terça-feira, 27 de setembro de 2016

JOGANDO TUDO PRO ALTO

Ontem, uma amiga de viagem me surpreendeu com a decisão corajosa de se mudar do Brasil para a Espanha. Surpresa?.. É, eu fiquei, principalmente pelo fato dela ter mais de 60 anos de idade e por um preconceito que não só meu, idade parece ser um problema quando de mais e de menos.
Cada vez mais um grande numero de pessoas não mais jovens, tem feito isto, disse-me ela; deslocam-se de seu país de origem, para outros lugares do mundo, em busca de melhor qualidade de vida, de novas vivencias.
Sair de seu pais de origem, abrir mão de referencias, de comodidades, arrancar raízes, buscar novas experiencias, mesmo depois dos 60 anos, nos perece ainda um risco maior. Abrir mão de patrimônios conquistados, quase que uma vida toda de sacrifícios e de lutas, por novas perspectivas que não temos noção de sua grandeza e que só iremos descobrir indo, partindo, arriscando, conhecendo, nos parece um temeroso desafio as escuras, que não serve pra qualquer um, tem que ter culhões!
A surpresa maior, fica por conta é da coragem de quem joga tudo pro alto e se arrisca atrás de valores imateriais, que é a descoberta da sua própria felicidade.

quinta-feira, 22 de setembro de 2016

UMA CIDADE DE SOMBRAS


Existe uma melancolia que me vigia, pelas ruas por onde passo, escondida atras de portas, janelas e sacadas sombrias nestes dias cinzas de inverno... Pessoas cruzam as ruas em silencio, outros leem jornal...
Montevidéu me revela traços de uma vida taciturna, com pistas escondidas em cada sombra aparente, em cada cantinho obscuro que se revela, em cada janela que se abre, diante da curiosidade e dos olhos atentos aos incógnitos desse mundo.


A cidade parece um esboço em preto e branco, antes do artista definir as cores finais na tela.
Nestes três dias que lá estive, foi possível mostrar, com muito prazer aos que me acompanharam em caminhadas pela cidade, o quanto existe de beleza e poesia nesses lugares bucólicos, que parece andar numa outra velocidade e nos alimenta a alma com suas diferenças e contrastes. Montevidéu está na lista de lugares que minha alma gostaria de morar.

sexta-feira, 16 de setembro de 2016

CONVITE.

E se eu te convidasse para deitarmos na grama e iniciássemos uma guerra de pipocas?.. E se eu  te propusesse um piquenique em cima das árvores, ou procurar ÓVNIS numa noite estrelada, você toparia?

Tem gente que não vê o que a gente vê, não sente o que a gente sente, não fala  a mesma linguagem, não curte as mesma coisas. Vive noutra vibe, noutro espaço, noutro planeta. Interpreta a vida de maneira diferente, descreve o mundo com outra leitura. Desta forma, fica difícil ser feliz, quando exigimos o minimo, e não se encontra sinergia.
As vezes desistimos de tudo e tentamos buscar a felicidade sozinhos, uma felicidade que nos parece simples e solitária, mas tão complexa e absurda aos olhos de quem se põe disponível a tentar dividir essas coisas com a gente, que perecem teorias infundadas.

segunda-feira, 12 de setembro de 2016

COISAS DO PASSADO.

Houve um período distante de hoje, em que as pessoas eram mais verdadeiras, mais afetuosas, mais emotivas, mais amorosas, mais glamourosas, mais inocentes. O que fez com que tudo isto mudasse em tão pouco tempo?.. Muito desses sentimentos, ainda podem ser sentidos nas musicas de Cole Porter e nos pés de Fred Astaire e Ginger Rogers. Inacreditavelmente, houve também um tempo, em que eu acreditava que as pessoas falavam cantando e se movimentavam pelas ruas e em suas casas, como se estivessem dançando e que tudo isto, não era uma ficção do cinema.

sábado, 10 de setembro de 2016

A ULTIMA SESSÃO DE MUSICA

A Ultima Sessão De Musica, é daquelas composições de Milton Nascimento, que me tocam profundamente, quando a ouço e antes mesmo de eu perceber, meus olhos já se encheram de lagrimas e o coração fica acelerado como num  sapateado frenético.
Milton disse que quando pensou em compô-la, lembrou de um final de espetáculo, num bar, onde um pianista sentava-se para tocar, despreocupado com os sons que vinham do ambiente. Na musica, é possível se ouvir em segundo plano, vozes de pessoas conversando, e ruídos de pratos e de talheres, criando um clima nostálgico dos anos 50 e ao fundo, uma bela melodia simples, tristonha e sem muitos acordes, onde o simples torna-se espetacular!




sexta-feira, 9 de setembro de 2016

LEITE QUENTE.


Fiquei observando nesta semana uma situação entre conhecidos e pensei comigo mesmo: Quanto mais culpa sobre seus erros as pessoas têm, mais vitimizadas elas se sentem. Dai elas ficam dando justificativas para esclarecer sua inocência. Ficam repetindo pros outros incansavelmente, como se aguardassem alguma absolvição, como se a propagação de suas palavras também as convencesse dessa falta de culpa e tudo se transformasse num reconhecimento positivo, num pedido de perdão geral.
A culpa é o resultado, (sofrimento), obtido após a reavaliação de um comportamento passado tido como reprovável por si mesmo. Juntando a isto tudo, a preocupação com a própria imagem, a sensação de baixa credibilidade e a tentativa de provar que os outros tem mais culpa, faz com que esta novela prossiga longe... Isto tudo, me parece com o queimar a mão no leite quente. Não é culpa do leite que transbordou, mas algum provável descuido de quem o serviu.

terça-feira, 6 de setembro de 2016

A SINFONIA DA CHUVA


Daqui eu ouço a sinfonia da chuva que cai forte sobre os telhados da cidade, que me faz pensar em tantas besteiras, em tantos uivos e cantorias, em tantos mingaus de chocolate quente, sob os cobertores de lã. Eu não quero mais que ela se acabe, que vá embora. Eu quero ser diluído em pequenas gotas formando um fino fio liquido a escorrer e desaparecer pelos cantos furtivos da casa. Mas se amanhã inesperadamente surgir  o Sol, serei incidentemente outro...

PLIM, PLIM.


Eu não quero que a televisão, faça escolhas por mim, que ela determine pelo que devo sorrir ou chorar. Eu faço minhas próprias escolhas e decido no que acreditar.
Prefiro o silencio da desinformação ou os ultrapassados chuviscos luminosos, do que as mentiras e manipulações ditadas por ela, que só conduz a alienação e a ignorância das massas. Chega de rostos simpáticos a me contar mentiras, a esconder verdades. Chega desta fabrica de ilusões que invade a minha casa, me coloca viseiras e me envenena diariamente com todo os tipos de mentiras.

segunda-feira, 5 de setembro de 2016

NO BECO ESTREITO DA INTROSPECÇÃO.

Nesta noite de Sábado, de frio e de chuva, decidi assistir um filme que encontrei na Internet. Uma pequena cena deste filme, me chamou a atenção, fazendo-me entrar nos becos pessoais da introspecção, enquanto recolhia-me sob as cobertas.
A cena era de um casal de namorados, na sala de um apartamento em Nova Iorque, onde pareciam estarem se conhecendo. Faziam perguntas, um para o outro, mas as respostas que trocavam, eram um tanto evasivas, reticentes, parecia que não falavam um com o outro, mas respondiam para si mesmo, as suas próprias questões pessoais pendentes. Uma reflexão sobre a vida e eles mesmos, eu diria!..
Num certo momento, ela se aproximou de uma janela e ele perguntou o que ela estava vendo. Ela então respondeu: 
"Uma arvore, carros passando pela avenida e outros prédios iguais a este, com pessoas como nós dentro deles. Metade delas acham, que nada vai dar certo, a outra metade acredita em magia. Elas vivem em guerra..." 
Achei instigante e profunda esta observação feito pela moça, que descrevia o retrato da sociedade moderna e solitária, das pessoas que vivem nas grandes metrópoles, presas em cubículos verticais e que vê seus destinos trassados peça falta de sorte, ou por forças invisíveis que vão alem de seus controles.
Talvez estivesse falando deles mesmos, da guerra que estavam travando intimamente, para que a relação desse certo, dos traumas e medos, que os impedia de se entregarem livremente um ao outro, por acreditarem que não daria certo, mas que a outra metade acreditava (em magia), na possibilidade desse encontro...Eles também estavam em guerra?..

domingo, 4 de setembro de 2016

QUE ÁRVORE REPRESENTA A TUA ALMA?



As árvores no Outono mostram sua alma, porque ficam despidas ao perderem suas folhas. Mostram-se como realmente são, desprovidas de seus artifícios naturais. 
Talvez devêssemos, nos apresentarmos pra elas, perder nossas folhas e nos mostrarmos como realmente somos, sem artifícios e trassando algumas identificações através de diálogos silenciosos.


Alguém disse que cada pessoa tem sua arvore e que ela é a representação de nossa alma, que só é possível  identifica-la quando ela estiver despida, sem suas folhas.
Você já descobriu qual é a sua?
Todas se tornam pouco identificáveis, quando perdem suas folhas, mas outras características pouco notadas se salientam, fazendo-as se tornarem diferentes uma das outras e aos nossos olhos viciados em artifícios.



sábado, 3 de setembro de 2016

A VERDADE DÓI COMO AS CHIBATADAS DE UM CARRASCO.


Naquela noite, eu mais uma vez corri a o encontro das palavras que me eram doces aos ouvidos, do acalanto tantas vezes recebido em forma de olhares cúmplices, gestos bondosos que me seguravam as mãos e se transformavam em abraços de conforto, para que eu tivesse forças e continuasse a viver a dor que não morria, para fazer funcionar a maquina em frangalhos, por mais dois, ou três dias.
Era o tempo que durava este conforto, que sustentava a minha inconsciente mentira. Mas nos minutos que se seguiram, vieram palavras que me pareciam frias, meio amargas, rudes, ao invés do carinho sempre esperado. Surgiram lacunas de silencio, magoa e muita raiva espalhadas entre farelos de pão sobre a mesa escura.


Veio o chicote fino e arrebatador, me cortando a carne e me mostrando a verdade distante, que eu não queria enxergar. Acabaram-se os tapinhas nas costas e todas as mentiras que eu estava viciado de tanto ouvir. Então me senti julgado, traído e morrendo numa complexa desordem que se seguiu por dias a fio, sobre a cama, até ressuscitar-me em pequenos pedaços que foram se colando pela obstinação de uma sobrevivência emocional necessária.
Fui entendendo, com o passar dos dias, o quanto dói uma verdade e que chicotadas muitas vezes, são necessárias para nos estimular e enfrentar as dolorosas verdades, que escondemos de nós mesmos; Que nossas verdades, podem ser mentiras confortáveis, que vão nos transformando em doentes mimados e sem perceptivas de cura.

Você também pode gostar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...