segunda-feira, 18 de dezembro de 2017

RESTAURANTE-HOTEL TOFFOLO.

E vieram dizer-nos que não havia jantar. 
Como se não houvesse outras fomes 
e outros alimentos. 
Como se a cidade não nos servisse o seu pão 
de nuvens. 
Não, hoteleiro, nosso repasto é interior
e só pretendemos a mesa. 
Comeríamos a mesa, se no-lo ordenassem as Escrituras. 
Tudo se come, tudo se comunica, 
tudo, no coração, é ceia. 
Carlos Drummond De Andrade



O Bar Restaurante e Hotel Toffolo em Ouro Preto, é destes lugares intimistas, que te convidam para um passeio no passado. Portas e janelas de um azul colonial vibrante, moveis antigos de madeira escura, meia luz e uma simplicidade, que reporta para uma taverna do seculo passado. Um garçom atencioso e educado, uma senhora que incansavelmente se mantém de pé atrás de um balcão, coordenando tudo a volta, com a voz mansa e um sorriso que esbanja bom humor e delicadeza. 


Dona Gracinda Toffolo supervisiona com espantosa energia o estabelecimento que está com a família a mais de um séculos. A propriedade é o primeiro hotel-bar da cidade de Ouro Preto, já existente há 114 anos e nele hospedou os escritores Manuel Bandeira e Carlos Drummond Andrade autor do poema que postei no inicio da página.

segunda-feira, 4 de dezembro de 2017

ESCADARIA LADRILHAR.


Então, quem já ouviu falar no Projeto Ladrilhar? Eu não conhecia, ate ler uma pequena nota no Jornal Diário Gaúcho, que caiu nas minhas mãos, não lembro como, num dia em que eu estava trabalhando e, me chamou a atenção e curiosidade.
O Projeto Ladrilhar foi uma ação de moradores do Bairro Jardim Carvalho, na zona leste de Porto Alegre, estimulando os conceitos de cidadania e empoderamento, para demonstrar que a união faz a força e é fundamental, podendo modificar um espaço público e seus conceitos. 
Localizada na Rua Professor Antonio Peyronton Louzada S/N no bairro Jardim Carvalho em Porto Alegre, uma escadaria antes, desconhecida, perigosa, intransitável e abandonada por mais de 50 anos passou a ser não só um atrativo turístico, mas a prova de empenho e força de seus moradores, que juntos, através de mutirões, lutaram por um objetivo comum: Revitaliza-la, e assim, mudar seus conceitos sociais, na periferia da cidade.


A ideia surgiu, do idealismo de uma moradora, a psicologa Claudia Coelho de 46 anos, que com apoio dos vizinhos, transformou a escadaria de 88 degraus, antes uma rota de fuga de assaltantes e ponto de encontro de usuários de drogas, num orgulho para o bairro e exemplo para a cidade, a ser seguido como um exemplo.

Você também pode gostar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...