da cerveja, levantei cedo para compromissos inadiáveis. Depois de tudo resolvido, ou ao menos encaminhado, decidi dar uma passada no Santander Cultural, na Praça XV, centro de Porto Alegre, para reencontrar um amigo de viagem e ver a mostra de fotografias, desenhos, pinturas, colagens e videos do artista plastico Miguel Rio Branco, chamada de Ponto Cego. Primeira surpresa, o Santander estava intencionalmente quase às escuras, para que as obras do artista se tornassem ainda mais evidentes ao olhar dos visitantes.


São 110 obras, numa multiplicidade de cores, simbolismos e efeitos, retratando os que estão à margem da sociedade e que poucos tem curiosidade ou interesse de conhecer, fora de uma exposição, esta realidade tão cruel. Os painéis de fotografias principalmente e que mais chamou-me a atenção, retratam a tristeza, a pobreza, a prostituição, a ternura, marcas da violência, sedução, relações interpessoais marginalizadas e outros sentimentos transmitidos através de expressões oprimidas, resignadas, degradadas e identificadas nos semblantes castigados pela vida, nos olhares e gestos, marcados por uma falta de esperança que são imposto aos excluídos, aos que não possuem chance de uma melhor escolha.


O trabalho do artista é tão vibrante e a mesmo tempo tão impactante, que nos faz pensar em como tudo aquilo pode ser possível. A fotografia de um cão sarnento e abandonado na rua, assim como a de um homem sentado bêbado ou talvez drogado na calçada, colocam-lhes na mesma posição de desleixo e de abandono. Mulheres com cicatrizes pelo corpo e pelo rosto, marcadas por uma violência com impunidade e desumanidade. Detentos aprisionados em uma cela, como se fossem animais, crianças maltratadas, homens esmagados nm coletivo como se fossem simples cargas...


As obras que foram produzidas entre 1986 e 2012 para compor a exposição, são tão aflitivas quanto educacionais, no sentido de nos forçar a uma reflexão profunda e pessoal desses fatos que modelam uma sub-sociedade perversa e que alavanca regras e costumes tão violentos e aquém da nossa realidade de confortos e modernidades.


Alguns desses trabalhos fotográficos resgatados pelo artista, no Pelourinho em Salvador, em Cuba, e no Deserto do Atacama no Chile, mostram que a pobreza e a exclusão social não possuem fronteiras geográficas,  que pessoas apresentam atitudes, reações e sentimentos semelhantes independente de raças e nacionalidades, quando lhe são negados dignidade.


Bom, eu não acredito em simples coincidências e acho que o nome da exposição veio a calhar numa perfeita elucidação da realidade, já que ponto cego em particular é uma obscuração do campo visual, uma parte do campo de visão não percebida. O trabalho de Miguel Rio Branco vai alem da perfeita performance estética, mas como uma denuncia de cunho artístico, na sua mais intensa profundidade, sobre esses desdobramentos sociais e humanos a serem questionados com atenção. E nossa.., o olhar deste cavalo me pareceu estar dizendo tantas coisas!..

quinta-feira, 4 de outubro de 2012

A chegada do Outubro.

Setembro se foi e já faz quatro dias que convivo com o Outubro, que me parece uma fotografia em branco e preto, cujo os dias são cinzas e de noite faz algum frio. Um período de contemplação, de convivência parcimoniosa entre a alegria e a melancolia, a mescla dos dois sentimentos em doses aceitáveis de convivência, parecido comigo. Outubro chegou me pondo de mãos amarradas, impondo esperas, resguardos, me proibindo de tomar decisões antecipadas, abrindo e fechando janelas que rangem ao entardecer dos dias. 

Na beira do Dilúvio em pleno ataque de nervos.

De onde surgem os surtos coletivos, de amigos influenciáveis, da mídia, do inconsciente coletivo, de algum vírus desconhecido, ou da gente mesmo, do nosso interior, que tenta reprimir ao máximo a chateação com Lexotan, Fluoxetina, Diempax e que de uma hora para outra, deixa de funcionar pelo excesso de sobrecargas emocionais e fazem as pessoas jogarem tudo pro alto, explodirem publicamente para quem quiser assistir ao show gratuito?
Eu agora vou falar é das placas de propagandas politicas espalhadas por toda a cidade, que não é nenhum segredo a insatisfação da população que se vê intoxicada com esta poluição visual por todos os lados por onde se olha. E não só nas ruas, os panfletos, santinhos e mensagens, superlotam a nossa caixa de correio e invadem nossos celulares inoportunamente. Seriam elas, as propagandas, o estopim para deflagar alguma explosão desta natureza? Não, não se pode afirmar, acho que qualquer motivo, até o mais banal, pode acender o estopim da bomba. Eu entendo que os candidatos precisam se fazerem conhecer, mas há de se pensar em outros métodos menos invasivos e mais eficientes... Ontem eu vinha pela avenida Ipiranga, nas proximidade da universidade da PUC, quando percebi a presença de um jovem no canteiro central, que margeia o Arroio Diluvio, caminhando como se fosse um robô e que por vezes, fazia gestos que lembravam uma luta marcial. Andando quase em linha reta, ele seguia na direção das placas de propaganda politica enfileiradas, que simplesmente não desviava, atropelava todas, sem olhar pra traz e constatar se realmente tinha concluído seu objetivo, que aparentemente era destruí- las. Ele deve ter derrubado pelo menos umas cinco ou seis e seguia em frente sob os gritos e buzinaços dos motoristas que dirigiam pela via movimentada naquela hora da manhã. Eu não estava portando minha maquina fotográfica para registrar a cena e mesmo que estivesse, não seria possível, pois eu estava no volante, em silencio de surpresa, sentindo-me fazer parte daquela massa exacerbada. Eu fiquei pensando que a atitude do rapaz, provocou um verdadeiro alvoroço em quem passava de carro naquele momento, que eu não sei explicar se de revolta ou de apoio a depredação. Nestes surtos coletivos cada um tem seus motivos pessoais, fomentando as grandes massas a tomarem atitudes descabidas, talvez este não fosse o caso, mas abre um precedente a se pensar.
A proposito, eu li no site da RBS, que em 2010, o lixo produzido pelas campanhas eleitorais não pode ser reciclado. Apesar de serem compostos basicamente por plástico, papel e madeira, os cavaletes, placas e santinhos ao serem jogado nas ruas, tornam-se poluídos em função de sujeira como areia, poeira etc. O material era levado para um aterro sanitário. Atualmente não sei se o procedimento será o mesmo no final das eleições.

Mais arte nas Ruas de Porto Aegre

Quem anda por Porto Alegre e possui um olhar mais atento, deve ter percebido alguns painéis, (outdoors), espalhados em alguns pontos da cidade, exibindo pinturas de antigos artistas gaúchos  Esta ação acolhida pela secretaria Municipal da Cultura, foi presenteada pelo Grupo LZ, que comemorou 40 anos de atuação no mercado de mídia, inserindo esta ideia no Projeto Arte nas Ruas, que a cada mês, escolhe cinco artistas para colorir a cidade. São 21 obras de 14 pintores escolhidas pela Secretaria Municipal da Cultura. Esta ideia alem de reavivar as obras de artistas da Pinacoteca Aldo Locatelli, transforma o cenário urbano numa especie de galeria de arte a céu aberto. Atualmente os painéis podem ser encontrados no Parque Marinha do Brasil, Parque Farroupilha (Redenção), Parcão, Centro de Cultura e a Praça Carlos Simão Arnt. O de minha preferencia é o que mostra a antiga ponte de pedra.

quarta-feira, 3 de outubro de 2012

Quanto tempo leva para a fluoxetina fazer efeito?

Neste mundo globalizado, a sociedade é uma grande empresa de representações, subdividida em pequenos departamentos representativos em busca de seus interesses sócio-econômicos. Construíram grandes salas com terminais de computadores para responder a estas demandas. Treinaram pessoas para se tornarem representantes orgulhosos destas representações que viciados nestas rotinas, seguem manuais de orientação, levam para o seu dia a dia metas e exercícios, que são aplicadas aos seus vizinhos, filhos, cônjuges e animais de estimação. Transformaram-se em células multiplicadoras dessas representações. Meu Deus, quando é que a minha fluoxetina vai começar a fazer efeito? São gerentes, síndicos, supervisores, operadoras de telemarketing, seguindo normais e traçando interesses cujo o alvo é a gente.

Você também pode gostar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...