domingo, 27 de março de 2016

PÁSSAROS PRESOS

Existe um cheiro peculiar em cada arvore que eu abraço, em cada rua que entro, uma sinfonia em cada vento que sopra criando notas musicais nunca ouvidas por mim antes. Tenho um nó preso na garganta a me arranhar e quem não o tem, não faz parte deste mundo.
As vezes desconfio que  a natureza trabalha silenciosa, para que libertemos pássaros engaiolados do nosso interior. Solta-los dói. Mante-los preso nos asfixia até a morte.


sábado, 26 de março de 2016

SENTIMENTOS DE INVERNO

Quando chove tanto assim, me perece que é chuva de Julho, que formam lagos nas praças e calçadas esburacadas desta cidade, misteriosa sinfonia de sapos, meninas olhando o mundo por traz da bruma na vidraça, brasa no fogão a lenha, café preto perfumando o ar, pão torrado com margarina, lampião a querosene pendurado na parede, com discreta luz querendo se apagar..


sexta-feira, 25 de março de 2016

IDAS E VINDAS.

Então eu sinto nossas desigualdades como fórmulas matemáticas incompletas, nestas equações de verdades e de sentimentos que correm inexplicavelmente de uma ponta a outra da vida e no sentido contrario. Desencontros que revelam nossas diferenças, enquanto vais em tuas Idas e eu volto arrastando lembranças de outros tempos em que parecíamos seguir numa mesma direção. Tempos também de solidão, de pensamentos de inverno, de nuvens escuras e espessas no horizonte, de olhos ressecados ao vento, que por sorte, alguns verões lhes deram brilho, viçosidade. Tenho a sensação de que um dia, cruzaremos um pelo outro e bateremos nossas mãos acidentalmente na rua. Nos olharemos surpresos olho no olho, com a impressão de que nos conhecemos de algum lugar do passado...
Sabe? Nada disto é triste, são apenas constatações de que nos deslocamos para pontas opostas nesta vida, construindo o que somos hoje, seres humanos diferentes.


quarta-feira, 16 de março de 2016

AMARRANDO O CELULAR NA TESTA

Não tenho mais paciência e antes que eu tenha uma crise de estres, estou começando a não aceitar mais convites de pessoas que vivem de celular na mão o tempo todo, desatentas a qualquer bate-papo que inicio com elas.
Na verdade, isto é muito constrangedor e qualquer assunto, se fragmenta e morre quando é percebido a desatenção. Pessoas com este perfil, já se contaminaram com a mentira de que não estão sozinhas, de que são populares, de que são amadas por estarem cercadas de gente, que curtem tudo o que elas postam, sem ao menos lerem o que foi escrito.
Gente fora de moda, como eu, que dá importância a atenção, a o olho no olho, deveria ir viver numa ilha deserta e longe dessas modernidades ou então, amarrar o celular delas na minha testa, para  dar a sensação de que estão me olhando no rosto, enquanto estamos falando.


CENAS COMUNS DO COTIDIANO.

Acordar cedo e abrir a janela... Numa determinada hora, a noite divide espaço com o dia e tem uma cor diferente, uma cor cinza pálida mesclado em sombras, que parece uma película de filme antigo a rodar na tela quadrada da janela. As imagens passam fragmentadas sob a luz dos raios frágeis do sol que começam a despontar do outro lado do infinito.
Na rua, o homem cruza decidido, o cachorro fareja qualquer coisa pelo chão, o casal de namorados se abraçam e bocejam no portão.  Pra onde vão todos, o que o cachorro procura?
Engraçado ver a vida assim, sob uma aresta diferente, um toque de enigma no que é vitalmente comum ao cotidiano.
Observar as pessoas, mesmo que a distancia, nos revela verdades e mentiras, nos aproxima do humano que todos somos, um toque de despedida que se espalha na alma.


terça-feira, 8 de março de 2016

NÃO É O SHORTINHO, É O QUE ELE REPRESENTA.


Quando eu li e também ouvi, a grande quantidade de comentários, alguns inclusive de pessoas da minha relação, escrevendo nas redes sociais, frases tendenciosas e de repudio, ao protesto feito pelas meninas "burguesas" do colégio Anchieta, que se reuniram no patio da escola com cartazes em protesto a proibição de usarem shortinhos nas dependências  da instituição, porque desviava a atenção dos meninos e professores, eu juro que fiquei de cara e não pensei que isto viraria sopa de letrinhas num caldo de discussões. Muitos comentários na Internet diziam que se tratava de um protesto de quem não tinha o que fazer e que deveriam protestarem por coisas mais serias, como a má qualidade do ensino no país, que não é mais mérito apenas das escolas publicas, etc., etc., etc..

E eu fiquei pensando nas opiniões que se divergiam,  nos que acreditavam se tratar de uma luta em defesa dos direitos da mulher e nos que argumentavam ser algo sem fundamentação. Dai que percebi como as pessoas não repararam que esta atitude era apenas simbólica, por que representava muito mais do que a aceitação ou não de um tipo de roupa considerado pelas grande massas, como obsceno e que ofende os pudores da sociedade moralista, porque se trata de uma luta contra a diminuição e controle da liberdade das garotas e/ou (mulheres) de usarem aquilo que se sentem bem, como uma forma de se expressarem, sem que sejam responsabilizadas pelos descontroles emocionais dos outros e de toda uma sociedade machista e escrupulosa. É inaceitável que as mulheres sejam responsabilizadas pela distração ou desrespeito dos homens, em qualquer âmbito de convivência, (na escola, no trabalho ou na rua), pelas roupas que escolheram vestir. Não é o shortinho que incomoda, é o que ele representa na cabeça de cada individuo.
Será que se uma menina usando shortinho ou mini saia, for vista andando na rua e chamar a atenção de algum motorista tarado, que atropela meia duzia de pessoas numa parada de ônibus, será responsabilizada pelo acidente?.. Olha que não é de se duvidar que seja responsabilizada!

VIVA, PENSE, OBSERVE? LOGO VOCÊ EXISTE.


Uma das coisas que prova que um homem está vivo e que ele existe, está na liberdade de seus pensamentos, na sua capacidade de observação e no interesse de desvendar os mistérios do mundo que o cerca e sentir de que forma se relaciona com isto. Este é um processo de evolução pessoal acompanhado de pequenas revoluções a serem vencidas a cada minuto de reflexão sobre a vida.
Conhecer pessoas, atuar nos mecanismos de convivência e descobrir novas culturas, faz parte deste contexto de ideias que o joga contra os paradigmas que o faz navegar pela vida.
O desejo de mover-se, de conhecer lugares, de descobrir outros hábitos sociais e culturais,  o faz reconhecer-se, transformar-se num ser humano mais flexível diante das escassas respostas, que  o faz modificar-se a cada nova experiencia vivida.

Você também pode gostar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...